Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

tu, solidão (1)

Hoje és companhia, mas sabes também como ser cruel. E a maior crueldade é quando me acordas, arrepiado de medo, acariciando-me o corpo com unhas afiadas. É de noite, quando me sufocas e obrigas a iluminar o quarto para confirmar que continuas a única presença. É quando me segues pela casa e engoles o som dos meus passos, do ranger das portas e dos interruptores que acendo e apago à minha passagem. O teu silêncio. A maior crueldade é o teu silêncio. Manténs-te secreta, caminhas num total mutismo e, como a sombra, a tua aparição é sempre silente, sempre taciturna. A tua aparição, o teu espectro e o teu silêncio. Torturantes e sanguinários. Sentir-te roubar o som de todas as vozes, é odiar todas as palavras que te definem. Saber que afogas o murmúrio de um beijo e, como a noite, o cantar de todos os pássaros, é odiar todas as palavras que te definem. Ou talvez o teu peso. Talvez a maior crueldade seja o teu peso e a forma como esmagas o meu corpo. A forma como reduzes as dimensões do meu corpo. O meu crânio a poucos centímetros dos meus pés. Por causa do teu peso, o meu crânio sobre os meus pés. O teu peso é cruel. Sanguinolento. Também o teu frio. Esse que gela as noites.  Esse que sempre gelou o Verão. O gelo no teu corpo é a mais bárbara das tuas formas. Mesmo quando sangrenta, nem a morte é tão tirana.

(continua)

Luís Abreu
http://luisabreu.resolucaoinfinita.com
Luís Abreu
Enviado por Luís Abreu em 17/08/2006
Código do texto: T218963
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís Abreu
Portugal, 43 anos
19 textos (502 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:14)
Luís Abreu