Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTRATO HIPÓCRITA!



Você faz de conta que está fazendo, que eu faço de conta que estou vendo, ou você faz de conta que não fez nada, que eu faço de conta que não vi.

Neste contrato, a maneira de se relacionar é sempre conduzida pelo conveniente e antiético faz de conta. Conveniente para as duas partes, pois supõe-se que todos os participantes são contemplados : quem cala, não é punido( quase sempre é até mesmo recompensado), e quem faz, não é incomodado, e com isso, conquista a permissão e a liberdade de sempre fazer.

Faz de conta que você não ouviu, que eu faço de conta que não falei!

Faz de conta que você não viu nada, que eu faço de conta que nada aconteceu!

Algumas pessoas defendem este tipo de contrato, pois usam o absurdo argumento de que aceitá-lo, muitas vezes pode ser determinante para a sobrevivência (eu diria subvivência), para se manter um emprego (e os ganhos pessoais). E para estas pessoas, ele se faz obrigatório no que costumam denominar bom convívio social.

Algumas vezes, se recusar a compactuar pode custar a quem ousa, ser taxado de inconveniente, e ser até mesmo excluído. Ou seja, ser autêntico, não concordar em fazer parte do jogo, se recusar a se submeter, a não aceitar o cabresto, insistir em fazer o uso devido dos sentidos, em não abrir mão dos valores éticos, de ter a consciência tranqüila, pode ser considerado defeito, rebeldia, uma característica negativa da pessoa, e ocasionar a punição.

Prezar a verdade, que durante um bom tempo foi considerada valor, no meio onde predominam as cláusulas deste contrato, está se tornando prejudicial e passível de causar danos.

E as pessoas preferem se acostumar a não se posicionarem, a inibirem as suas opiniões, a compactuarem com situações que lhes afrontam a consciência, de uma maneira tão corriqueira e habitual, que quase chegam a acreditar que não tem outro jeito, que é assim mesmo que tem que ser.

Muitos que a princípio resistiam a participar deste pacto, com o tempo, após inúmeras situações que vivem e que presenciam onde prevalece este “faz de conta”, após serem constantemente criticados, acabam também se acostumando, e desistem de resistir, pois cansam de ser prejudicados, e quase sem perceber, mesmo às custas de muito sofrimento, se sentem na obrigação de entrarem para a corrente.

E passam a fazer parte. E habitualmente vão incorporando comportamentos considerados fundamentais e imprescindíveis para corresponder ao pacto: não verbalizam mais as próprias opiniões, não procuram mais respostas para as suas dúvidas, não demonstram a indignação que sentem diante das mais variadas injustiças e da falta de ética que presenciam, e muito menos ousam mais expor a própria criatividade.

E se habituam a não terem ética. E ficam tristes, amargos, rancorosos.

Inibindo a criatividade, se assemelham às máquinas e perdem a vivacidade. Passivamente direcionam o seu cérebro para concordar, para não questionar, apenas para seguir e obedecer. E principalmente para não pensar! Para passivamente compactuar e colaborar para o fortalecimento da hipocrisia.

E acabam tristemente se tornando hipócritas também!


Francisquini
Enviado por Francisquini em 29/08/2007
Código do texto: T628467
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Francisquini
Lavras - Minas Gerais - Brasil, 57 anos
177 textos (12703 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 22:16)
Francisquini