Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Instinto

Eis um assunto para muitos estudos. Kardec utilizou-o diversas vezes. Está em O Livro dos Espíritos, nas questões 73 a 75 e 845, entre outras citações. Também é abordado em A Gênese, no capítulo III e aparece em O Evangelho Segundo o Espiritismo (capítulo XI – Instruções dos Espíritos, em mensagem de Lázaro). Na Revista Espírita está no volume do ano de 1862, mês de fevereiro. Claro que há outras fontes, mesmo na Codificação, mas nos limitamos a estas indicações. O interesse pela abordagem do tema “instinto” surgiu em virtude de um excelente filme já disponível nas locadoras.

            O filme Instinto, com Anthony Hopkins e Cuba Gooding Jr., como próprio nome diz, trata do tema aludido.  O filme é um grito à liberdade, um protesto à manipulação de qualquer nível, embora sem sancionar o uso da violência apresentada. Em resumo, ele relata a situação de um estudioso da vida animal que passa a viver na floresta em companhia de gorilas. Introduz-se gradativamente entre os animais, conhecendo seus costumes e hábitos, sendo inclusive aceito como integrante da família de gorilas. Tempos depois, foi preso, tachado doente mental agressivo, acusado de assassinato de diversos guardas florestais. Recolhido à penitenciária de segurança máxima para doentes agressivos, despertou a atenção de jovem médico psiquiátrico que se interessa pelo seu caso: um recolhido silencioso, considerado agressivo, irrecuperável e mantido algemado.

            O jovem médico consegue o que parecia impossível: ajuda o doente falar e, com isso, é permitida sua soltura das algemas. Das sessões de terapia psiquiátrica consegue extrair a razão da violência: quando na floresta, em companhia dos gorilas, os animais foram atacados impiedosamente por guardas florestais e ele, na defesa instintiva de sua família (*), utiliza-se da agressão e acaba assassinando vários guardas. No curso do filme, quando o médico estava prestes a efetivar sua liberdade, um colega de prisão foi atacado por um dos carcereiros e nosso personagem, novamente na defesa instintiva de sua família (*), volta a usar de extrema violência, complicando em definitivo qualquer possibilidade de liberdade.

            A conclusão do filme, deixamos à expectativa do leitor, mas destacamos o inteligente roteiro usado pela produção. O filme destaca valores reais da vida humana, como a solidariedade, e mostra a superficialidade das ilusões, mantidas muitas vezes à custa de manipulações, sacrifício da liberdade (e cujas grades nós mesmos construímos) e tolas vaidades, verdadeiramente passageiras.

            O instinto solicita o uso da razão para evitar o comprometimento indevido, como aconteceu no filme. A mensagem do filme é muito profunda, pois leva ao questionamento das ilusões que alimentamos e prisões em que nos trancamos por força das circunstâncias que nos cercam ou pelo desejo de agradar sempre...

            De outro aspecto, cientes da justa reprovação social da violência dos assassinatos, ainda que na luta pela preservação, o filme nos revela a facilidade da escravidão que é orientada pelo jogo das relações humanas e imposta pela sociedade. Ah! Isto é inquestionável. E foi justamente este quadro social enfermiço que o personagem principal buscou mostrar ao seu legítimo defensor. Neste ponto, prefiro ficar com o posicionamento de outro excelente filme, Uma estória americana, que narra sobre o preconceito racial americano e culmina com uma reação sem violência daqueles que eram discriminados, segundo o uso da razão em lugar do instinto e, por isso, mais ajustada aos princípios usados pelo grande Gandhi.

            Mas, verifiquemos os estudos apresentados por Allan Kardec. Dentre as citações indicadas no início do artigo, utilizemos, para esclarecer o tema, em primeiro lugar, a transcrição da Revista Espírita.

            Nela, Kardec inseriu mensagem do espírito Lázaro, intitulada Sobre os instintos. Diz a mensagem: “(...) Primitivamente destinado a desenvolver no homem animal o cuidado de sua conservação e de seu bem-estar, o instinto é a única origem do mal; porque, persistindo mais violento e mais áspero em certas naturezas, ele as impele a se apoderarem do que desejam ou a concentrar o que possuem. O instinto, a que os animais obedecem cegamente, e que é a sua própria virtude, deve ser incessantemente combatido pelo homem que quer elevar-se e substituir o grosseiro utensílio da necessidade pelas armas finamente cinzeladas da inteligência.(...) O instinto é mau, porque é puramente humano e a humanidade não deve pensar senão em se despojar, em deixar a carne para elevar-se ao Espírito. (...) Nada de verdadeiramente bom pode emanar do instinto. (...)” (1) Kardec comenta, no que tange à mensagem referida, que, não obstante o respeito creditado ao autor Espírito, permite-se não concordar com as últimas proposições da mensagem.

