Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENTRE AS TRIBOS E OS TRIBUTOS

Nossa sociedade, desde aquilo a que entendemos por primórdios, é formada por tribos. Mas existem tribos e tribos. Existem tribos no sentido de uma aglomeração de pessoas que se definem através de uma unidade de interesses e linguagem. Assim, podemos compreender o significado originário de tribus que, em latim, é sinônimo de terço por se referir aos três povos que fundaram a antiga Roma.

Nos tempos que correm, apesar dos discursos pós-modernos e neoliberalizantes da aldeia global, mundial-internacionalização e o escambal, ainda podemos constatar a existência de diversas tribos que se sustentam no ranço corporativista do deificado Mister  mercado, da “ética” profissional do lucro, da feira de etiquetas regulando o comportamento e das máscaras da religião redundando a representação da hipocrisia mistificada.
Mas todas estas tribos, por mais que se aparentem “diferentes”, são peças do mesmo veículo que transporta o ideário do mundo capitalista, pois essas tribos se alimentam na metafísica cristã de um povo funâmbulo que vive entre o conformismo do sacrifício e a ilusão de ser herdeiro de um tesouro prometido. São os adoradores de si mesmo em nome do Senhor, conforme propagado na Bíblia, através de Jeremias, 51:19, Salmos, 122:4 e Apocalipse, 7:4.

O que está em questão não são as tribos em si mesmas, mas o ítem de pauta são as tribos não-tribos, as tribos do não-lugar, as tribos invisíveis. Nem mesmo a parcela minoritária e dominante dessa sociedade consegue esconder. Mesmo escamoteando alguns critérios de realidade, seus aparelhos ideológicos não conseguem camuflar uma estatística em que existem somente em nosso país aproximadamente cinqüenta e quatro milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da miséria (se é que existe uma linha na miséria). Nesse meio é onde residem essas tribos invisíveis. E, diferentemente das que existem no sentido de uma aglomeração de pessoas que se definem através uma unidade de interesses e linguagem, as tribos invisíveis são formadas pelos que ajuntam como náufragos. Não como náufragos em busca de uma solução ao naufrágio, mas apenas interpretando o papel que os metteur en scène da sociedade capitalista lhes impõem: protagonistas da exclusão.

Dentre a multidão de miseráveis, material e espiritualmente, claudicando nos escombros daquilo a que chamamos sociedade, a cidade (polis) tem contribuído bastante para a manutenção de, pelo menos, quatro dessas tribos invisíveis, a saber: dos curumins, das cavernas, dos nômades e dos selvagens.
As tribos dos curumins (menores que os maiores)  são aquelas formadas por crianças. Não se trata da criança no sentido da cultura guarani. São crianças que vivem nas ruas, esmolando, se prostituindo e cheirando cola para esquecerem a fome, para esquecerem que podem se lembrar de algum sonho de ser diferente. São crianças abandonadas, filhos de pais também abandonados pela sociedade. Tal pai tal filho. Pai miserável, filho idem, bastardos da sociedade. A cultura do miserável que deixa como herança a miséria.

As tribos das cavernas (sem-teto) são compostas por aqueles que dormem em cavernas, debaixo de pontes, viadutos e restos mortais ou ruínas de algumas construções. Se em Platão os homens das cavernas viam sombras da realidade, aqui os homens são o simulacro de si mesmos, a própria sombra daquilo que não lhes pertence. Talvez eles se contentem ao lembrar de alguém que pode recitar um versículo de que “na casa de meu pai há muitas moradas”.

As tribos dos nômades (não-lugar) se arrastam para aqui e para ali, mendigos e andarilhos a procura do nada. Não como Ahasverus, o lendário Judeu Errante condenado a andar eternamente por não ter permitido que Jesus repousasse em sua porta quando caminhava para o suplício. Esses errantes aqui nem puderam negar qualquer coisa. Foram condenados apenas por terem nascido.

As tribos dos selvagens (violados violentos) são aqueles que – de certa forma – já cumpriram os rituais de iniciação e passaram pelos estágios curumim, caverna e nômade. Para estes não há nada a perder e é chegada a hora de um ajuste de contas. São violentos, assaltam e assassinam. Não se pode dizer que tenham uma consciência de classe, mas foram produzidos entre as classes que se acreditam fazendo o que podem.

Enfim, cabe ressaltar que as tribos invisíveis pagam tributo a uma sociedade que tem por tradição a mentalidade escravagista, a cultura de privilégios e de danação da nação, cujo Deus é um Senhor.
Wilson Coêlho
Enviado por Wilson Coêlho em 02/04/2005
Código do texto: T9191
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Coêlho
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 57 anos
6 textos (337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:08)
Wilson Coêlho