Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

STEFAN ZWEIG ESTÁ DE VOLTA

Apesar de nunca ter sido totalmente relegado ao esquecimento, Stefan Zweig passou muito tempo sem ter sua obra reeditada de modo consistente. Em razão dessa descontinuidade era natural ficar fora das livrarias, dos suplementos culturais, das resenhas literárias. Para não dizer que foi enterrado e esquecido de vez, os seus livros, no entanto, sobrevivem em quase todos os sebos, principalmente em edições saídas na década de 40. Agora se pode dizer com certeza: Stefan zweig está de volta.

Se quisermos detectar o elemento detonante desse acontecimento, chegaremos, sem dúvida, à biografia escrita em 1981 por Alberto Dines. A importância de “Morte no paraíso” para a bibliografia sobre Stefan Zweig foi tão marcante que obrigou o seu autor a se manter em permanente atividade, coletando novos dados para uma nova edição. Com significativas inserções, muito aumentada, atualizada com informações inéditas sobre o escritor austríaco e editada pela Rocco em 2004, a nova edição de “Morte no paraíso” se transformou em best-seller. A última informação é que a tradução para o alemão já foi lançada e corre Europa.

O livro de Alberto Dines serviu de base para duas realizações no cinema, ambas do diretor paranaense Silvio Back. Ademais disso tudo, a casa onde Stefan Zweig passou seus últimos dias – na Rua Gonçalves Dias nº 34, no bairro Duas Pontes em Petrópolis (Rio de Janeiro), para onde se mudou em 1941 – foi tombada e está sendo transformada no Espaço Cultural “Casa Stefan Zweig”, projeto que também é capitaneado pelo incansável Alberto Dines.

Quanto às suas obras, após algumas reedições promovidas pela Record (uma homenagem do editor Abraão Koogan a Stefan Zweig), começam a sair as edições de bolso da LP&M Pocket, com as novelas mais populares, com textos revisados, atualizados e mesmo traduzidos diretamente do alemão. Nada mais auspicioso: tanto a homenagem do primeiro editor de Zweig no Brasil, quanto as edições de bolso da LP&M fazem justiça ao escritor austríaco que passou para a história literária do Brasil como o primeiro best-seller estrangeiro em nossas terras.

As sucessivas e descontroladas reedições que a Editora Guanabara lançou nas livrarias durante as décadas de 1930 e 1940 deixaram espantado até mesmo o escritor, que ajuntou mais esse significativo detalhe ao seu estranho caso com nossa terra. Até hoje as várias explicações sobre esse sentimento entre Zweig e o Brasil se ajuntam aos milhares de textos sobre o escritor. Mas nenhum deles fixa de fato qual a raiz, a razão determinante, o anelo espiritual, o tipo de paixão, a magia que se incutiu na mente de Stefan Zweig, que o fez finalmente escolher o Brasil como sua última residência. Há indícios que a escolha foi pensada, coerente com seu desejo de harmonia e paz.

Haveria decerto o sentimento milenar que todo judeu carrega na alma, que é o chamado incontrolável ao êxodo, a vagar pelo mundo em aventuras, a errar de terra em terra e todos os demais elementos que alimentam a utopia da terra prometida. Stefan Zweig acompanhou de corpo presente, no nascedouro, a idéia do Estado Judeu Independente encetada por Theodor Herzl. Mesmo que em princípio Herzl predicasse a mudança de mala e cuia para a Palestina, haviam algumas perspectivas que direcionadas para a África (Uganda, então colônia inglesa, foi sugerida pelos britânicos). Depois, já em 1939, o próprio Zweig andou, em viagens que pretendia deixar em segredo, cortejando o Portugal de Salazar – tentando fazer decolar a idéia de fundar uma colônia judaica em Angola.

