Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bacelar Viana: Poeta da Urbe de São Luís

Alfredo Luiz BACELAR VIANA, nasceu em São Luís do Maranhão, terra de poetas, no dia 23 de dezembro de 1938, falecendo na mesma cidade em 1982. Ingressou na Faculdade de Medicina em 1960, fez curso de psiquiatria no Rio de Janeiro, tornando-se professor de psicopatologia e clínica psiquiátrica. Durante muito tempo foi presidente da Associação Maranhense de Psiquiatria. Além de poeta era ensaísta e cronista. Tornou-se membro da Academia Maranhense de Letras, mantendo a tradição familiar, pois era filho do também Acadêmico Fernando Viana. Publicou os livros Elegia da rosa (poesia) e Três evocações (ensaios), além de colaborar em jornais e revistas. Dele disse João Mohana, na crônica O poeta que voltou da morte:

“Existe um sentido profundo nas obras póstumas. É que na verdade são obras feitas em vida, apenas publicadas post mortem. No caso de Clamor de São Luís, encontramos os poemas da última etapa vivida na terrena peregrinação de Bacelar Viana. Representam, portanto, o grau mais avançado da evolução literária a que chegou o poeta de Aula da Saudade.

Bacelar Viana não é um poeta hermético, à semelhança do Nauro Machado de Testamento provincial ou da Adalgisa Nery de Mundos oscilantes. Bacelar Viana é transparente como as fontes de seu cantar. Porque para ele estrela é estrela, pedra é pedra, amor é amor. Claro que o tema São Luís não podia faltar em poeta que assumiu conscientemente sua condição de maranhense.

Ao lado de Dagmar Desterro, de José Chagas, de Bandeira Tribuzi, de Carlos Cunha, de Nauro Machado, de Evandro e Ivan Sarney, de Odylo Costa, de Luís Augusto Cassas, Bacelar Viana integra a plêiade dos cantores desta urbe feiticeira. Contudo, em Bacelar Viana a formação do médico direciona o paladar do poeta. É que ele não abre os olhos nem estende os braços para as sacadas e telhados e azulejos e mirantes da cidade (en) cantada.

Em Bacelar Viana o humanista contempla, impotente, o desamor destrutivo de uma miragem, e com isto submerge na nostalgia de estrofes que não cantam a arquitetura, porque a força antropológica lhe parece mais vibrante. Mais do que os sobrados, quem neles vive e morre torna-se a inspiração para “Clamor de São Luís”. Sem dúvida Bacelar Viana inscreve-se entre os poetas maranhenses que mais dramaticamente enxergaram e denunciaram todas as frentes de miséria nesta cidade tão cantada por tantos."

Pouca coisa há a acrescer nesse texto do insigne escritor e padre maranhense que foi João Mohana. Apenas o fato de que Bacelar Viana representava um tipo de poeta cujas raízes estão arraigadas na sua cidade natural – tipo em extinção engolido pela metrópole sem identidade que não consegue sequer dar certidão de nascimento a seus próprios filhos. Capaz, portanto de escrever uma poesia comprometida com a estrutura física e social da cidade em que nasceu, perseguido os mesmos becos e vielas podres que o acompanharam como sombras.

Ao escrever poesia, Bacelar Viana não larga de lado os bichos e as pessoas, os males e as sandices, os defeitos e as porcarias, tudo que sua visão de humanista preparava para desconstruir, tratando a realidade e a utopia num mesmo plano emocional, conquanto não fosse defeito. É de se perguntar quando os poetas trocaram a camisa que veste o cotidiano, por mais tristeza que a poesia não possa conter, optando por uma estética que beira o universal, mas que não reflete a sua vila?

Ler Bacelar Viana é acender o alerta sobre a necessidade que a poesia tem de não deixar de refletir também a dor e a alegria locais, por mais rastaqüera que isto seja...


CLAMOR DE SÃO LUÍS

Não que não a ame, não, não, não e não...
Amo-a, sim, com a alma trespassada
De muitas dores e muitos desencantos.
Revolta-me pressenti-la estertorosa,
Envelhecendo qual velha prostituta
Na sombra gordurosa dos bordéis.
Amo demais esta cidade velha
Que se desfaz de muitas de suas graças
Para acompanhar os passos lestos
Do Tempo deletério e molestoso.

