Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

El Quixote

El Quixote

Não somos poeira, somos magia!
Feche os olhos e siga sua intuição.
Richard Bach

 

Por Eduardo Toledo

Assim como suas personagens, Sérgio Vaz foi parido longe das grandes capitais, em meio a um cataclismo no interior de Minas Gerais, um lugar que só não foi esquecido porque nunca foi lembrado, nem mencionado, nem citado e nem anotado em nenhum mapa. De identidade miserável, com sua família juntou seus trapos e seus farrapos, e ainda moleque seguiu o caminho que o destino desastroso insistia em lhe empurrar goela abaixo.

Menino, de pé no chão literalmente, educação escassa e parca, foi se esconder onde começava a se desenhar, há muitos anos, a triste colônia que hoje em dia os sociólogos imprudentes insistem em chamar de periferia. O gueto, o lugar cinza e poeirento onde a escória da sociedade consumista é empurrada pelos poucos ricos, foi sua escola e mais tarde sua faculdade.

Cresceu como pôde. Na malandragem imperativa da vida periférica se salvou de maiores arranhões fazendo amizades, batendo bola e batendo cabeça. Boleiro, não tinha pivete que jogasse melhor "lá atrás" e ninguém subia driblando como ele. Feio, desengonçado, migrante, quase nordestino, quase preto, quase fodido, quase sem oportunidades e quase sem educação, tinha seu rosto preparado para receber o carimbo de fracassado que a "classe mídia" tem guardado no bolso do paletó.

Talvez tenha sido bem aí, pouco antes de receber a carimbada fatal, que Sérgio Vaz sacolejou e caiu da cama. E, olhando aquele mundo injusto com olhos arregalados de espanto, ele prometeu pra si mesmo que iria fazer, ainda nesta vida, a sua revolução. Bunda mole, preferiu deixar as armas de lado e militou através das palavras. Fez da poesia sua trincheira e da sensibilidade seu canhão.

E quem olhava aquele moleque de pernas tortas, importado do intestino de Minas Gerais, e imaginava que só desgosto iria dar, Sérgio Vaz subverteu todas as expectativas e, no peito, publicou, do seu jeito, três livros e anda de cabelo em pé preparando o quarto. Entre as poucas qualidades que superam seus muitos defeitos, está a de ser sonhador. Sérgio tem a qualidade única de enxergar o invisível, o que é fundamental para realizar o impossível.

Sérgio Vaz é a prova que se deve ter coragem de ousar. Fugir do normal, do óbvio. É necessário ser um pêndulo que vai de um extremo ao outro com a mesma precisão. Sérgio Vaz é prova que nem sempre os boçais vencem, nem sempre devemos aceitar um destino que parece permear por gerações e vistos com olhos humanos se mostra imutável. A vida desse Quixote é a prova definitiva que a realidade pode não ser como queremos, mas nosso mundo é como o fazemos.

Fonte: http://www.otaboanense.com.br/poetasergiovaz/quem_001.htm

Mais informações sobre Sérgio Vaz:
www.colecionadordepedras.blogspot.com
Valdeck Almeida de Jesus
Enviado por Valdeck Almeida de Jesus em 22/10/2007
Código do texto: T704854
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Valdeck Almeida de Jesus
Salvador - Bahia - Brasil, 51 anos
1310 textos (613223 leituras)
26 áudios (5230 audições)
98 e-livros (62868 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 09:57)
Valdeck Almeida de Jesus

Site do Escritor