Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavras que não foram ditas para minha Amiga Daisy

São precisamente 0:25min. do dia 20/06/1992 e justo agora me deu uma vontade louca de escrever para você. Não sou poeta, muito menos escritora mas só em pensar que você vai nos deixar... fico pensando "algo" diferente. E sinto essa vontade de colocar no papel. Não sei o que é, não sei explicar... mas alguma coisa existe que nos "atraiu". Tudo começou como uma historinha (essa historinha tem h por que é verdadeira lá na Marechal Câmara. Eu só sei dizer que gostava quando você chegava, porque gostava (de novo!!!) de conversar, de ver como você era, achava você o maior barato. E assim fomos seguindo... Até aparecer a tal "Auditoria"... Eu não tinha sido escalada, mas no final entrei na "dança" no Hospital do Centro do Rio. E você no Hospital de Jacarepaguá. E foi aí que nossos caminhos se cruzaram de novo. Você me chamando para o Hospital que vc estava. Eu ria sozinha. Por incrivel que pareça, quando "aqueles Auditores" reunidos na mesa de Reunião do Hospital, comentavam que a pessoa que chefiava a Auditoria do Hospital de Jacarepaguá, pedia a minha ida para lá, e ficavam indagando se me liberavam ou não. Eu não entendia muito o seu interesse por mim, apesar de saber e de sentir que precisava de uma auxiliar. Mais uma vez, eu queria estar lá ao seu lado. Ao mesmo tempo, nossa situação funcional era crítica, por isso optei em ficar na seção da Marechal Câmara, assim que a Auditoria do Hospital acabou, para ver o que se resolvia. Quando finalmente decidi... fui transferida para um grande Hospital de referência da zona norte. Fiquei triste em saber que talvez você ficaria na Auditoria(Regional) e eu no Hospital. Qual a minha surpresa e alegria quando você se decidiu ir também para o Hospital. Não posso definir, nem explicar, o que senti, só sei que ganhei com a sua vinda para cá. Ganhei a sua presença perto de mim, ganhei muito mais a sua amizade, que tenho absoluta certeza que também é recíproca. Tanto é recíproca, que causa inveja a muita gente, causa despeito, e talvez as pessoas não alcançem o grande elo que existe entre a gente. (Cá pra nós: eu também quero descobrir!).
Quando você me chamou pela 2ª vez:agora já no Hospital na Comissão de Inquérito, eu queria ir... mas o trabalho não me atraia nem um pouco. Pela 3ª e última vez, eu não tive como recusar. Aí já foi a chefe "LIA" que não queria me libertar (Isso mesmo!. Eu só sei que naquela tarde, na fila do refeitório, com a minha "CARTA DE ALFORRIA" na mão, que na verdade era a "FOLHA DE PONTO", fiquei  FELICÍSSIMA. E pela 1ª vez você me deu um ABRAÇO. (Coisa rara você dar, já percebeu!!!) Foi uma batalha que nós duas ganhamos. Você pela insistência de me chamar e pedir que me liberasse para trabalhar na AIH (agora outro setor do Hospital). Tanto insistiu que ganhou. Hoje o meu maior prêmio foi ter ganho a sua amizade com muito mais intensidade. E é isso que incomoda as pessoas. Tanto incomoda que fizeram de tudo para nos separar. Talvez eu não tenha tido a garra, a coragem, a insistência que você teve.As vezes eu me sinto um pouco culpada por isso. E fico pensando... se tivesse dito um NÂO bem determinante há uns 2 meses atrás, talvez o medo de perder você não estaria me atormentando. Se eu ... ora bolas... se... se... se começo a pensar não termino. SE eu não tivesse saído da AIH (para ir trabalhar no Gabinete do Diretor). Se  eu fizesse um pouco de esforço. Se... se... o que eu quero dizer é que talvez você não estivesse saindo agora, é isso. Pronto. Falei! Talvez eu esteja sendo um pouco pretenciosa... mais a nossa amizade, que esse ELO que existe, essa vontade de falar com você, de estar com você, me deixa ser pretenciosa, e até me orgulho de ter ganho a sua amizade. Agora fico numa insegurança danada, ao pensar que a partir do dia 1º eu não vou te ver com tanta frequencia. Talvez você diga que vem sempre ao Hospital, mas isso é só no início, depois você esquece da gente, e só passa a lembrar da sua amiga LETÍCIA. Talvez seja um pouco de ciúmes sim, porque ela vai ganhar o seu maior tempo, enquanto que hoje trabalhando esse tempo é nosso. E vamos perdê-la. Agora eu vendo você pelo seu lado, eu lhe dou os parabéns, por ter conseguido chegar onde chegou. Faço votos que o FELIPE e o MATEUS aproveitem bem o tempo da "vovó", mas sempre deixando um "espaço" no seu coração  para mim, Marcy e o Carlos, porque nós te gostamos muuuito. Garanto que nossos corações estarão sempre voltados para você. E que particularmente você entrou no meu e não pode de jeito nenhum sair. De gosto demais. Por isso DETERMINO que você aproveite bastante o seu tempo.E que seja muito feliz! Da amiga de sempre.

(Se eu não escrevi o que gostaria de ler, me perdoe. O sono já está me pegando. São 1:36 hs. Bom dia para você)


23/07/2006
Soneca
Enviado por Soneca em 24/07/2006
Reeditado em 27/07/2006
Código do texto: T200496
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Soneca
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
8 textos (1152 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:03)