Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CORRENTE CONTÍNUA

CORRENTE CONTÍNUA|

Tendo ele discussões estéreis com a esposa, dessas que se tem em comum na vida a dois, mas que, no entanto não levam a nada, resultando apenas numa noite mal dormida, dirigiu-se para sua empresa, onde seu funcionário de vinte anos de serviço havia cometido uma falha, normalmente perdoável, mas que naquela manhã não foi possível tal e admoestou-lhe com tanta severidade, embora fosse a vez primeira, que a vontade do funcionário era pular-lhe na goela e estrangulá-lo, todavia, em respeito ao seu tempo de serviço e a necessidade daquele trabalho se conteve.
Sempre chegava em casa para o almoço e a mesa estava posta: naquele dia, porém, a esposa detraíra-se com outras ocupações e culminou por não estar com a mesa como de costume, o que serviu para que o jovem empregado quarentão descarregasse sobre ela toda sua frustração, de tal forma foi que a mulher teve ímpetos de pegar a filha de dez anos e retirar-se para a casa de seus pais, mas refletindo nos seus onze anos de casada não o fez.
A filhinha que sempre pegava o docinho no armário, como de costume, naquela tardezinha e sem  saber o porquê, levou uma boa sova por aquele ato. A menina, por sua vez, estranhando a ocorrência e quase que inconscientemente, para afastar de si um algo que a perturbava, deu um dezarroado pontapé no Lulu que sempre se deitava à porta da casa e este, também estranhando esse fato, pois sempre deitara ali e nunca incomodara ninguém, por sua vez e também frustrado, surpreendeu com uma mordida o tornozelo de uma velhinha que por ali transitava.
A idosa senhora, pestanejando com o fato, dirigiu-se a farmácia, onde o oficial de farmácia estava ocupado com o atendimento de diversas pessoas e ela, impaciente, começou a esbravejar, dizendo impropérios que enervaram o despreparado enfermeiro.
O dia era uma quinta feira linda de sol de primavera em que a natureza esbanjava o verdejante clorofilado das plantas e os pássaros gorjeavam despreocupadamente com a lufa-lufa do povão.
O enfermeiro, ao fechar a porta da farmácia o fez com tanto violência, dado seu estado colérico, que o chão era o limite, por isso existem chaveiros.
Chegando em casa, dia de namoro, a camisinha branca não estava passada e ei-lo a descarregar em sua  idosa mãezinha toda sua frustração e fúria, todavia, essa, preparada espiritualmente lhe diz: "o que foi isso filhinho?" (porque para a mãe, o filho pode ter a idade que for, será sempre “filhinho”) e este, desarmado com a doçura das palavras da mãe, abriu seu coração narrando-lhe a  ocorrência com a velhinha, liberando-se daquele seu mal estar enquanto a mãe lhe afirmava: “enquanto você toma seu banhinho, a mamãe passa sua camisinha branca!”  Estava assim cortada a corrente contínua do mal., tão comum no cotidiano e que nos obriga sempre a estarmos vigilantes para nela não entrarmos.

Antonio Luiz Cabral – Ribeirão Preto,  28/08/2007 – alacalado@hotmail.com –  calado
calado
Enviado por calado em 28/08/2007
Código do texto: T627139

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
calado
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil
15 textos (1397 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 04:19)
calado