Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTA PARA UM SENTIMENTO MAIOR

Com música:
http://www.pauloizael.com/visualizar.php?idt=28659


Não consigo entender porque nos ocorrem, circunstâncias na vida que nos produzem emoções arrebatadoras de uma maneira tão violenta que às vezes são certamente fatais à nossa sensibilidade de reles mortais à mercê de uma repentina flechada de amor.
Um mero olhar, um aperto de mão ou mesmo a leveza de um toque de um dedo na face, é o suficiente para se brotar um sentimento maior que sempre resulta numa ternura carinhosa.
Desejar uma paixão proibida é como nascer novamente; é viver perigosamente cada segundo do dia e da noite, é paralisar o trabalho; limitar a inteligência e perder o interesse por tudo. Amar é adormecer sonhando em ser feliz e acordar com o pensamento fixo e direcionado para a pessoa amada.
Uma paixão só é proibida quando não é convencional. Neste caminho florido, existem certos desenganos que nos fazem estremecer de espanto e aflição; alegria e paixão. No entanto é cabível dizer que o amor é tão imprescindível quando o ar que respiramos. Viver é amar; é fluir ondas positivas numa energia verdadeira e pura. Às vezes um insucesso amoroso não justifica um sacrifício tão enorme a ponto de se viver toda a existência mergulhada na solidão; sempre a caça de remoer pensamentos indesejáveis.
O verdadeiro amor raramente acontece em nossas vidas. Às vezes nós nos confundimos em pensamentos e chegamos a odiar temporariamente a pessoa que sempre desejamos como companheira. Em contrapartida, nunca devemos pensar que o amor é mensageiro de tristezas e decepções. O real sentimento que chamamos de amor, no trás sempre a alegria do bem estar e crença na felicidade. O ciúme doentio reflete insegurança que deve ser administrada com o ato de se dar valor, gostar de si mesmo e não depender do ar que a pessoa amada respira. Ser escravo de uma paixão é o destino dos fracos de pensamento; medíocres seres desprovidos de autodeterminação. Sobre o tema ainda escreverei um milhão de poesias. Mesmo que para tão largo intento, não seja breve a vida, nem tão curto o talento.



www.pauloizael.com

Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 28/06/2005
Reeditado em 30/03/2013
Código do texto: T28659
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Izael (www.pauloizael.com.br)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27424 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:46)
Paulo Izael

Site do Escritor