Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soldado

Pequena parte do texto retirada de outro texto com autor desconhecido.

Imensa formação de brancas cruzes,
Desfile mortuário de fantasmas,
Exótico mercado de miasmas,
Exposição de ossadas e de urzes…

Calado e mudo queda-se o canhão,
Apenas trevas cobrem a amplidão,
Que outrora foi um campo batalha…
Calada e muda queda-se a metralha,
É morta na garganta a voz do obus,
O sabre traiçoeiro não reluz
Dilacerando, ensangüentado a terra…
A paz voltou, é terminada a guerra.

Os heróis tombaram das alturas,
Os covardes e os bravos olvidados,
Seus feitos aos livros relegados,
Nada mais resta, apenas sepulturas.

E eu? Quem sou? Perguntam eu quem sou?
Pois bem, eu lhes direi: sou um soldado,
Igual a qualquer outro
que avançou, combateu, foi derrubado.

Cruzes iguais… Terrivelmente iguais…
Exército que cresce mais e mais,
No festim diabólico da morte.
Aqui jaz o covarde. Ali o forte.
Aqui dorme um estranho. Ali estou eu…
Mas ninguém sabe como ele morreu…
Não se lembram do campo de batalha,
Nunca ouviram o riso da metralha…
Não sentiram tremer o corpo inteiro
Ante o rugido brutal de um morteiro…
Não viram a cor dos olhos do inimigo.
Não sentiram o medo do perigo,
Que vos faz desejar a morte breve.
Nunca sonharam. Nunca, nem de leve.

Mas…

Nem todos se esqueceram do soldado
Que está longe, bem longe, sepultado…

Mamãe, minha boa mãe, se tu soubesses
Que tua imagem adornei com flores,
Que tuas flores foram minhas preces,
Preces colhidas no jardim das dores…

Minha querida mãe, se te contasse
O medo que senti sem teu carinho,
Um medo horrível de morrer sozinho.
Medo mesmo que o medo me matasse…
Mas deixei meu abrigo e avancei
Julgando ver a morte a cada passo
Ao ouvir o sibilar de um estilhaço…
Parei… Pensei em ti… Continuei…

Minha querida mãe se te dissesse
Que quando derrubou-me uma granada
Atirando-me na terra enlameada,
Foi por ti que chamei desesperado.
Por um momento deixei de ser soldado
E fui novamente uma criança
Sentindo na morte a esperança
De ainda adormecer no teu regaço.
Mamãe. Matou-me um estilhaço…

Minha querida noiva, por que choras?
Relembras por certo as boas horas
Que passamos juntos. Só nós dois…
Íamos casar. Lembra-te ? E depois…
E depois uma casa retirada.
Cortinas nas janelas enfeitadas,
Tu me esperando… eu vindo do quartel…
A nossa casa um pequenino céu,
Aberto a vinda de um herdeiro…

Meu sonho, meu sonho derradeiro,
Foi de beijar-te antes de morrer.
Mas ao golpe frio da granada,
Beijei apenas a terra ensangüentada.

Mamãe, minha noiva, aqui se encerra
Uma história de sangue, esta é a guerra.
Não chorem. Tudo é terminado
Rápido como coisa de soldado…

Mas mamãe…

Se novamente a pobre humanidade
Mais uma vez em busca da verdade
Rufar seus tambores sobre a Terra
Anunciando mais sangue e outra guerra,
Se outro filho a Pátria te exigir,
Sem lágrimas mamãe, deixe-o ir…
Embora te destrua o coração,
Ainda que te alquebre a agonia
Deixe-o ir sem , sem rancor
Fazendo-o dele, mamãe teu amor.
Assim como pensei em ti
ao ver a morte ,eu a senti
Senti como um soldado
Que deixou de ser soldado
para voltar a ser criança.
Reviver a juventude
Mas,agora mamãe só vejo a matança.

Mas mamãe seja forte
Assim como fui no campo
Avancei , lutei , desejei
Desejei ver teus olhos outra vez
Outra vez?Lembro-me
Lembro-me de você na varanda
Estou revivendo uma lembrança
Bela lembrança que me foi uma esperança
De sair dessa matança , e ir para a varanda
Lembrando uma lembrança
Que não me tenho mais
Que não me pertence mais.
Agora morro na ansiedade
Assim e sempre.
Pietro De Nadai
Enviado por Pietro De Nadai em 30/06/2006
Reeditado em 04/07/2006
Código do texto: T185029
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pietro De Nadai
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 22 anos
8 textos (1048 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:18)
Pietro De Nadai