Vejo-a perder o encanto de suas faces,
A fagueirice risonha de seus gestos
Que ora se perdem nos sórdidos ruídos
Que escapam dos intestinos podres
E dos ventres rotundos, saciados
Do consumo voraz e antropofágico,
Cujos dejetos correm pressurosos
Para adubar a miséria periférica
Que circunda a cidade, quais correntes,
Agrilhoando a alma primitiva
Da gente genuína e inconspurcável.

Olho-a desfigurada, agônica e inquieta,
Sem tempo pra vagares cismarentos,
Envolvida no vórtice da Máquina
Que a quer trepidante e produtiva,
Gerando rosto sem nome e sem passado,
Mãos afanosas que obedecem a cérebros
Manipulados pela Nova Ordem
Cujo lábaro de fogo é o Rei Dinheiro
Que se encastela nos bolsos infindáveis
Da infinitésima parcela dos barões.

Pressinto-a muda e desfigurada,
Sem sinos jubilosos, sem girândolas,
Tecnicalizada, cibernética,
Triste, triste, cada vez mais triste,
Sem poder beber a água do Anil,
Sem poder tomar banho no Bacanga,
Sem poder morder a polpa sumarenta
Das mangas, sapotis e dos cajus.

São Luís, São Luís, o que fizeram de ti?
Os ventos mornos do Atlântico
Não passam mais por aqui,
Não trazem o beijo e o abraço
Do africano sedento
Cujo canto morno e lento
Embalou o sonolento
Verão tupi-guarani.
As aves pancoloridas
Não mais povoam as ribeiras,
Seus trinos já se perderam
No rumor das avenidas,
São vidas, são muitas vidas
Que não vivem mais aqui.

Onde estão as procissões,
O som macho dos rojões,
As festas embandeiradas,
As grandes saias rendadas,
Verdes, azuis, encarnadas,
Vestindo moças brejeiras
Sapecas, namoradeiras,
Escondidas nas varandas,
Cumprindo alegres cirandas
Ao bom compasso das bandas
Do coreto da Matriz?
- Onde é que estás, São Luís?

Onde está o povo bravo,
Heróico no desagravo
Da afronta e do desrespeito?
Onde está o nosso irmão
Que herdou do Bequimão
A coragem e o destemor,
Que levantava a sua voz,
Que enfrentava o poder,
Que pagava com seu sangue
O direito de dizer?
O que é que teu povo diz
Nestes dias, São Luís?

Mui heróica e leal cidade santa,
Estás desfigurada e diferente.
És uma contrafação estranha e dolorosa
Da outrora mimosa capital.
Corre em tuas veias sangue novo
E os germes do progresso a todo custo.
Copias com desfaçatez incrível
Os modismos danosos de outros povos
E não te deitas mais à sombra plácida
Das palmeiras impávidas e indomáveis.
São Luís, São Luís, faze um confiteor, Princesa,
Pára um pouco pra pensar.
Não te enredes na trama
Dos que te querem mudar.
Mantém tua alma intocada
Não te deixes conspurcar.
Tens de crescer para todos,
Não te deixes enganar.

Querem transformar tua beleza
Em algo mecânico e deformado,
Engordam os teus núcleos de miséria
E drenam do teu sangue envenenado
Os sórdidos valores alienados
Que se transferem para as bolsas gordas
De insensibilíssimas figuras
Que cospem e escarram nos teus monumentos.

São Luís, São Luís, cidade amada,
Solarenta pousada à beira-mar,
É com a alma triste e dilacerada
Que entôo esta canção pra te acordar.
Acorda desse horrível pesadelo
Em que te querem pra sempre acorrentar,
Arranca de teu peito o escalpelo
Que pretende tua alma dissecar,
Revolta-te, enfurece-te, ouve o apelo
Dos teus filhos que querem te salvar.

Salomão Rovedo
Enviado por Salomão Rovedo em 10/01/2006
Código do texto: T96812
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Salomão Rovedo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
10 textos (4125 leituras)
3 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 16:54)
Salomão Rovedo