Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INFANCIA: Quém é esse menino? Parte 02

Hoje Felipe percebe a infância que viveu como trailer de filme que discorre intermináveis trechos de lembranças, imagens, sons, cheiros e objetos que fazem conexão direta com as vivências da infância que deixaram marcas emocionantes e em muitos casos cicatrizes que o reportam para tempos dolorosos de solidão e abandono circunstancial por sua condição impositiva em relação as outras crianças e adultos que eram seus contemporâneos.
A ausência total de pigmentação na pele, nos cabelos e pelos, e os olhos de fundos altamente claros impedindo de forma agressiva a possibilidade de filtragem de claridade, o tornava exaustivamente desconfortável em tudo que se propunha a fazer, desde fazer suas refeições até sua higiene pessoal. Lembra de episódios de sua frágil e tenra infância nos preciosos momentos de cumplicidade com sua mãe, ao acordar pela manhã depois de beijos e afagos ela o levava para perto do fogão para lhe fazer companhia enquanto preparava o café.
 Era uma cena pitoresca, em todos os aspectos. O menino branco como a neve, acomodado no cantinho do fogão de lenha com o queixo apoiado nos joelhos aguardando sua mãe tira-lo dali para comer os biscoitos com requeijão, as vezes coalhada e outras vezes cuscuz. Percebia todo o ambiente matinal do momento, sorvia todo amor maternal que fluía dos gestos traduzidos em carinho que sua mãe lhe doava. Enquanto isso, o dourado do fogo imponente e seu fumacear, o levava a viagens incríveis ao futuro, onde via-se rodeado de amigos, brincando de correr pelos campos, subindo em arvores, nadando no ribeirão, fazendo suas primeiras traquinagens, seduzindo sua primeira namorada e ganhando sua primeira disputa nos desafios com as outras crianças. Se sua mamãezinha, a quem chamava de Mainha, não interrompesse suas conjecturas, ficaria ali o dia todo, incapaz de sair, tomar iniciativa, arriscar-se em movimentos, mesmo sem conhecer as consequências, as quais poderiam ser, uma queda violenta, um acidente com o fogo, um tropeço num móvel ou um choque com algum animal de estimação. A mãe de Felipe se chamava Zulmira, mulher branca bonita, encorpada, sua inteligência e seu talento galgava o ápice da capacidade humana. Tudo a serviço do cuidado, do amparo, da proteção que dedicava a Felipe, seu filho, a quem os olhos do amor via como um cristal raro que Deus deu a ela o privilégio de conceber. Mulher alta, cabelos negros e longos, olhos castanhos e claros. Tinha uma presença física marcante com gestual firme silhueta bem definida, exalava uma fragrância sutil e natural das ervas que costumava usar no preparo dos seus banhos e esbanjava carinho, suavidade e aconchego no toque, no trato e na interação da convivência cotidiana. Nos momentos de pausa das atividades domesticas, sentava-se com Felipe no colo e enquanto o acariciava cantava canções de roda e cantigas tradicionais folclóricas, para embalar os sonhos do seu tesouro. Um exemplo das canções cantadas de forma magistral por Zulmira nestes momentos mágicos, era a faixa do álbum de 1962 (os anjos cantam) com Nilo Amaro e Seus Cantores de Ébano, que tinha como título, “Leva eu saudade” cujos autores eram Tito Neto e Alventino Cavalcante.  A família de Felipe habitava num casarão com área construída correspondente a  14 ou 16 comados na fazenda Lizarda, propriedade do Sr. Manuel Ferreira dos Santos (Seu Donis) como era conhecido o pai de Felipe.
Homem rude, desprovido de qualquer nível de sensibilidade humana. Totalmente oposto a Zulmira, ele demonstrava agressividade no cenho, com gestos bruscos e surpreendentes. Quando rompia o silencio envolvente da sua presença, a voz inquietante fazia-se ouvir de forma multidirecional e todas as almas viventes onde quer que estivessem, despertavam os sentidos em alerta para decodificar com rapidez e precisão a mensagem que fluía sua intenção de punir a quem contrariasse sua vontade.
Felipe tinha mesmo medo daquele homem, que por saber ser o seu pai, queria camuflar o pavor que sentia por outro sentimento mais ameno quem sabe amor. Mas era incontrolável a consciência do prevalente medo constante de sua silhueta, sua voz e sua imponência.
