Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ATIVISMO CULTURAL E O SEU AGENTE

O ativista cultural é o agente político que faz as coisas acontecerem no campo da Cultura e seus vetores. Figura especialíssima que sem o fruto de seu trabalho nada ocorre no plano prático. É aquele que abre o espaço social para os efetivos agentes produtores de atos e fatos culturais. É aquele que normalmente apresenta o artista ao público em geral. É ele quem faz a interação entre os sujeitos ativo e passivo. O campo de sua atuação ocorre tanto na área pública como nas organizações não governamentais. É aquele que está sempre preocupado com o todo, com macrocosmo situacional, e não com as micro-situações, se bem que muitas vezes, por falta de outros agentes no desdobramento do processo cultural, tenha de agir até no detalhamento executivo dos projetos. A ótica do ativista cultural não é a de seu sucesso pessoal como artista e criador na área de Artes. Impõe-se o coletivismo, o solidarismo, ou seja, tudo aquilo que venha a funcionar, nos estamentos sociais, como fomentador do processo de caldeamento cultural. Este agente normalmente atua em várias frentes de trabalho, tentando articular e/ou estabelecer elos de ligação entre tais compartimentos estanques, aproximando lideranças culturais e evitando que as localidades, cidades e/ou grupos se tornem guetos de servidão ou expressões maniqueístas de ação e conduta. Requer-se, desde logo, que este agente tenha um perfil ativo como pessoa: solidarista, agregador. É possível identificar-se, de pronto, o seu perfil idealista, pleno de verdades hauridas em suas vivências. O desprendimento pessoal o caracteriza. Todavia, o seu trabalho deve ser sempre remunerado, quando suas ações produzirem lucro para as partes envolvidas. O lucro pessoal não descaracteriza nem proscreve o ativista. Todo o trabalho humano tem que ter compensação, a qual permita prover as necessidades básicas para sobreviver no dia-a-dia. O trabalho do ativista é o fator credenciador de seu sucesso e renome. É, também, verdadeira mola-mestra de propulsão para esse idealista que mereça ser denominado como ativista cultural. Mas, pelo que tenho observado, o agente do ativismo cultural nasce pobre e morre na mesma condição: desprovido de recursos financeiros. O que move o ativista é o altruísmo. O seu prêmio se constitui de copiosas menções de honra como SÓCIO BENEMÉRITO em dezenas de instituições culturais. É a maneira mais usual de a comunidade agradecer pelo trabalho. O verdadeiro ativista é caracterizado pelo idealismo: retira de seu bolso expressiva parte dos recursos com que fará "andar o barco" das ações culturais. Deixa o poder público com suas costumeiras dificuldades e passa a viver à cata de apoios não governamentais para poder realizar eventos. O que mais vai caracterizar as ações do ativismo cultural é a conjugação permanente entre os vetores Cultura e Educação. Para um país que tem baixíssima média de leitura de livros/ano, esta conjugação de esforços é a única e preciosa maneira de produzir uma criatura humana mais feliz, mais plena de cidadania e de utilidade para as ações culturais no seio da comunidade. A denominação deste tipo humano como Ativista Cultural, agente efetivo do Ativismo Cultural, foi objeto de proposta apresentada pelo autor deste trabalho em nome da Casa do Poeta Rio-Grandense, durante o 1º Congresso Brasileiro de Poesia (e único), promovido pela Casa do Poeta Brasileiro - POEBRAS, e ocorrido em Nova Prata/RS, em 1991, durante o 2º Encontro Latino-Americano de Casas de Poeta. Pretendíamos, com este nominativo, unificar as variantes costumeiras de Animador Cultural, Agitador Cultural, Promotor Cultural, Divulgador Cultural, etc. A proposta foi aprovada, por unanimidade, e, hoje tomou corpo em todo o Brasil. Entendo que é chegada a hora de regulamentar esta profissão, dando realce ao seu prestador. Esta providência legislativa dignificaria o ativista, e permitiria que se fizesse justiça a esse importante agente da política cultural. E, sob os olhos da legalidade, mensurar a amplitude de suas ações e aplicar valor remuneratório justo a esse incansável trabalhador, que é a verdadeira mola propulsora das ações culturais.

– Do livro O HÁLITO DAS PALAVRAS, 2006/2011.
http://www.recantodasletras.com.br/artigos/67130
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 04/11/2005
Reeditado em 18/09/2011
Código do texto: T67130
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709627 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 02:22)
Joaquim Moncks