Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PERDIDOS NA NOITE (MIDNIGHT COWBOY)

Premiado com o Oscar de melhor filme, direção e roteiro adaptado em 1969, "Midnight Cowboy", que recebeu o nome "Perdidos na noite" por aqui, é uma obra-prima do desencanto. O diretor inglês John Schlesinger, responsável por filmes como "Domingo maldito", "O dia do gafanhoto" e "A maratona da morte", logo em sua primeira cena, deixa claro ao espectador que não vai fazer um filme típico daqueles tempos: como se saindo de uma tela de drive-in, temos a visão de uma cidade pequena americana. Logo somos apresentados a Joe Buck (Jon Voight), um cowboy fake fã de John Wayne, que trabalha em uma lanchonete. Convencido de que é um "garanhão", um homem muito "bom de cama", decide largar tudo e ser michê em Nova Iorque, escort boy de senhoras ricas e entediadas. Com seu rádio de pilha, hospeda-se em um hotel e vai para as ruas, "cercar" as suas vítimas. No entanto, nada sai como ele esperava.
Perde suas poucas economias, é expulso do hotel e, nas ruas, encontra Ratso Rizzo, um miserável tuberculoso, uma das inesquecíveis interpretações de Dustin Hoffman. A princípio, Ratso engana Joe Buck e foge. Porém, quando ambos se reencontram, surge a amizade, afinal, nas agruras da cidade, um só tem o outro para se apoiar. De sonho em sonho e de fracasso em fracasso, os dois vão conhecendo o lado mais sórdido de Nova Iorque, nos anos da Guerra do Vietnam.
Esse foi o único filme de classificação X a ser premiado com o Oscar. Foi o primeiro filme verdadeiramente adulto de Hollywood, segundo alguns críticos. É um filme que sobrevive aos nossos dias, pois: a) mostra um retrato límpido de uma época, b) conta com atuações monumentais de Jon Voight (que hoje em dia é mais conhecido como o pai da Angelina Jolie) e Dustin Hoffman, e c) não dá espaço a explicações fáceis: muito do drama de Joe Buck é apenas sugerido em flashbacks que não explicam os fatos. Apesar de sua ingenuidade, o cowboy é um amálgama de sentimentos contraditórios. A certa altura da obra, a própria masculinidade do "garanhão" é questionada. E a sua relação com a avó deixa muitas nuvens escuras no ar. Já o Ratso de Dustin Hoffman é, ao mesmo tempo, asqueroso e terno. Por trás de toda a sua repelência, há um sonhador, a única pessoa a compreender a figura do "cowboy da meia-noite".
"Midnight Cowboy" é um filme sobre uma amizade. É o retrato de uma América de dentes cariados, olhos fundos e roupas velhas. É uma fotografia em polaróide do desbunde versão Nova Iorque. É a imagem colorida do desencanto do "american way of life".
Outro ponto marcante (depois de assistir o filme, você vai entender...) é a trilha sonora do filme. A canção "Everybody's talkin'", de Harry Nilsson, permeia o filme e fica na memória. A gaita de Toots Thielemans, no tema chamado "Midnight Cowboy", pontua as visões noturnas de Nova Iorque.
Para quem gosta de correrias pseudo-intelectuais como "O código Da Vinci", talvez o filme de John Schlesinger seja entediante, lento, ruim. Mas, para quem tem um olhar aberto pela luz da poesia, o filme não é menos que uma obra-prima!
Francisco C
Enviado por Francisco C em 27/11/2006
Código do texto: T302803

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.franciscocampos.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco C
Porto Velho - Rondônia - Brasil, 48 anos
363 textos (25674 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:47)
Francisco C