Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

11 - canto de canteiro

Acordo, com a naturalidade de quem abre os olhos.
Antes de adormecer, ainda abri o email (correio electrónico), vi que tinha vários emails.
Alguns, mesmo sem os abrir, dizem-me ter sido lido.
Apetece-me pois passar o que escrevi...
.
O
Que
tinha
escrito
passou (não me apetece passar)...
Ontem ainda escrevi, para hoje escrever:
«
Cá deixo o que ontem escrevi e só hoje publico, tornando público o que de intimo há com a realidade: a escrita é sempre o n_osso tempo!...
»
Depois procurei a minha poesia, escrevi e dormi.

CANTO DE CANTEIRO

I
um poema é uma construção
por palavras duma arte
nascida dos e para os versos

aqui se procura a poesia
na demanda de ser música
o canto nascido num silêncio

II
os poemas tornaram-se
esta escrita duma voz muda
saindo da Rosa como perfume

actividade simbólica esta
onde o poeta descobre a pedra
para como canteiro trabalhar

III
desencantando à mão
um labor de martelo e escopro
onde talha cada detalhe

sem pensar numa escultura
quando trabalha a forma
procurando-lhe... uma figura

IV
aqui não quero ser artista
procuro a arte de ar_tesão
apenas com um puro prazer

de fazer nascer a forma
sem procurar pela Beleza
para lá de tangível perfeição

V
ver versos cortados
com formas muito simples
em linhas bem definidas

fazer o meu trabalho
como um canteiro aplicado
onde a arte é trabalho

VI
homenagem a uma arte
que hoje se perde com uso
de máquina eléctricas

quero pureza de intenções
onde a arte mais simples
é vibrante a cada golpe!

Não me querendo esquecer da "narrativa erótica" deixo uma imagem de sonho: uns seios a emergir na "corrente da consciência" do narradoR...
Mais logo, irei ao email e tentarei cor_responder. Vou dizer porque ontem nem tentei abrir mais nenhum:
abri o último e respondi «Uma Boa Semana/ Bjs/ F», abri o primeiro, de antes do fim-de-semana e cor_respondi... deixo-o aqui:

04/11/2006 20:47 - Jotabe
Sem nenhum rancor, passei uma esponja em tudo isso. Só atiro pedras
para afastar o cão que quiser me morder. Boa noite, Francisco.

Caro Jotabe, o que quero responder ao ler em email o teu comentário, é um agradecimento cujo meu desejo será tornar público onde deixei anterior comentário: também eu quero passar esponja... Desejo em teus escritos sempre muita poesia, em Poesia ou Prosa!
Uma Boa Semana!!

Depois escrevi o "canto de canteiro", publico-o com o público desejo de
Uma Boa Semana!
Recantuais Saudações!!

{Interrogo-me, devo aumentar o ritmo desta narrativa?
Como não tenho uma resposta que diga "minha" (teria de ser sentida "nua"...) espero pela "sua", 'se' a fizer soar...
Só logo à tarde procurarei tempo para abril emails, quem sabe já encontro alguma "dica"; diga o que quiser quem quiser dizer alguma coisa, alguma coisa me dirá coisa nenhuma ser dita. Entretanto:
http://www.recantodasletras.com.br/mensagens/278543}
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 06/11/2006
Reeditado em 06/11/2006
Código do texto: T283481
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310492 leituras)
37 áudios (39566 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:21)
Francisco Coimbra