Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BELEZAS DE SÃO LUIZ - MA

BELEZAS DE SÃO LUIZ
Marcial Salaverry

O Amigão caprichou nesta região. Pra quem gosta de  Natureza, é um prato bem cheio, curtir as belezas naturais deste recanto ainda não totalmente descoberto, principalmente por falta de divulgação, de saberem explorar adequadamente o potencial turístico da região.
Vamos falar de algumas dessas belezas naturais. Não podemos esquecer de que também temos alguns casos em que a mão do homem deu uma mãozinha, melhorando alguns locais.
Fazendo o contorno da Ilha de São Luiz, encontramos algumas praias belíssimas, e seminaturais ainda. Vamos a elas, seguindo mais ou menos uma ordem geográfica.
Praia da Raposa, que é quase um prolongamento da praia de  Araçagi, mas por acidentes geográficos, não é possível chegar-se a ela vindo pela praia, sendo necessário dar uma grande volta por estrada para desfrutar esse paraíso, que dista aproximadamente 20 quilômetros do centro de São Luiz.  Há mais ou menos 10 anos, era uma praia totalmente selvagem, e para chegar lá, era necessário enfrentar um caminho de terra. Na chamada rua principal da Raposa, as “mulheres rendeiras” ficavam às portas de seus casebres, trabalhando as famosas rendas de bilro, proporcionando um belo espetáculo para os turistas que se aventuravam a ir até lá. A praia era para os pescadores, e podia-se comprar peixes e caranguejos “diretamente da fábrica para o consumidor”.
Hoje está bem modificado. O asfalto chegou até a praia, e as mulheres rendeiras não mais ficam à porta de seus casebres, trabalhando ao ar livre. Os casebres transformaram-se em pequenas lojas, e elas trabalham em seus interiores.  Perdeu-se a “tipicidade” da coisa toda, em beneficio da sofisticação comercial. Os produtos do mar já agora são adquiridos em peixarias, não havendo mais aquele gostinho de ver os bichinhos se mexendo ainda na rede no momento de os adquirirmos. Mas a beleza selvagem da praia persiste. Existe uma divisão, pois a praia é cortada por um braço de rio, que só pode ser atravessado por pequenos barcos. É imperdível essa travessia, pois do outro lado do rio, é que está a verdadeira Praia da Raposa.
Temos uma grande extensão de areia, entremeada por algumas “lagoas”, que são deixadas pelo mar em seu refluxo. É uma delicia banhar-se nessas lagoas, pois sempre ficam alguns peixinhos lá e sempre é uma fonte de diversão, enquanto o mar não volta para buscá-los, pois no fluxo da maré, toda essa extensão de areia (mais ou menos 2 quilometros de praia), será novamente engolida pelo mar, que chegará até as dunas, que servem como anteparo, para impedir que o mar invada o rio, e chegue até as casas dos pescadores.
Após um “river tour”, onde podemos apreciar as manobras de bandos de gaivotas e maçaricos em busca de sua alimentação, é imperdível um almoço num dos rústicos quiosques de praia. O “restaurante”, é um casebre que afugentaria qualquer pessoa de bom senso, mas quem realmente aprecia uma comida típica com todo o sabor do passado, não consegue fugir de um belo prato de camarões fritos com alho, e postas de peixe serra grelhadas. Tenho certeza de que em restaurantes de categoria, não degustaria prato tão delicioso.
Essa é a Praia da Raposa... apesar de atingida pelo progresso, ainda conserva muito de seu passado, principalmente na simpatia e receptividade de sua gente.  Gente simples, mas solícita e acolhedora.
Até quando Raposa ainda conservará esse jeitão gostoso? Quem viver verá... pois o progresso sempre destrói os vínculos com o passado, em nome de um modernismo exacerbado.
Existe muito ainda para se falar de São Luiz, por enquanto, vamos tendo UM LINDO DIA.
Marcial Salaverry
Enviado por Marcial Salaverry em 15/09/2005
Código do texto: T50747
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcial Salaverry
Santos - São Paulo - Brasil, 77 anos
19846 textos (1961850 leituras)
3 áudios (855 audições)
6 e-livros (2134 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 13:06)
Marcial Salaverry