Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UMA IGREJA VERSUS VÁRIAS DIVISÕES E SEITAS

Wagner Herbet Alves Costa (1968-2006).

a) Por que muitos não crêem no que ensina a Igreja?... Essa infeliz situação é criada, principalmente, pelas divisões. Não à-toa disse-nos Nosso Senhor Jesus Cristo: “Que todos seja um... para que o mundo creia”(Jo 1,21). Daí, São Paulo já nos alertara “Não haja divisões entre vós, sede estreitamente unidos no mesmo espírito e no mesmo modo de pensar” (1 Cor 1,10). No entanto, as ‘Divisões’, de um certo modo, são necessárias – pois são como uma espécie de peneira ou crivo que separa os que perseveram na fé dos que nela decaem: “E necessário que haja até mesmo cisões entre vós, a fim de que se tornem manifestos entre vós os que são comprovados” (1 Cor 11,19). Afinal: “Era preciso que se manifestasse que nem todos eram dos nossos”( 1 Jo 2,19). “Se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco”(1Jo 2,19)... [Não seria aqui mais um exemplo de que Deus, verdadeiramente, é capaz de tirar, de um mal, um bem? Do mal das divisões é que se confirmariam os verdadeiramente eleitos! Isso, então, explicaria a razão que o Altíssimo ‘permitiria’ que elas ocorressem...]

O fato é que: na concepção apostólica – expressa no texto bíblico – havia, sim, uma única Igreja, que professava “uma só fé”(Ef 4,5)... E os que dela se separavam não mais estavam unidos a Cristo, mas pelejavam contra ele. Verdadeiros anticristos.

Não por menos, a Igreja sempre condenou aqueles que difundiam o erro de modo pertinaz. E como um órgão gangrenado deve ser separado do corpo, assim a Mater Ecclesia teve que agir, muitas e muitas vezes, com relação a determinados membros do Corpo Místico; separando-os do restante. Essa “separação”, ou melhor, esse seccionamento, é medicinal e necessário. A Igreja sempre o fez e o fará – em maior ou menor grau! Seja de um modo mais brando ou mais severamente. E ela também, continuamente, estará a nos precaver a respeito dos fomentadores de divisão: “Rogo-vos que estejais alerta contra os provocadores de dissensões... Evitai-os”(Rm 16,17).

A Igreja permanecera, perenemente, no seu inconformismo com relação aos grupos que facciosamente se separam dela. Jamais aceitando o indiferentismo; isto é, que ‘tanto vale uma religião como outra’. O indiferentismo religioso nunca passou pela cabeça dos apóstolos e dos primeiros cristãos. Elas (as seitas) estão numa situação bastante ruim diante de Deus, realmente dramática... Se há quem pense o contrário, problema de que pensa assim. Porém, este, é um pensamento anticristão.


b) O protestantismo se firmou em princípios totalmente antibíblicos e anticristãos, como: ‘Sola Scriptura, Livre Exame, Sola Fide’.

Sola Scritura, rebelião contra a Sagrada Tradição! Livre Exame, rebelião contra a lógica e o Magistério Eclesial! Sola Fide, rebelião contra a Justiça e Santidade Divinas (por muitos, dentre eles, acreditarem que Deus declararia justo o que não é de fato justo e, assim, o Todo-poderoso acabaria por aceitar como habitantes das Alturas os que não fossem verdadeiramente santos)! – Justiça que também impõe a prática do bem possível, das boas obras que podemos realizar (por amor a Deus e ao próximo), para podermos adentrar no Paraíso; pois Deus é um Deus “recompensador”(cf Hb 11,6) dos que o buscam e dá, a cada um, segundo as suas obras.

Já apresentei, em diferentes textos, a ilegitimidade da tal liberdade interpretativa (no sentido de que cada qual, cada leitor da Bíblia, seria o seu próprio definidor doutrinário); haja vista, o Livre Exame das Escrituras – além de ser o grande gerador de divergentes e contraditórias interpretações – constitui, ainda por cima, uma clara rebelião às autoridades religiosas: aqueles que “são superiores e guias no Senhor”(1 Tes 5,12). Já que, por esse nefando princípio, cada um seria ou se acharia o pastor de si próprio; bastando-se. Criando quase que uma sociedade anárquica de fiéis (ou melhor, de infiéis). Uma instituição de insubmissos! Ademais, S. Paulo fala explicitamente que é preciso perseverar na “Sã Doutrina” (e não em qualquer doutrina) para se salvar, como o disse a Timóteo: “Vigia a ti mesmo e a doutrina. Persevera nestas disposições porque assim fazendo, salvarás a ti mesmo e aos teus ouvintes”(1 Tm 4,16).