Felipe sofreu a ausência total de carinho, proteção, cumplicidade e envolvimento paterno. Portanto, considera que seu pai pra ele não passa de um famigerado desconhecido, de quem apenas ouvia falar, sobre seus eventos e celebrações admiráveis.
As estórias de caçador, pescador, conquistador, valentias e sucessos pessoais e profissionais nos negócios e nas relações políticas e sociais, aguçavam a imaginação de quem ouvia induzindo seus expectadores a aplaudirem seus feitos, ainda que seus admiradores nutrissem seu ego, como forma de barganha por algum interesse oculto ou declarado, intimamente escarneciam de sua performance nas reuniões ocasionais sem a presença de seu interlocutor.
Certamente Seu Donis, após suas gaiatices noturnas, ia dormir satisfeito e locupletado de adrenalina que lhe serviam de combustível para elaboração de novas palestras dinâmicas e interativas sobre seu excêntrico universo repleto de burilamento.
Até os sete anos de idade a infância de Felipe teve como senário a fazenda Lisarda, localizada em Duas Barras do Morro do Chapéu estado da Bahia. A fazenda era uma ampla extensão de terra misteriosamente suprida de todos os recursos naturais possíveis e necessários para uma vida confortável de seres humanos e animais em todos os sentidos. Havia uma riqueza extraordinária na fauna e na flora regional que transcendia todos os limites de expectativa pessoal, comercial e produtiva.
Em meio a prosperidade de recursos ambientais como água e plantações diversificadas, Seu Donis ostentava sua paixão pela criação de gado bovino, caprino, ovino, equídeo, suíno e ovíparo. Os principais animais criados na fazenda recebiam nomes, pelos quais eram chamados e interagiam com as pessoas familiares a eles. A vida bucólica na fazenda Lisarda, lembrava de perto “O SITIO DO PICAPAU AMARELO” uma série de 23 volumes de fantasia, escrita pelo autor brasileiro Monteiro Lobato entre 1920 e 1947. A obra tem atravessado gerações e geralmente representa a literatura infantil do Brasil. A fazenda Lisarda era composta por um ambiente que parecia ser dotado de uma certa magia, fazendo com que o olhar das pessoas, ao se concentrar em qualquer que fosse o objeto, animal, planta ou pessoa, imediatamente detectava uma sensação de profundo significado de onde poderia emergir uma curiosa história.
Havia uma, entre várias lendas que circulava verbalmente entre os moradores e vizinhança da fazenda, que o tanque de águas que supria necessidades comuns de pessoas e animais, tinha o poder de atrair as pessoas para dentro dele, criando um envolvimento causado pelo poder de hipnose do tanque em relação as pessoas. Se alguém permitisse que essa experiência fosse adiante a partir do momento em que era identificada, provavelmente teria como desfecho o enlace das águas asfixiantes do tanque que por fim sufocaria a existência do ser humano que o desafiasse, provocando o desaparecimento físico completo da imprudente ou vulnerável presa humana do tanque. Não era recomendável fixar o olhar por mais de dez segundos para a cabeceira do tanque. Por outro lado, em épocas de seca temporária em que o tanque ficava parcialmente vazio, havia uma tristeza velada no semblante de todos que se beneficiavam do tanque até mesmos nos animais.
Mas quando o ciclo de precipitações chuvosas voltavam a normalidade, tudo se enchia de um colorido empolgante, inclusive próximo ao tanque se ouvia a sinfonia de sapos celebrando a temporada de abundância de águas, assim como os pássaros se regozijavam com a enorme variedade flores e frutas que naturalmente decoravam seu habitat.
Os animais se movimentavam de forma sincronizada e alternada em relação ao tanque, que parecia entender que protagonizava um espetáculo de sinergia que refestelam os ânimos trazendo equilíbrio a toda natureza. As pessoas também eram contagiadas pela áurea positiva a ponto de se deixarem flagrar cantarolando cantigas a caminho da fonte.

Adilson Ferreira dos Santos
Enviado por Adilson Ferreira dos Santos em 14/05/2017
Reeditado em 14/05/2017
Código do texto: T5999171
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Adilson Ferreira dos Santos). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Adilson Ferreira dos Santos
São Paulo - São Paulo - Brasil, 53 anos
29 textos (26872 leituras)
1 áudios (15 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/05/17 06:15)
Adilson Ferreira dos Santos