Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

tu, solidão (3)

Oferecemo-nos tudo o que tínhamos. Demasiado depressa, ofeceremo-nos tudo o que tínhamos. Sempre e só para ti, nesse Verão, nasci e ofereci-te tudo o que tinha. Sempre tudo para ti, nascer todos os dias e oferecer-te o resto da minha vida. Só isso importava. Odiámos, amámos, tivemos medo. E isso é a vida toda que se pode ter. É a vida toda que se pode querer. Mas o Verão estava para acabar e as noites eram-nos cada vez mais curtas. O sol estava cada vez mais branco e já quase não havia o nevoeiro a crescer no pinhal e a embrulhar-nos naquele manto lento de muitos cheiros e muitas cores. Voltaram a crescer sombras pesadas sobre a nossa voz. Estive lá o mês passado. Ainda lá estão todas as sombras.
Luís Abreu
Enviado por Luís Abreu em 23/08/2006
Código do texto: T223670
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís Abreu
Portugal, 43 anos
19 textos (502 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:20)
Luís Abreu