            Explica o Codificador que “Pode-se dizer que há duas espécies de instintos: o animal, e o moral. O primeiro, como diz muito bem Lázaro, é orgânico; é dado aos seres vivos para a sua conservação (...); é cego, quase inconsciente, porque a Providência quis dar um contrapeso à sua indiferença e à sua negligência. Já o mesmo não se dá com o instinto moral, que é privilégio do homem. Pode ser assim definido: Propensão inata para fazer o bem ou o mal. Ora, essa propensão é devida ao estado de maior ou menor avanço do Espírito. O homem cujo espírito já é depurado faz o bem sem premeditação e como uma coisa muito natural, pelo que se admira de ser louvado. Assim, não é justo dizer que ‘os homens que não são bons e devotados senão instintivamente, o são mal; porque sofrem uma cega dominação que, de repente, pode precipitá-los no abismo’(citação de Lázaro na mensagem acima transcrita, ali não repetida) . Os que são instintivamente bons e devotados denotam um progresso realizado. (...)” (1)

            A explicação de Kardec se coaduna com a narrativa do filme Instinto. Dominado pelo instinto, o protagonista usou da violência. Se houvesse no personagem a propensão inata para fazer o bem – devida ao estado de maior ou menor avanço do espírito, como citou Kardec, a violência seria substituída pela reflexão madura.

            De igual forma, ensina a resposta à questão 845 de O Livro dos Espíritos: “As predisposições instintivas são do Espírito antes de sua encarnação. Conforme for ele mais ou menos avançado, elas podem solicitá-lo para atos repreensíveis, e ele será secundado nisso pelos Espíritos que simpatizam com essas disposições, mas não há arrebatamento irresistível, quando tem a vontade de resistir. (...)” (2) E, outrossim, como afirma em A Gênese: ”(...) Nos atos instintivos, não há nem reflexão, nem combinação e nem premeditação. (...)” (3)

            Já, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, o mesmo Espírito Lázaro pondera que “(...) no seu início o homem não tem senão instintos e aquele, pois, em quem os instintos dominam está mais próximo do ponto de partida do que do objetivo. Para avançar em direção ao objetivo, é preciso vencer os instintos em proveito dos sentimentos, quer dizer, aperfeiçoar estes sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões dos sentimentos; eles carregam consigo o progresso (...).” (4)

            Tal comentário, desse modo, leva-nos ao Capítulo das Paixões. Comenta Allan Kardec, após a resposta da questão 908:

            “As paixões são alavancas que decuplicam as forças do homem e o ajudam na realização dos objetivos da Providência. Mas, se, em lugar de as dirigir, o homem se deixa dirigir por elas, cai nos excessos e a própria força que, em suas mãos, poderia fazer o bem, recai sobre ele e o esmaga. Todas as paixões têm seu princípio num sentimento ou necessidade natural... O princípio das paixões, portanto, não é um mal, visto que repousa sobre uma das condições providenciais de nossa existência. A paixão, propriamente dita, é o exagero de uma necessidade ou de um sentimento. Ela está no excesso e não na causa, e esse excesso torna-se um mal quando tem por conseqüência um mal qualquer. Toda paixão que aproxima o homem da natureza animal, o distancia da natureza espiritual”. (5)

            O filme Instinto, portanto, traz importante contribuição para o entendimento do domínio das paixões e pela necessária prevalência do sentimento sobre o instinto, sem olvidar outros questionamentos significativos sobre a vida social. Sugerimos com ênfase aos leitores que assistam ao filme e, com o fim de um sadio entendimento, busquem, nessa direção, o apoio dos ensinos da Doutrina Espírita, sempre luz em nossos caminhos.

 

*O destaque para a expressão “sua família” é proposital, segundo a narrativa do filme: tanto em companhia dos gorilas, como em companhia dos demais presos.  Ora, mesmo sem os laços da consangüinidade, o instinto de conservação leva à defesa mútua dos companheiros de convivência.

Sem falar dos laços de família ou raça, presenciei pessoalmente esta questão de solidariedade entre pessoas estranhas entre si, porém que passaram à rotina da convivência. Durante os anos de direção de um lar de idosos, pude observar atentamente os laços de solidariedade que são estabelecidos entre internos que juntos convivem, embora despidos de outros vínculos que os poderiam prender emocionalmente. A convivência, no caso, estreitou os laços e os afetos, possibilitou a solidariedade, portanto.

 

 

 

Fontes:

(1) Fevereiro de 1862, edição EDICEL – tradução de Júlio Abreu Filho.

(2) 78ª edição IDE, tradução de Salvador Gentile.

(3) 1ª edição IDE, capítulo III – item 11, tradução de Salvador Gentile.

(4) 107ª edição IDE, capítulo XI, item 8, tradução de Salvador Gentile.

(5) Questões 907 a 912 de O Livro dos Espíritos.
Orson
Enviado por Orson em 10/10/2007
Código do texto: T688507
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Orson
Matão - São Paulo - Brasil, 57 anos
298 textos (96210 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 19:30)