Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tempo certo

Encontramos no livro Sagrado, em Eclesiastes (3;1 a 12), assim: “Para tudo há momento, e tempo para cada coisa sob o céu: tempo de dar à luz e tempo de morrer ...tempo de destruir e construir...  tempo de abraçar e tempo de evitar o abraço...”  O tempo está ligado à vida que “sem licença nos convida a rir ou chorar”, e nos desafia a validar o nosso propósito de sermos cristãos, ímpares e especiais .
No percorrer dessa nossa trajetória idealizamos os sonhos e lançamos sobre eles a esperança da concretude. Um desses sonhos é a formação da  família e sua extensão  com  nossos filhos, que repetirão de forma diferenciada o ciclo de construir e reconstruir  ideais. Nenhum de nós deseja que esses que representam a nossa  continuidade sejam “diferentes”. Sonhamos com o olhar, com o primeiro sorriso, com os passos desgovernados, com a mãozinha pequeninha, com o ser que contará as conversas e risadas vivenciadas no lar com a sua família perpetuando assim, a  nossa raiz..
No entanto, no tempo de dar à luz se nos dizem que algo naquela criança merece uma atenção especial, nosso mundo perde o colorido: perdemos as forças. Abalam-se as estruturas dos sonhos. Durante essa tempestade de insegurança, revolta, mal estar e violação com a situação, o tempo é de calar.  Calar para encontrar no silêncio mais singelo, não as razões para o fato, mas as finalidades e possibilidades de resgate de nossos valores centrais e reais que justificam o ser Família. A família que neste instante vive o tempo de morrer. Tempo sagrado, porque sabe que das cinzas surgirão a paciência e perseverança tão necessárias para caminhar e encaminhar este ser que nos foi confiado.
No ínterim do tempo de abraçar e tempo de evitar o abraço, sentimo-nos envolvidos num novo processo de reorganizar, rever e resgatar nosso interior, nossos sonhos e descobrimos que: “quando o amor vos chamar, segui-o, embora seus caminhos sejam agrestes e escarpados, e quando vos envolver com suas asas, cedei-lhe, embora a espada oculta na sua plumagem possa ferir-vos [...] pois, o amor operará em vós para que conheçais os segredos de vossos corações e, com esse conhecimento, vos convertais no pão místico do banquete divino”. (Kail Gibran)
Retomando as nossas direções na reconstrução do nosso dia-a-dia com o verdadeiro Amor, encontraremos o olhar esperado, a mãozinha que acaricia e os braços que pedem nossos afagos, nos passos desgovernados a firmeza dos nossos e as conversas existirão mais engraçadas e personalizadas. Teremos a certeza de que com o tempo cada qual envolvido neste processo de construção  de si mesmo, para estar com o outro, saberá “que não há nada melhor para o homem que alegrar-se e fazer o que é bom na vida.”
Scheilla Oliveira
Enviado por Scheilla Oliveira em 12/11/2007
Reeditado em 07/07/2013
Código do texto: T734688
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Scheilla Oliveira
Varginha - Minas Gerais - Brasil, 52 anos
26 textos (5430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 08:22)