Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Momento errado

Ás 2:38 o telefone tocou, acordei com o coração a mil. Era do hospita, renato acabara de sofrer um acidente... Saí correndo e peguei um táxi, pensei que fosse ter um infarto, de tão angústiada que estava...
Assim que cheguei lá, já fui perguntando onde ele estava, mas não pude vê-lo, pois fazia uma cirurgia no pulmão, que foi perfurado pelas ferragens do carro. Então o médico me peguntou, um pouco sem jeito, se eu conhecia a mulher que estava com ele... Nesse momento caí na real, o que o Renato fazia em uma quinta-feira, de madrugada, com uma mulher em seu carro? A resposta já havia chegado antes da pergunta, mesmo assim quis ver a tal mulher... Não me lembrei do seu rosto, a princípio, talvez por estar cheio de hematomas...
Pedi, pacientemente, que me contasse o que havia aconteceido, ela tentou disfarçar, e em tom menos amistoso, exigi que me contasse a verdade, mesmo sabendo que doeria... Ali fiquei sabendo do que nunca desconfiara, a meses eu dividia Renato com aquela mulher...
Quando ela terminou, tive vontade de continuar o que acidente começara, quis gritar, xingar, mas mal consegui respirar... Pedi licança e me retirei da sala, na hora em que fechei a porta, lembrei daquela mulher. Eles eram colegas de trabalho, certa vez, fui fazer uma surpresa para ele, e então o vi saindo com ela, nem liguei, afinal, fazia tempo que Renato e eu não nos víamos, e a única coisa que pensava era em abraçá-lo e beijá-lo. Como fui idiota, devia ter desconfiado da cara de sem graça, que ambos, fizeram, quando fomos apresentadas... Agora, isso já não importa mais...
No tempo em que fiquei esperando notícias do Renato, meu pensamento vôou longe, fiquei muito confusa. Porquê ele fez isso comigo? Nós estavamos tão bem... Mas aquilo não ia ficar daquele jeito, só estava esperando ele acordar para ir tirar satisafação!
Então o médico veio, agora sim o Renato ia ver!
"COMO ASSIM ELE MORREU?"
Como ele morreria, sem antes eu ao menos falar umas poucas e boas para ele? O mínimo que ele devia fazer era ouvir tudo o que eu tinha para dizer...
PERAÍ! O RENATO MORREU!!!
Na hora em que vi o caixão sendo coberto por terra, não soube bem qual sentimento estava se manifestando naquela hora... A pessoa que mais amei, estava me deixando, para sempre. O pior, é que deixava comigo toda raiva, desespero, angústia e... Amor... Apesar de tudo, eu ainda o amava, como sempre amei.
Enquanto estava indo para casa, me perguntava, com quem eu iria conversar, quem iria me abraçar, me consolar, cuidar de mim? Bateu o desespero!
Renato me deixara no momento em que eu mais precisara dele...
Gimadureira
Enviado por Gimadureira em 06/09/2006
Código do texto: T234236
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gimadureira
Embu - São Paulo - Brasil, 29 anos
9 textos (305 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 16:09)