Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Sonho que se tornou Realidade

             O SONHO QUE SE TORNOU REALIDADE

     Embora exista a filosofia de que devemos simplesmente
viver o hoje, porque o passado não volta e o futuro a Deus
pertence, eu discordo da forma radical como algumas pessoas a seguem. A filosofia é muito boa, mas eu a faço do meu modo. Procuro não lembrar dos acontecimentos que não me deixaram feliz, até porque,  já perdoei os culpados, inclusive a mim mesma, em algumas ocasiões, e encarei os fatos como aprendizagem de vida e elevação espiritual, mas o que me aconteceu de bom não consigo esquecer e acho maravilhoso, quando algum fato presente me leva ao passado e me faz recordar momentos maravilhosos de alguns anos atrás. O interessante é que muito do que nos aconteceu no passado retorna ao presente como se Deus quisesse testar nosso comportamento hoje, já que estamos com mais idade, e, consequentemente, com mais maturidade, e por que não dizer mais sábios?
Se aceitamos este retorno ao passado, se deve principalmente, ao fato de que, hoje, sabemos, que nem tudo que nos fez feliz naquela época  teve a aprovação divina, e poderemos, então, refletir melhor o tipo de ação que tomaremos,  não somente pensando em nossa felicidade, como também na nossa elevação espiritual e por que não dizer intelectual também.
     É muito difícil emitirmos nossa opinião quando o assunto é bastante polemizado, mas o faço com muita propriedade, porque tenho consciência de que esta é a minha opinião e que  eu não sou a dona da verdade universal, já me contento em ser a dona da minha verdade, porque todos sabemos que muitos indivíduos nem conseguem conhecer a sua própria verdade, porque, infelizmente,  suas vidas são baseadas, unicamente, em mentiras.
     Conhecemos também pessoas  que vivem toda uma vida, alimentando sonhos impossíveis de se tornarem realidade, que elas próprias não conseguem perceber.
Porém, vale ressaltar que as duas fases citadas anteriormente acontecem com quase todos nós, ou seja a fase da mentira e a dos sonhos e tenho certeza que muitos de nós passou por elas na infância e na pré-adolescência, mas felizmente elas são passageiras e ainda na adolescência elas desaparecem e muitos de nós passamos então a viver a realidade de nossas vidas, em busca de sonhos realizáveis. Por outro lado, há os que não conseguem ultrapassar essas fases e mesmo ao atingirem as idades adultas continuam vivendo ou de suas mentiras ou de seus sonhos irrealizáveis.
     Felizmente, apesar de mentir muito na minha infância por ser muito levada, fui curada com a técnica de minha avó - quem falasse a verdade além de não apanhar, ainda ganhava um pires cheio do doce preferido. Depois da fase da mentira, tornei-me uma sonhadora que até me assustava quando as pessoas me  chamavam, interrompendo meus lindos sonhos, que eu planejava para o meu futuro. Como eu era órfã de pai, minha mãe lutava com muita dificuldade para nos educar, a mim e meus dois irmãos. Mas nunca deixei de acalentar o meu sonho de estudar e ter condições melhores de vida, porque eu era consciente de que poderia realizá-lo, embora sabendo dos esforços e sacrifícios que teria que enfrentar para transformar esse sonho em realidade, mesmo que demorasse uma vida para acontecer. É deste sonho do meu passado, que graças a Deus,  hoje é uma realidade, que gosto de lembrar sempre, de cada momento, de cada esforço, de cada sofrimento, de cada pessoa que me ajudou, de cada luta que tive que enfrentar para torná-lo  realidade e tranformar-se na minha própria satisfação, bem como de toda a minha família, dos amigos de infância, que ainda hoje convivo e tenho certeza dos amigos mais recentes e que conhecem as minhas origens, porque sempre tive a humildade e ao mesmo tempo orgulho de falar sobre elas, meus sacrifícios e minhas conquistas, principalmente para as pessoas que desanimam diante do primeiro   obstáculo e desistem do seu sonho.
     Consegui ter duas profissões,  a primeira
escolhida pela necessidade de trabalhar logo, porisso
me formei em  professora primária (profissão das meninas pobres da época), a nivel de segundo  grau; a segunda , depois de terminar a Universidade, em busca do sonho de conhecer o mundo e ver a realidade dos outros povos, através de um trabalho interessante e que combinava com a minha personalidade,  resolvi fazer, então, o  concurso para o Itamaraty. Hoje, estou no exterior, a serviço do Governo brasileiro e amo o que faço - dar assistência a  brasileiros no exterior e o faço com muito amor , responsabilidade e profissionalismo. Daqui a pouco estarei de volta à Brasília, onde fico algum tempo e também gosto muito do que faço, principalmente porque trabalho em Departamento de Pessoal.
Então, lhes pergunto, é possível  viver o hoje sem  lembrar do sonho do passado, que me excitou a lutar por ele e hoje vê-lo realizado?

Nilova
Enviado por Nilova em 11/03/2006
Reeditado em 12/03/2006
Código do texto: T121648
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nilova
Taguatinga - Distrito Federal - Brasil
11 textos (1699 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:05)