Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTAS DA GUERRA Nº 4 - PARTE INTEGRANTE DO ROTEIRO DE FÚRIA E REDENÇÃO

Benjamim,

Perdi a noção do tempo, já não coloco data nas cartas porque não sei me situar no tempo. Perdi também a noção do que é certo ou errado, perdi as emoções. Meu espírito está angustiado, reajo como um animal. Assim como os demais, só conto com meus instintos mais primitivos buscando neles a esperança de continuar vivo. É só o que impor-ta, sobreviver.

Essa é uma longa carta, a maior de todas. Os fatos que vou narrar me voltam à mente como um caleidoscópio, movimentos e pensamentos num cenário de horror.Recebemos ordens para combater, numa manhã que não me lembro o dia. Quando nossas tropas defrontavam Monte Castelo, os alemães contra atacaram e expulsaram os americanos de Monte Belvedere, que fica na mesma região, e comenta-se que fizeram muitos prisioneiros. Com esse ataque o nosso flanco esquerdo corria perigo. Deslocamo-nos por um terreno escarpado e escorregadio, pois choveu quase a noite toda. O barulho da artilharia inimiga nos fere os ouvidos. Francisco treme a cada disparo dos canhões germânicos.

Depois das sete da manhã, os batalhões ultrapassaram a base de partida. Fomos colhidos logo pela barragem dos morteiros inimigos, colamos ao chão. Não passou meia hora e a 4º Companhia foi hostilizada pelos fogos das metralhadoras alemãs, ficaram retidos na baixada.Nosso comandante, vendo a difícil situação do outro batalhão, pôs em ação a reserva de ataque, soldados descansados e bem alimentados, se é que se pode chamar aquela ração de animal de alimento. De onde estávamos, vimos de olhos esbugalhados, o batalhao I/lº R.I. transpor a primeira zona da barragem inimiga e se lançar para a parte mais alta do morro, buscando tomar as posições alemãs. Alguns soldados conseguiram se aproximar da encosta, mas não os vimos voltar. A resposta foi brutal e instantânea, e eles abriram fogo contra nosso batalhão, que foi obrigado a recuar. Não tivemos nem como recolher nossos mortos, ficaram caídos, ensanguentados no topo do morro. Vimos, impotentes, a face da morte, da morte mais horrenda. Tre-mi, meu coração disparou, agarrei meu fuzil com mais força, numa tentativa inútil de lhes mandar minha energia, meu ódio. Francisco vomitou.

Às três horas da tarde, já escurecia e a neve ameaçava cair. O  General deu a operação por encerrada, ordenando que os batalhões voltassem à posição de partida. Voltamos cansados e famintos, mas em completa ordem, marchando valentemente apesar do fogo inimigo estourar nos nossos ouvidos. O lº  batalhão de saúde passou por nós, tentando recolher os feridos, enfermeiros com suas padiolas que logo voltariam ensanguentados, carregadas de gritos de dor e desespero, companheiros com as pernas arrancadas e olhos irados. Mas os mortos ficaram lá. Vi também alemães feridos, gritando por socorro, mãos se levantando no solo, colorindo a neve com o rubro do seu sangue. A dor é igual em qualquer homem, alemão ou não. Fomos derrotados nessa primeira batalha porque agimos de modo isolado, precisamos atacar juntos toda a região de Monte Castelo  e cercá-los lá.

Quando puder, volto a escrever.

Rafael.

OBS: Parte integrante do roteiro "Fúria e Redenção", escrito por José Donizetti Morbidelli, uma adaptação da obra homônima de Ditinha Lima.

COPYRIGHT © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Para a aquisição desse texto para fins de qualquer natureza – inclusive para reprodução, trabalhos profissionais ou acadêmicos –, favor entrar em contato pelo e-mail jdmorbidelli@estadao.com.br.

Agradeço se puder deixar um comentário.

JDM
José Donizetti Morbidelli
Enviado por José Donizetti Morbidelli em 21/02/2006
Reeditado em 30/10/2009
Código do texto: T114530
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Donizetti Morbidelli
São Paulo - São Paulo - Brasil
218 textos (621713 leituras)
24 e-livros (1368 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 13:04)
José Donizetti Morbidelli