CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

TEXTO ACADÊMICO

O conhecimento vem da observação e da pesquisa. Flui à semelhança de um minadouro, fertilizando o pensamento, movimentando o raciocínio.

O valor de um texto produzido por acadêmicos, quando da conclusão e cursos, é inestimável. Infelizmente, e por uma série de motivos, tais textos _resultado de esforço, tempo e dinheiro _, são abandonados, até pelos seus próprios autores.

Existem inúmeros compêndios que versam sobre a metodologia do trabalho  científico. Em geral, a primeira preocupação dos autores desses compêndios é a questão do método e da forma. Evidenciam a forma, o recipiente ao qual  deve acomodar-se o conteúdo, a ciência, o conhecimento. Assim acontecia, por exemplo, com os sonetos clássicos. Os poetas precisavam aprisionar a inspiração, como preconizava o modelo exigentíssimo àquela época. Entretanto, frise-se que, nem apenas do modelo se nutre o texto acadêmico , sobre o qual fazemos esta reflexão.

É relevante que as normas sejam respeitadas, religiosamente observadas, idem para o processo de digitação. São mesmo aspectos importantes, mas nem a norma, nem a metodologia sobrepujam o conhecimento e a língua na qual o trabalho será explicitado.

Pesquisa exige dedicação, tempo e dinheiro. Enquanto isso, os acadêmicos vivem às voltas com outras disciplinas, exigências de outros professores e trabalho para obter a sobrevivência.

A orientação de trabalhos acadêmicos é algo muito sério, principalmente em um país como o Brasil onde as estatísticas apontam para números  reveladores da péssima situação da leitura e da escrita dos nossos jovens e adultos. Se assim o é, não se pode acreditar que teremos bons textos acadêmicos. Uma das maiores dificuldades para obter sucesso no vestibular é a redação, o calcanhar de Aquiles_ produto de um ensino cuja ilusão consiste em fazer alunos decorarem regras gramaticais. As regras são leis e não foram criadas para serem decoradas. O que seria então dos advogados?

Temas para pesquisa não devem ser sequer sugeridos, quanto mais impostos. Devem ser orientados. Não é compreensível, nem há coerência em, por exemplo, haver milhares de trabalhos acadêmicos sobre a leitura e a escrita, se este é o maior problema dos iniciantes da pesquisa. Não é possível iniciar um texto, ou seja lá o que for, sem antes planejar e elaborar um plano.

O sistema de orientação de trabalhos monográficos falha  também quando aposta na sapiência de algum doutor em uma determinada área, mas que não admira e nem exercita a a produção textual _ a não ser a da sua tese, filha única da necessidade de adquirir tal título.

Outros pecados visíveis nos textos de trabalhos acadêmicos são: muita fachada e pouca consistência (obra faraônica); falta de coesão e de  coerência; falta de pertinência científica, de revisão das partes e do todo; citações soltas, desconectadas do texto e do contexto; excesso de citações; paráfrases truncadas; frases escessivamente curtas e de sentido comprometido; frases longas e de efeito artificial; anexos lingüiça, descomprometidos com o teor da pesquisa; referências bibliográficas incompatíveis ou estranhas ao tema abordado;falta de revisão gramatical, de conteúdo, de significado, e outras. Portanto, uma dissertação elaborada dentro desse emaranhado de mal-entendidos jamais apresentará resultados, discussões, sugestões, conclusões.

Trabalhar bem a Língua Portuguesa em um texto acadêmico não se restringe apenas e tão somente a colocar a pontuação, grafar corretamente as palavras ou acentuá-las devidamente. Este não deve ser o norte para o tecido de um texto, mas o sul _digamos assim.

A linguagem do texto acadêmico deve primar  pelos seguintes itens: conhecimento  e fidelidade ao tema abraçado; clareza e objetividade das palavras, das orações, dos parágrafos em individual e em coletivo; das partes constitutivas do todo textual, da primeira à última página, numerada ou não; esmero para se manter na esfera temática; lógica na argumentação.

Convém, inclusive, após a finalização do trabalho, fazer uma leitura test-drive para colegas, amigos e parentes. Durante esse exercício o autor perceberá discrepâncias, imperfeições que a leitura silenciosa não permite entrever.

A digitação da monografia será entregue a um profissional da digitação, cuja responsabilidade seja reconhecida pela competência e dedicação. Uma vez copiado em CD, ou impresso, faz-se outra revisão, de preferência por um especialista na área, um professor-revisor.

A seguir, virá o momento temido pelos acadêmicos, a apresentação oral da pesquisa. Ou seja, uma aula, na qual, espera-se, o acadêmico demonstre qualidade.

O plano da apresentação (defesa) costuma, atualmente, ser preparado para a exposição de slides em data-show. O aluno deve estar preparado para alguma eventualidade, falha técnica da aparelhagem, por exemplo. Os mesmos cuidados e outros específicos deverão nortear o momento da apresentação. O expositor deverá convencer à banca examinadora que domina o tema e a linguagem. A oralidade estará em evidência, a segurança emocional, o mis-en-scène, a pronúncia, enfim o uso da linguagem considerada padrão e pertinente à área.

Feitas tão breves considerações sobre a natureza do trabalho acadêmico, esperamos que você mesmo consiga produzi-lo, tenha boa sorte e parta para outras pesquisas.
TÂNIAMENESES
Enviado por TÂNIAMENESES em 20/11/2007
Reeditado em 24/02/2009
Código do texto: T744699
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
TÂNIAMENESES
Aracaju - Sergipe - Brasil, 66 anos
1675 textos (157653 leituras)
1 áudios (98 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/09/14 04:01)