Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PARA UM ADORÁVEL LOUCO

Meu louco adorável,

Tenho recebido seus convites para espetáculos e eventos que divulgo. Pena que a minha agenda está sempre congestionada e não posso atender seus desejos. Você demonstra uma “quedinha” por mim e isso é uma massagem no meu ego: tenho ainda o meu sex appeal! Não vá, com isso, criando idéias de que eu tenho a intenção de lhe tirar do hospício, onde você diz estar. Não e não, meu prezado. Você acha que vou lhe negar a boa vida, onde deve ter de tudo do bom e do melhor, inclusive um micro on line, além de tempo suficiente para papear com deus e o mundo? Não vou impedir um bem-estar desse para uma pessoa amiga que me quer tanto bem. Ainda mais, fico a pensar, considero os ótimos bocados que você passa com o seu negão que, como você mesmo afirma, sempre lhe pega de jeito e o deixa todo quebrado no dia seguinte. Vejo-o feliz da vida como uma leve borboleta a saracotear em flores coloridas e perfumadas sem se preocupar com o amanhã. Não, amigo. Do hospício não lhe tiro nunca! Talvez uma visitinha de vez em quando, quando o tempo me permitir. Mas hoje tive uma idéia e lhe pergunto: você gostaria da companhia da minha ex-mulher? Ela é muito legal: alta, forte, decidida, boa de papo e outras coisas, dedicada, boa companhia e muito compreensiva — uma pessoa adorável! Tenho ainda verdadeira loucura por ela. Sei que ela não tem muito tempo também, porque se vira em três empregos para poder me sustentar, mas ela é danada: sempre arruma tempo para fazer as coisas. Imagine que ela dirige um caminhão de entregas ainda de madrugada, depois se veste com o mais fino tailler para tocar o seu escritório internacional, onde faz rios de dinheiro nas moedas mais fortes do mundo, mais tarde se entrega às obras de caridade e assistência social, onde também consegue levantar muita grana e regalias. Ela é fiel devota de São Francisco de Assis. Parece até que traz escrito na testa a sentença básica: é dando que se recebe. Quanto mais ela dá, ela recebe e divide com os outros. Para citar um exemplo, ela veio me visitar no Natal. Trouxe-me uma geladeira nova, um sofá de couro cru lindíssimo, cuecas de seda pura, colônias francesas, castanhas do Oriente Médio, livros de poesias dos meus autores preferidos e uma compoteira de cristal para eu colocar as minhas frutas secas dos trópicos. Nesse vai-e-vem em torno de mim, não é que ela ainda teve tempo de me entregar um envelope contendo dez mil dólares! Cédulas novinhas, estalando, mostrando a cara do careca Franklin, com um olhar debochado de como quem diz: eu ainda tenho valor. Mal tive tempo de agradecer-lhe os presentes natalinos, vi adentrar pela minha varanda um belo jovem loiro trajando somente botas, cuecas e chapéu de texano, apesar do frio intenso que ronda essas paragens. Desta vez fiquei confuso e não pude conter a curiosidade. Ela, como sempre direta e sem rodeios, foi logo me explicando que achou tudo isso na esquina, inclusive o jovem louro. Não é tentadora a minha oferta? Mande-me o endereço do hospício onde você se encontra que eu vou pedir para minha ex-mulher lhe visitar.

Tenha um maravilhoso 2006 com muito humor.

Abraços cordiais
F.

Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 22/01/2006
Reeditado em 22/01/2006
Código do texto: T102190
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1467 textos (154771 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:23)
Fernando Tanajura