Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

25 anos sem as "Sete Quedas do Iguaçu"


Não poderia deixar passar em branco o aniversário de mais um crime brutal (entre tantos outros) cometido contra a Natureza e o Ecossistema, por isso estou publicando um pequeno resumo do texto “Sete quedas: 25 anos De Luto”, de autoria de Rubens da Cunha – Joinville/SC, publicado no Palanque Marginal.
Vale a pena ler o texto na íntegra e divulgá-lo.

http://www.palanquemarginal.com.br/  - acessar Artigos – é o artigo 2.


“(...) Há 25 anos atrás, mataram as Setes Quedas do Iguaçu, foi “afogado” pela Usina de Itaipu. Mais uma vez a destruição da natureza em nome do progresso e do conforto. A energia elétrica que consumimos diariamente vem desta morte.
Guilherme Dreyer Wojciechowski, no site www.sopabrasiguaia.com, descreve da seguinte forma a submersão dos saltos: (...) Em 26 de outubro de 1982, há exatos 25 anos, as águas do lago chegavam aos saltos. No dia seguinte, às dez horas da manhã, o último centímetro de rocha era coberto pelo charco barrento, vermelho. (...)
O que está feito está feito. Cabe às novas gerações olhar para esta morte e evitar que outros crimes ambientais de tal monta venham a acontecer.
Na época, Carlos Drummond de Andrade escreveu um poema chamado “Adeus a Sete Quedas”. Longo como a tristeza que o invadia.”


Adeus a Sete Quedas

Sete quedas por mim passaram,
e todas sete se esvaíram.
Cessa o estrondo das cachoeiras, e com ele
a memória dos índios, pulverizada,
já não desperta o mínimo arrepio.
Aos mortos espanhóis, aos mortos bandeirantes,
aos apagados fogos
de Ciudad Real de Guaira vão juntar-se
os sete fantasmas das águas assassinadas
por mão do homem, dono do planeta.
Aqui outrora retumbaram vozes
da natureza imaginosa, fértil
em teatrais encenações de sonhos
aos homens ofertadas sem contrato.
Uma beleza-em-si, fantástico desenho
corporizado em cachões e bulcões de aéreo contorno
mostrava-se, despia-se, doava-se
em livre coito à humana vista extasiada.
Toda a arquitetura, toda a engenharia
de remotos egípcios e assírios
em vão ousaria criar tal monumento. (...)

O poema inteiro encontra-se em:
http://www.avepalavra.kit.net/drummond/drummond30.htm

vera abi saber
Enviado por vera abi saber em 04/11/2007
Reeditado em 04/11/2007
Código do texto: T723042
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
vera abi saber
São Paulo - São Paulo - Brasil, 66 anos
118 textos (18344 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 23:18)
vera abi saber