Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Artigo: Que tal dá uma espiadinha!

Autor: Alexsandro Rosa Soares – Graduando em Letras pelas Faculdades Integradas Padre Humberto, Graduado em Normal Superior pelo Instituto Superior de Educação de Itaperuna, Especialista em Cerimonial e Protocolo.

Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar proposta discutível dos valores e princípios deixados de lado no mundo globalizado em que vivemos envolvendo a mídia como grande influenciadora no comportamento do aluno de ensino fundamental.

Palavras-chave: Mídia, educação, valores.

Que tal dá uma espiadinha? Essa é a frase que movimenta mais de 1 milhão de pessoas a sentirem o desejo de passar algumas horas de sua vida observando a vida de outros. Diante do grande índice de audiência que é atingido todos os dias pelos reality shows disponíveis das mais diversas formas na mídia e da mais nova propaganda para inscrição de uma nova etapa para um outro programa, é questão a se pensar, o que faz com que vários seres humanos disponibilizem um tempo precioso de suas vidas para se dedicarem a isso? 

Fama, sucesso, dinheiro, ambição, esses são alguns dos inúmeros motivos para que esses tipos de programação consigam prender milhões de telespectadores em frente a televisão. Esses são os motivos que nos levam a refletir sobre que programação meu filho, meu aluno está vendo? São esses os motivos básicos para que ele viva em harmonia? Para que ele seja feliz? Conhecemos e reconhecemos a influência que a mídia exerce na vida das pessoas, principalmente das crianças que são indivíduos ainda em formação e que assimilam o que lhes é apresentado. 

A construção da identidade é social e acontece durante toda, ou grande parte, da vida dos indivíduos. Desde o seu nascimento o homem inicia uma longa e perene interação com o meio em que está inserido, a partir da qual construirá não só a sua identidade, como a sua inteligência, suas emoções, seus medos, sua personalidade... a construção da identidade é um desses fatores relacionados ao desenvolvimento que tem íntima, senão total, dependência da cultura e da sociedade onde o indivíduo está inserido.(LEPRE, 2003, p. 12) 

A mídia que se diz defensora dos ideais populares, das causas justas e humanitárias, favorável à liberdade de expressão é a mesma mídia que apresenta aos telespectadores programas que não acrescentam em nada no desenvolvimento pessoal e humanístico de quem assiste. Que omite informações que podem acrescentar e desvendar aos telespectadores uma ponta de criticidade em analisar, discutir e opinar sobre o que lhe é apresentado. A mesma mídia que tem o poder de engrandecer o conhecimento de nossas crianças unindo criatividade e educação, prioriza programas que são totalmente anti-culturais e que visam somente a cultura do entretenimento fútil e banal. 

O desenvolvimento da cultura da imagem, do ícone, do ídolo, a mídia de certa forma, colabora para a desumanização e a mecanização do ser humano. É inegável que a mídia é uma grandiosa aliada em campanhas sociais, que visam a melhoria da qualidade de vida da humanidade, também é inegável que através dela, empresas, associações e órgãos de classe têm a sua disposição um espaço de arrecadar fundos para classes sociais menos favorecidas. Contudo, também é inegável que esta mesma mídia prioriza a busca pela fama a qualquer preço, a busca obsessiva pelo sucesso, por ter bens materiais, pela beleza, enfim pela distorção de valores e princípios que muitos julgam serem ultrapassados, mas que fazem parte da educação para um ser humano de respeito que prioriza não o material, mas o humano, no bem estar do outro e de si próprio. 

É objeto de preocupação que nossas crianças estejam tendo como possibilidade de crescimento, opção de lazer e diversão, esse tipo de programação, pois se sabemos da importância da influência social na vida de cada ser, e principalmente da mídia que entra em todos os lares, devemos como educadores, pais e seres humanos que somos, incitar um olhar crítico de nossos alunos e filhos afim de que os mesmos sejam seres críticos e conscientes, capazes de discernirem as informações positivas e negativas que lhes são apresentadas pela mídia. 

Piaget considera que o processo de desenvolvimento é influenciado por fatores como a aprendizagem social (aquisição de valores, linguagem, costumes e padrões culturais e sociais), ora se o desenvolvimento é resultado de um processo social somos então responsáveis por essa imposição explícita de que o ter é mais importante do que o ser. De que a quantidade é mais importante que a qualidade. De que a fama e o dinheiro valem mais que a vida e a privacidade de um ser humano. 

Recentemente em um desses reality shows, um apresentador perguntou à um de seus participantes o que valia(no jogo) por 1 milhão de reais, o participante respondeu enfaticamente que só não valia matar ou roubar. Ora, então podemos por 1 milhão de reais ultrapassar por cima das pessoas e de seus sentimentos, podemos magoá-las, fingir ser o que não somos e deixar de lado os princípios morais que proporcionam um ser humano sociável? Podemos lutar com unhas e dentes pela ambição de ser famoso e rico, sem se importar com o próximo ou com o que ele sente? 

É inegável que a mídia tem grande influência na reconstrução de um ser totalmente passivo que crê naquilo que lhe é apresentado sem analisar e discutir. Os meios de comunicação (principalmente a TV) com seus sonhos “prontos”, mesquinhos, grotescos, ora aterrorizantes, ora excessivamente românticos ou eróticos, seduzem as pessoas. A grande mídia parece preocupada em fabricar e impor os seus próprios sonhos (em novelas, filmes, “um sonho de princesa”, até a guerra hoje é oferecida em forma de “sonho americano” de liberdade, de democracia, etc.). A grande mídia trabalha, ora para realçando coisas, ora omitindo outras coisas ou fatos, ambos, no fundo visam a dominação ideológica. Padronizando uma única linguagem, a mídia termina rejeitando o potencial criativo e diversificado das pessoas sonharem por si próprias. 

Vygostsky diz que o desenvolvimento do individuo é o resultado de um processo histórico e da sua participação no mesmo seja como protagonista ou como mero expectador, ou seja, somos resultado de nossa participação na sociedade, podemos tornar-nos seres totalmente passivos ou completamente ativos e capazes de protagonizar nossa história de vida social. Os educadores, com seu papel de educar para a vida, devem desenvolver trabalhos e meios que focalizam a concepção ambientalista, proporcionando a criança uma participação ativa no meio em que vive.
 
Mas é preciso mais do que educadores para cuidarmos desse mal, também é preciso da ajuda dos pais que são tão responsáveis quanto . E se consideramos verdadeiramente que nossas crianças são o futuro da nossa nação, temos que agir logo!


Alex Soares
Enviado por Alex Soares em 26/09/2006
Reeditado em 26/09/2006
Código do texto: T249639
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alex Soares
Itaperuna - Rio de Janeiro - Brasil
82 textos (84253 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:35)
Alex Soares