Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Como sou? Meu perfil

Como sou?
 
Meu perfil(?)
 

 
"Se a vida é cheia de ilusões,
procure vivê-la bem, nem que seja aos
trambolhões"
Myriam Peres
 
          Rápidas pinceladas é o máximo que me proponho fazer, senão vira livro e ninguém agüenta.
Escrever laudas e laudas torna-se cansativo, mesmo porque não sou uma vida tão diferente das demais assim, apenas meu nome é outro, família distinta e meus enredos talvez sejam inéditos, só isso.
          Nasci ou apareci por aqui nos idos de 1930- Meu Deus! Que lonjura! Mas é a verdade, porisso tenho muito chão vivido, muitos plantares, muitas colheitas conseguidas através de anos e  anos de percurso, comendo pó dos caminhos percorridos, vividos e viajados... E tome de comer terra, tome de sonhar, de perceber que a vida é, realmente, um eterno viver pra crer, um eterno padecer, eterno sofrer sem saber porque, para depois ter que correr pra morrer.
          Mas nessa eternidade de vida, vi muita coisa, provei umas tantas, representei horrores, pratiquei tudo e mais que tudo que me foi oferecido conviver. As dádivas ofertadas a mim foram inúmeras, não posso me queixar, tive de tudo um pouco e de muito uma imensidão, que me fizeram muito feliz. As coisas dolorosas também consegui ultrapassar, com calos no coração, pernas vacilantes, cabeça pura, demente. mas cheia de emoção, numa vontade de tentar ultrapassar e deixar para trás sem me contaminar e poder continuar essa jornada que me foi dada e emprestada, para me transformar em gente, com sacrificios muitos, tristezas bastante. Meu mas era o meu coração de origem do sertão, de um calor abrasador, que fervia o sangue e queimava o destino que tinha escolhido trilhar. Isso me dava a certeza de dias mais amenos que, forçosamente, viriam e me ofereceriam como ofertas em promoção, fins de feiras das ilusões, entulhadas de emoções...  Minha origem é de gente forte de espírito,  temente a Deus, no respeito e na dignidade da devoção. Gosto de falar do passado, isso me faz feliz, porque o presente todas nós conhecemos e ainda estamos vivendo, mas as magias passadas são sempre lembradas e endeusadas.
          O passado tem gosto de fruta madura, colhida e comida no pé, de águas correntes de rios  serenos e frescos que vão molhando e lambendo suas margens, tranqüilos e  as vêzes caudalosos, convidativos a eternas reflexões, que tanto a natureza nos oferece e que nos apetecem a sonhares embriagadores.
           Infância desfrutada no convívio de pais e irmãos, que se tornaram meus heróis de histórias em quadrinhos e Contos da Carochinha, que formaram da minha cabeça menina-criança um ser cheio de esperança e felicidade.Não vou me estender muito, já está grande demais, mas ainda alguma coisa pra revelar e que me estimula sobremaneira a continuar.
          Sou casada há 55 anos, com um médico-militar. Dessa união tive dois filhos, mas infelizmente Deus achou por bem me levar meu homenzinho pequenininho. Tenho uma filha que só me dá alegria e felicidade. É médica, inteligente, uma profissional de realce, isso me faz ter o maior orgulho dela.
          Adoro ler, estudar qualquer coisa que me caia dos céus e nas mãos. Livros todos, mas prefiro os não ficção. aquelas lorotas de romances, pra mim têm que ser muito especiais, senão os deixo de lado. Adoro pesquisar, tudo, fico horas e horas no computador lendo, estudando, pra que? pra nada, com certeza, mas isso me encanta e seduz. Novelas de TV? SOCORRO! Me poupem por caridade. Tenho horror daquelass palhaçadas que exibem e que tanto são admiradas.  Há gosto pra tudo, é verdade, então sirvam-se à vontade.
          Sofro de insônia, passo as noites como se fosse meio-dia, mas os filmes da Net me fazem comer o tempo desperdiçado até o dia amanhecer. De madrugada, em um certo canal, fico escandalisada com certos filmes, certas cenas indecorosas, imorais que atualmente são o dia a dia, mas pra mim são motivos de me escandalizar. Os conceitos de moral, dignidade, vergonha, honra sumiram pelo ralo e não consigo aceitar certas modernidades, fantasiadas de falta de pudor e indecência.
         Sou calma, normalmnte, fico quieta no meu canto, cuidando de escrever, ler e me entreter com coisas que me agradam. Não perturbo ninguém, mas não quero ser perturbada, incomodada também.
        Apesar de ser um pouco gorda, não sou comilona e vivo en eterna dieta por causa do diabetes que me deram de presente, sem eu pedir, claro. Nasci pra der correta, nasci pra ser fiel, nasci pra ser sincera, nasci pra ser leal, nasci pra ser amiga, são as minhas dádivas divinas que muito honro e cultivo.
          Na internet conheci vocês que considero e estimo como se fossem parentas de sangue. Tenho minhas limitações, porque por motivo de saude não posso ficar muito tempo sentsda no computador respondendo vocês nos trabalhos maravilhosos que vcs apresentam, mas, por favor, por caridade não me levem a mal, me queiram o mesmo bem que quero a todas vocês.
          Minhas palavras se transformaram em livro. Desculpem, por favor, mas quando me pego a escrever vou por aí afora, nessa estrada tortuosa e maravilhosa que é poder derramar no papel minhas imaginações de poeta-escritora amadora, de fundo de quintal, mas feliz nessa vida que vivo.
          Muito obrigada pelo carinho em me permitirem falar de mim tanto assim, mas fiquei feliz em fazê-lo. Que Deus nos abençoe e nos deixe trilhar nossos caminhos com fé, amor no coração e paz de espírito com dignidade, altivez e carinho nos corações.
          Muito obrigada por vocês serem assim tão especiais e maravilhosas que são.
         
        Myriam Peres
 
Myriam Peres
Enviado por Myriam Peres em 11/06/2006
Código do texto: T173283
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Myriam Peres
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 86 anos
473 textos (54620 leituras)
5 e-livros (275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:16)
Myriam Peres