Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ainda a questão do plágio.


         A questão do plágio tem estado presente aqui no Recanto desde que me tornei membro. Pessoas foram banidas da comunidade acusadas de plágio. Outras, a mais leve suspeita, sairam de cena. Foram situações que despertaram a minha curiosidade e resolvi fazer uma pesquisa ligeira sobre o assunto, na própria net.

       Fui ao google e desanimei. Os tópicos sobre o assunto são inúmeros. Se a minha pretensão fosse fazer um estudo profundo sobre o assunto eu levaria meses. Só tenho alguns minutos, que é o tempo que posso dedicar ao meu computador. Não querendo desistir do assunto, por considerá-lo atraente, resolvi dar uma olhada ligeira apenas em alguns. Os primeiros. 

         Minha primeira descoberta, eu poderia ter feito consultando os meus bons dicionários. Mas eles estão lá embaixo e eu estou cá em cima. Sei o que significa plágio em português.Mas queria saber a origem da palavra. Pelo que deduzi, vem do latim, assim como também do grego. Qual veio primeiro eu não sei. O significado do grego
plagios é trapaceiro. O significado do latim plagiu é oblíquo, indireto,astucioso. O que absolutamente dá no mesmo. Anti-ético, imoral. Fracassado. A Wikipédia, que me pede ajuda para mudar o mundo, diz também que Plágio é o nome de uma banda portuguesa. Estou aqui pensando de que modo posso ajudar a Wikipédia a mudar o mundo. Concluo que se impedir um único indivíduo a não mais plagiar estarei ajudando a mudar o mundo. Será?

          Vi ainda em minha pesquisa que o plágio anda solto no mundo. Grandes plagiando grandes. Grandes plagiando pequenos. Pequenos plagiando grandes. E, pior que tudo, pequenos plagiando pequenos. Li também um artigo muito bonito de Gabriel Perisse falando sobre
  O conceito de plágio criativo. É um artigo fantástico que eu gostaria de plagiar. Mas, se fizer isso vou incorrer no artigo 183 do código penal,podendo pegar de três meses até um ano de prisão. Ou pagar uma multa. Não quero arriscar, embora saiba que ninguém nunca foi preso por esse crime. E dinheiro, eu não tenho.Mas, se interessarem por ler, procurem no Google. É bom mesmo.Vale a pena.

          Gabriel Garcia Marques diz em seu livro
" Como contar um conto" que estou lendo no momento,  "que é muito difícil encontrar uma história que não seja parecida ,de uma forma ou de outra ,há muitas histórias parecidas". Ele relata nesse livro, que é a reprodução de uma oficina para elaborar roteiros  para televisão, que tendo criado uma história com seu grupo de trabalho, logo depois, antes de torná-la pública, viu um filme com cenas semelhantes veiculadas na TV, obrigando-o a alterar o seu roteiro. Eu tenho certeza disso. Quase todas as histórias já foram vividas de uma forma ou de outra. Muda-se o tempo, o espaço e os personagens mas as histórias são semelhantes porque o que caracteriza a humanidade, principalmente em relação aos sentimentos, é imutável. Amor, ódio, ciúme, paixão, amizade, perdão, traição,toda essa gama de sentimentos existe  desde Adão e Eva, se é que eles um dia existiram. Então, não há como não repetir histórias. Além do mais o que somos nós escritores? Ávidos leitores e observadores, o que talvez nos faça cometer esse crime de pirataria até inconscientemente. Escrever a moda de ... é uma situação que quase todos nós já vivemos. Quando gostamos demais de um autor, corremos o sério risco de imitá-lo.. Mas é aí que aparece a grande diferença entre um escritor autêntico e um reles plagiador. O verdadeiro escritor pode se inspirar em alguém,,mas ele antes de se denominar escritor terá estabelecido um estilo único e individual que fará com que suas obras sejam imputadas a ele e a mais ninguém. O modo de escrever, isso sim é o que conta. O como usar as palavras, colocar as frases.Brincar com elas.

           Meus amigos já me perguntaram: você não tem medo de que roubem seus textos na internet? Não, eu não tenho. Se roubarem e eu não ficar sabendo, paciência. Se eu ficar sabendo, tenho como provar que o que é meu é meu. Se eu quiser, é claro. Porque sou boa mineira, e copiando aqui frase que não sei de quem é, mas que já foi usada por muitos: Dou um boi para não entrar em  uma briga e uma boiada para não sair. Embora seja necessário explicar que eu não tenho mais bois, nem boiada.

(foto de Araquem Alcântara in Pantanal)             
Maria Olimpia Alves de Melo
Enviado por Maria Olimpia Alves de Melo em 16/11/2007
Reeditado em 16/11/2007
Código do texto: T740110

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para http://marilim.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Olimpia Alves de Melo
Lavras - Minas Gerais - Brasil
1107 textos (324209 leituras)
1 e-livros (258 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 17:11)
Maria Olimpia Alves de Melo