Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ufa, que alívio!

Corrupções, agressões, desrespeitos, catástrofes naturais, desequilíbrios...

Muitos companheiros de caminhada utilizam-se desses acontecimentos para falar que o mundo piora dia a dia e que o ser humano está mais insensível.

Colocam as lentes do pessimismo e como pássaros de mau agouro anunciam o final dos tempos.

 Todavia, A Doutrina Espírita nos explica diferente, nos informando de que o ser humano está  em constante evolução e que sua marcha a ascensão espiritual é inexorável.

Esperança e fé no futuro certamente não nos farão mal algum!

O amigo leitor já ouviu falar de William Morton (1.819 – 1.868)?

William Morton, nascido na cidade de Charlton, Estado de Massachussetts em 1.819, formou-se na faculdade de  cirurgia dental de Baltimore e em 1.842 começou a trabalhar como dentista sendo o principal responsável pela introdução do uso das anestesias nas cirurgias.
 
Até então, os pacientes que permaneciam acordados durante processos cirúrgicos contemplavam um espetáculo de horror ao ver os médicos serrando seus ossos.
Imagine  amigo leitor,  como fazer uma delicada operação para retirada de um  tumor com o paciente sentindo dores atrozes?

E extrair um dente então?

Realmente pavoroso e doloroso!

Morton tomou conhecimento das propriedades anestésicas do éter e passou a testá-las, primeiro em animais, depois nele próprio.

A grande chance surgiu em 30 de Setembro de 1.846  quando um paciente com fortes dores de dente adentrou o consultório de Morton e declarou-se disposto a qualquer coisa para que a dor diminuísse.

Morton administrou-lhe éter e extraiu-lhe o dente, o paciente ao voltar a si relatou não haver sentido dor.

Morton não atuou sozinho, tendo contado com o auxílio de vários médicos e cientistas que também conheciam as propriedades “mágicas” do éter, todavia, destacar seu nome como o principal introdutor da anestesia nas cirurgias  é justo pela sua perseverança e coragem de empregar um árduo trabalho e seu próprio nome  em prol do progresso humano.

 De quando em quando, pousam em nosso planeta vanguardeiros do bem que espalham bem aventuranças a toda humanidade.

Por isso, não podemos perder a fé na vida e nas pessoas!


Em realidade, estamos progredindo dia a dia, temos muito mais  motivos para agradecer do que para reclamar.

E hoje,150 anos após o pioneirismo de Morton,   gozamos todos dessa prodigiosa benção que é a  Anestesia transformando  em indolor qualquer processo cirúrgico, possibilitando a medicina salvar vidas e trazer-nos uma melhor qualidade de vida!

Ufa, que alívio!
Wellington Balbo
Enviado por Wellington Balbo em 05/01/2006
Código do texto: T94681
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wellington Balbo
Bauru - São Paulo - Brasil, 41 anos
364 textos (104062 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:10)
Wellington Balbo