Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Melhorar a educação, uma postura política

    Os percalços da educação no Brasil, principalmente os revelados pelos instrumentais oficiais de avaliação como ENEM e SAEB causam transtornos na cabeça dos educadores. Entretanto, em geral essa preocupação e este sofrimento não têm se transformado em ações de superação e de melhoria.  Penso que em parte a melhoria da educação depende de uma postura política de quem está na gestão da escola e do ensino.
    Quando iniciei no ano 2000 como coordenador pedagógico do Centro Educacional Maria Magalhães Viana Azevedo – CEMMVA, como será tratado na continuação deste artigo, constatava dificuldades gritantes. Certamente a pior daquelas dificuldades era a falta do domínio da leitura em alunos de todas as séries do ensino fundamental.
    Coloco a ausência da habilidade da leitura uma dificuldade no nível da aprendizagem, uma vez que é no educando que ela mais repercute. A inabilidade da leitura é algo que caminha com o aluno durante toda a sua vida escolar. A cada momento se impõe como uma barreira a continuar estudando.
    Diante daquela situação começamos um trabalho difícil, porém, eficaz para termos hoje um quadro bem diferente. Atualmente, todos os alunos do CEMMVA sabem ler a partir da segunda série. Também é verdade que temos exceções já que contamos com alunos egressos de outras realidades.
    Este quadro é fruto de uma tomada de posição político-pedgógica.
    Não foi muito fácil. Aquela atitude política – de só promover à série seguinte o aluno que soubesse ler e escrever – acarretou dificuldades de toda ordem. Em primeiro lugar, aquela decisão foi fruto de muitas horas de estudo, discussões, divergências até. A cada ano letivo tínhamos no mínimo oito encontros para estudo e debate. Nestes grupos de estudo eram feitos os aprofundamentos necessários ao amadurecimento da proposta, seja do ponto de vista teórico, seja do prático. Tínhamos professores que eram a favor da idéia, porém, não tinham clareza de como pô-la em prática; tínhamos os que eram contra por falta de aprofundamento; tínhamos os que eram contra com convicção, ou seja, discutiam o assunto e aprofundavam-no em suas implicações teóricas e práticas.
    A paciência, o planejamento, a providência para subsidiar o grupo em estudos e discussões teóricas sempre foram vistas com muito carinho. Foi importante naquela caminhada a presença da professora psicóloga e mestra em Psicologia Educacional, Lucimeire Rabelo, que muito colaborou na seleção de textos e na coordenação dos estudos e nos momentos de avaliação. Também veio somar os resultados obtidos junto a algumas professoras que cursaram o PROFA – curso de preparação de professores alfabetizadores. Foi essencial lotar a professora certa na turma certa conforme as necessidades.
    Os momentos de avaliação no final de cada ano sempre foram os mais dolorosos. Adotamos a sistemática de avaliar cada caso em particular. Por várias vezes formou-se equipes de professores com o coordenador para avaliar os casos mais complexos.
    Diante das dificuldades sempre percebi a natureza da coordenação pedagógica como sendo antes de qualquer outra, uma ação de conquista, de convencimento. Se o professor não estiver convencido e imbuído em realizar na sala de aula aquilo que foi pensado não adianta. A coordenação não pode sonhar isolada, divorciada do professor.
    Numa escola qualquer que seja a decisão será uma atitude política. Só para lembrar Moacir Gadotti. A meu juízo quando se está diante de algo que exige uma decisão o ponto de partida será o de enfrentar ou não o problema. Quando a decisão é enfrentar o problema ter-se-á mais trabalho, mais leitura, mais reunião, mais divergências, mais discussões e até mais brigas. Motivos não faltarão. A situação tanto requer quanto dá maturidade ao grupo.
    Na nossa experiência no CEMMVA algo que vez ou outra recorremos foi a discussão relativa aos fins da educação objetivando para onde deve apontar o nosso trabalho ou, que tipo de sociedade queremos ajudar a construir. Ademais uma atualização didática e metodológica, orientações que se encontram relativamente bem delineadas no projeto político-pedagógico da escola. Foi de grande importância a discussão acerca da desmistificação da repetência que passou a ser vista não mais como um castigo mas como um encaminhamento pedagógico. As famílias colaboraram muito na compreensão e no apoio às decisões da escola. Muitas vezes foi na conversa com mães e pais que os professores se sustentaram diante de decisões difíceis.

Em tempo:Na época a escola contava com doze salas com média de trinta alunos por sala nas oito séries do Ensino Fundamental.
Valdenir Linhares Cruz
Enviado por Valdenir Linhares Cruz em 07/09/2007
Reeditado em 03/11/2009
Código do texto: T642776

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Valdenir Linhares Cruz
Itapipoca - Ceará - Brasil, 58 anos
23 textos (4984 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/08/17 15:10)
Valdenir Linhares Cruz