c) Doutrinas doentias, ou nada saudáveis, costumeiramente foram ministradas pelos inimigos da fé, mesmo internamente – por ‘falsos irmãos’ que se introduziram sorrateiramente, conforme afirma o Apóstolo Paulo. (Aos quais, bem poderíamos denominá-los de ‘lobos trajados de ovelhas’). Mas, elas nunca prevaleceriam ou prevalecerão! [“As portas do Inferno nunca prevalecerão contra ela”(Mt 16,1.] Cedo ou tarde são expelidos (os propaladores de heresias e as próprias heresias) para fora do Corpo de Cristo.

Já em seu tempo, São Paulo rechaçava ímpios e insalubres ensinamentos que conduziam à perdição, como aquela que ele próprio execrou com veemência (referindo-se a Himeneu e Fileto): “Eles se desviaram da verdade... estão pervertendo a fé de vários”(2 Tm 2,1, “a palavra deles é como gangrena que corrói”(2 Tm 2,17).

Obviamente, quando a Igreja repele (ou antes, combate) algum agente nocivo, Satanás tenta, o mais rápido possível, inocular novos germens de ideologias infecciosas (e facciosas) para poder ocasionar a podridão (a perdição) de mais e mais partes do Corpo Místico. E, assim, com a perda de novas porções do santo organismo eclesial, produziria um aumento na descrença do mundo com relação ao que ensina aquela que é a “coluna e sustentáculo da Verdade”(1 Tm 3,15). Por surgirem outras divisões que também são, pelo que já vimos inicialmente, fator de incredulidade. [Parece até ser um repetitivo ciclo ‘de infecção divisora e de combate à mesma (ou “desinfecção”)’, o que se vislumbra ao longo da História.]

Com efeito, é mais do que romântica – e por que não dizer: é pueril! – a visão de que a Igreja de Deus (“A Barca de Pedro”) atravessaria os mares da História, sem tribulações; ou até mesmo isenta de divisões. Pois a Bíblia afirma justamente o contrário. A Igreja existe para incomodar e suscitar ódios e facções contra ela; pois a intolerância da verdade, que a mesma traz em seu bojo, não se assenta à mesa com liberalidade do erro. Como disse um ex-pastor batista (e o hoje diácono da Santa Igreja de Deus), o sr Francisco Almeida Araújo: “A verdade é intolerante” [PROGRAMA QUESTÃO DE FÉ, Tv Século XXI, 20/02/ 2004]. Não à-toa, a Verdade em Pessoa, que é o próprio Cristo Jesus, bem o disse: “Não penseis que vim trazer paz à terra, mas a espada” (Mt 10,34).

São certos ateus, certos céticos, certos ignorantes, e outros mais, que vêm com esse ‘papo de cerca lourenço’ (ou seja, com essa conversa fiada) de que não havia uma única Igreja. Ora, sempre houve uma só Igreja, o resto eram ou são divisões e seitas. Em suma, em paralelo à única Igreja instituída por Cristo, grassou (e vem grassando) uma variedade de grupos e grupelhos gestados pelo demônio ou, pelo menos, embalados por ele. Pois o diabo costuma propagar uma gama de defeituosos “clones” eclesiais, com diferenças entre si, para tentar atrair aos mais diferenciados incautos. A fim de fazer com que, o máximo possível de seres humanos não se ligue à única Igreja do Senhor, mas às pseudo-igrejas; e, nelas, eles venham a se perderem eternamente.