É totalmente possível que nesse mesmo ano de 1939 Stefan Zweig tenha dado uma esticada até o Brasil. Todos os sonhos precisam de esperança! Já na época o Brasil havia se tornado para ele a real e verdadeira Ein Land der Zukunft – Uma terra para o amanhã. Mas quem estava dirigindo esses países era, por um lado, o heteromórfico Oliveira Salazar, que pendia entre os interesses da Inglaterra, Alemanha e Portugal, impossível de ser cooptado. Por outro lado, o Brasil era governado pelo ainda ditador Getúlio Vargas, que se sustentava sem base democrática, herança de uma revolução por muitos considerada ilegal e que, ademais, recebia alguns afagos da Alemanha.

Zweig viu a idéia de Herzl prosperar entre os pobres, os perseguidos, entre aqueles que já não tinham nenhuma esperança. Mas viu também o amigo – que acolheu seus primeiros trabalhos literários – enfrentar a oposição dos banqueiros ricos, dos grupos que se opunham à idéia do semitismo, daqueles que tinham crença na vertente da assimilação e dos religiosos ortodoxos. Para estes dizia a tradição histórica que somente o Messias poderia conduzir o povo de Israel à Terra Prometida.

Mas parece que a idéia de Zweig sobre o Brasil não era somente direcionada nesse sentido. Quando em 1936 aceitou participar da reunião do Pen Club Internacional, em Buenos Aires, uma das razões foi a curiosidade e a vontade que ele tinha de conhecer o Brasil. De fato, nessa primeira viagem mais importante em sua biografia não foi o encontro de Buenos Aires e sim as visitas que ele fez ao Brasil. Mesmo rapidamente pôde conhecer São Paulo e Rio de Janeiro, algo do Nordeste também – o que desde logo deixava uma visão elástica da demografia brasileira.

Stefan Zweig – que já conhecia os EUA – pôde muito bem perceber como o Novo Mundo se apresentava em possibilidades para os judeus escorraçados da Alemanha e Austria, desde o pogrom inicialmente ocorrido no Leste Europeu, com raízes polacas e ucranianas, até chegar à política radical e agressiva do Nacional-Socialismo. Os EUA foram invadidos pelos judeus capitalistas que trataram de se concentrar em Nova York e os que viram na nascente Hollywood um eldorado da arte e da fama. Na Argentina encontrou uma Pequena Europa, uma réplica total do europeísmo, nova, mas muito branca e capaz de repetir os azedumes da discriminação.

Quando chegou ao Brasil, porém, deu-se a iluminação. Um clarão de novidade penetrou-lhe na alma. O povo acolhedor, o suor, a intimidade imediata que existia, o respeito ao estrangeiro, aquele sentir-se desde logo um local, um nativo. Tudo isso não só aumentou as esperanças de Zweig quanto ao Brasil, mas também confirmou os sentimentos, inicialmente teóricos, que tinha sobre essa estranha terra. E mais: aqui tudo estava cru, muita coisa ainda por fazer, um mundo por criar, o desconhecido por explorar. Era o paraíso, o Éden urbano, que a ele se anunciava em pleno processo de criação.

Foi assim, a partir dessa primeira viagem, encantado com a solução social e racial que no nosso país havia sido imposta – não por governos e sociólogos, mas pela própria população – que Stefan Zweig iniciou seu encantamento pelo Brasil. Ao conhecer essa mistura de sabores, raças, cores e sons jamais constatada em nenhuma parte do mundo, ao constatar que era verdadeiro aquele sentimento trazido na alma, não se sabe de onde, tudo isso deixou Stefan Zweig completamente enfeitiçado, fazendo alinhavar-se de corpo e alma com a terra brasileira.

Pois agora que as editoras nos prometem uma nova leitura das obras do primeiro best-seller estrangeiro no Brasil, podemos saudar com alegria:

– Bem vindo à sua terra Stefan Zweig!...



Rio de Janeiro, novembro, 2006.
Salomão Rovedo
Enviado por Salomão Rovedo em 02/11/2006
Código do texto: T280476
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Salomão Rovedo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
10 textos (4125 leituras)
3 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:28)
Salomão Rovedo