CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

  HOMENAGEM À BANDEIRA BRASILEIRA


" Desconfio do
respeito de um homem com seu amigo ou sua bandeira, quando não o vejo respeitar o inimigo ou a bandeira deste."
                                   (José Ortega y Gasset)



Uma pessoa de pouco conhecimento, se ler a frase “ORDEM E PROGRESSO” que está em nossa bandeira, poderia achar que simplesmente faz parte de um verso de um poeta que enaltecesse nossa bandeira. Esta frase no entanto faz parte de um texto de Hilton Japiassu, afirmando o objeto de inspiração e concepção do francês Augusto Conte (1798-1857) para o positivismo. Baseado em uma fundamentação filosófica, onde o indivíduo não vive para si mas sim para o todo social sob a égide da “ORDEM e PROGRESSO”. O progresso exige ordem, sob a pena de cair na anarquia. E a ordem leva naturalmente ao progresso”... É como uma equação histórico-filosófica fundamentada em uma razão matemática. O positivismo de Augusto Conte evoluiu para uma doutrina religiosa, “O Positivismo Religioso”, cuja fórmula máxima era:”O Amor por princípio, a Ordem por base e o Progresso por fim”.

A Bandeira Nacional, símbolo augusto de nossa Pátria, foi adotada conforme Decreto número 04 de 19 de novembro de 1889, logo após o Brasil adotar o Regime Republicano. Embora houvesse a apresentação de projetos contendo mudanças radicais na antiga bandeira do Império, venceu o bom senso, pois foi aceita a proposta de Teixeira Mendes, chefe da Igreja Positivista do Brasil .

Ficou a Bandeira representada por um losango amarelo em campo verde, tendo no meio a esfera azul-celeste, atravessada por uma zona branca em sentido oblíquo descendo da esquerda para a direita com a legenda “Ordem e Progresso” de inspiração Positivista:” o amor por princípio, a ordem por base e o progresso por fim”. Dentro da esfera está representado o céu da cidade do Rio de Janeiro, com a Constelação do Cruzeiro do Sul, correspondendo ao aspecto do céu às 8:30 horas do dia 15 de novembro de 1889, dia da Proclamação da República.

O culto à Bandeira Nacional é sem dúvida, a mais patriótica das tradições brasileiras. Ela é içada as 8.00 horas da manhã e arriada as 18.00 horas, sempre com profundo sentimento de respeito e lealdade, renovando sempre o juramento solene de honrar e defender a Pátria com o sacrifício da própria vida. Este é o significado maior do cerimonial à Bandeira.

A nobre presença do lindo pendão da esperança, enaltece a grandeza de nosso país e nos alertas para garantirmos nossa soberania e, assim, nossa Bandeira continuará sendo o querido símbolo dos brasileiros e o símbolo augusto da paz.

Nas cerimônias alusivas à Bandeira Nacional, merecido é o preito que a ela rendemos, por ser a companheira inseparável, que no topo dos mastros, orienta nossas ações cotidianas. Homenageá-la é uma honra; defendê-la é um dever; venerá-la é um privilégio.

Nos territórios longínquos de nossa Amazônia onde os Pelotões do Exército guardam nossas fronteiras, na imensidão branca do continente gelado da Antártica ou nas missões de paz dos contingentes do Haiti, ou em outros solos, o seu vulto sagrado nos anima e nos faz compreender o dever.

Ao comemorarmos o Dia da Bandeira, nesse momento solene em que todos comungamos do mesmo ideal, ao entoarmos seu hino, renovamos em cada um de nós homens e mulheres, o sentimento de amor à Pátria, e reafirmamos nossa crença em seus valores.

Que a imagem da Bandeira Nacional, visão perene de fé e patriotismo, desperte em cada brasileiro a exata compreensão do dever privilegiando a honestidade e o bem comum, em detrimento dos interesses pessoais. Somente assim poderemos conduzir este Brasil ao seu radioso porvir, legando a nossos filhos uma Nação de paz, liberdade e bem-estar social, sempre sob o manto protetor do Pavilhão da Justiça e do Amor.


       


- Pacco

O regresso do egresso, 
Inda vai ser um progresso...
 Por fazer um retrocesso,
 Dá processo no congresso! 
A Bandeira do Brasil
É a mais linda do Planeta!
 Mas não há um só partido,
Que não tenha Picareta
!
 

 ANGELICA GOUVEA

B alança ao sabor do vento
A imagem de um povo sedento
N a busca do dia-a-dia o provento
D e dar comida para o sustento
E nquando houver corrupção
I nstala-se a confusão
R egistrando a divisões,
A s dos ricos e dos pobretões
N a partilha do pão,
A voz de Deus é a comunhão
C olocada a disposição
 I ndicada como direção
O uvindo a voz de uma canção
N as ondas do coraçãoA clamando uma solução
L evar para este Brasil a união








Ruy Silva Barbosa
Enviado por Ruy Silva Barbosa em 13/11/2010
Reeditado em 21/11/2010
Código do texto: T2612904
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Ruy Silva Barbosa
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 70 anos
177 textos (118323 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/14 00:56)