Não à toa, dizia S. Cipriano (210-258 d.C.) bispo de Cartago: << “O inimigo, desmascarado e derrotado pela vinda de Cristo... trama nova emboscada para iludir os incautos, sob o rótulo do próprio nome de cristãos. Inventa heresias e cismas para subverter a fé, corromper a verdade e quebrar a unidade”(Sobre a Unidade da Igreja)>> [AQUINO, Prof. Felipe, Escola da Fé I (Sagrada Tradição), Editora Cléofas, Lorena-SP, 2000, p.52]. E ainda: << “Quem se aparta da Igreja e se junta a uma adúltera, separa-se das promessas da Igreja. Quem deixa a Igreja de Cristo não alcançará os prêmios de Cristo. É um estranho, um profano, um inimigo. Não pode ter Deus por Pai quem não tem a Igreja por mãe... Torna-se adversário de Cristo quem rompe a paz e a concórdia de Cristo; aquele que noutra parte recolhe, fora da Igreja, dispersa a Igreja de Cristo”(A Unidade da Igreja)>> [AQUINO, Prof. Felipe, Escola da Fé I (Sagrada Tradição), Idem, p. 53].

E se a palavra câncer não é a melhor para explicar a situação do protestantismo (e todas as suas derivações), que constituem uma cisão propugnadora de ensinos heterodoxos, esse vocábulo tem, ao menos para os católicos, do ponto de vista histórico, o bom atestado de ter sido utilizado por um santo da Igreja, da Antiguidade, que é S. Cipriano; referindo-se, justamente, aos impiedosos ensinamentos dos que dividem Cristo (seu Corpo Místico). Um santificado que, aliás, é anterior ao imperador Constantino. O que, per si, corrobora que as divisões existiam imediatamente após a chamada Era Apostólica – independentemente da existência do referido imperador.

É indiscutível, semelhantemente, que S. Cipriano propugnava pela unidade da Igreja. E ele tratava duramente os que promoviam a divisão e difundiam alguma doutrina divergente. Exemplo que também encontramos na vida de muitos outros santos ao longo da História Cristã. (De modo que, isso de passar a mão na cabeça de hereges nunca foi muito coisa dos benditos de Deus!)

A Igreja preza pela ortodoxia e, por isso, sempre se contraporá ao doutrinário iníquo dos filhos da Serpente (a heterodoxia).


P.S.: Tudo que escrevi está sujeito à autoridade da Igreja Católica. A qual poderá corrigir, refutar, completar e tudo o mais que for necessário para preservar incólume o Sagrado Depósito da Fé.


[Adendo 1: A Bíblia fala da importância e necessidade de ater-se às tradições (não somente as escritas) que vêm dos apóstolos: “Portanto, irmãos, ficai firmes; guardai as tradições que vos ensinamos oralmente ou por escrito”(2 Tes 2,15); bem como, do quão perigoso pode ser uso da Escritura feito por qualquer um (que não esteja sob a tutela do legítimo Magistério Eclesial): “É verdade que em suas cartas se encontram alguns pontos difíceis de entender, que os ignorantes e vacilantes torcem, como fazem com as demais Escrituras, para sua própria perdição”(2 Ped 3,16).]

[Adendo 2: Jesus disse a Pedro: “Apascenta as minhas ovelhas” (Jo 21,17) E não que cada um pastoreia-se a si próprio, ficando à revelia daqueles que são os “dirigentes”(Hb 13,17), “superiores e guias no Senhor”(1 Ts 5,13)... Ou seja, a Igreja é hierárquica; onde uns poucos governam sobre muitos.]

[Adendo 3: “Há muitos insubmissos... aos quais é preciso calar ”(Tt 1,10-11). Que acham dessa sentença bíblica? Nada liberal, não é mesmo?]

[Adendo 4: Lembro-lhes ainda, como já havia escrito noutro artigo meu, que sempre a Igreja passou por abalos e divisões; inclusive citei o arianismo... O certo, igualmente, é que, conforme está mais do que provado, NÃO foi com Constantino quem começou as divisões e agitações anti-unidade. Inclusive, ele, justamente, em parte, labutou pela unidade. Senão, jamais teria se dedicado para que houvesse o Concílio de Nicéia.]


Bibliografia

- A BÍBLIA DE JERUSALÉM, Editora Paulus, SP, 1996.
-AQUINO, Prof. Felipe, Escola da Fé I (Sagrada Tradição), Editora Cléofas, Lorena-SP, 2000.

AUTOR: Wagner Herbet Alves Costa
Wagner Herbet Alves Costa
Enviado por Wagner Herbet Alves Costa em 01/12/2006
Código do texto: T306334

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wagner Herbet Alves Costa
Itapetinga - Bahia - Brasil
22 textos (9075 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:04)
Wagner Herbet Alves Costa