Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

13 - "sono pesado"

Sabem o que é "dormir com sono pesado?", claro que sabem. Quando não sabem inventam, a leitura dá, ensina, cria coisas fabulosas. Sem a leitura as fábulas não existiriam, pRonto. 
(quando souber qual é a ligação que quero, sei mas não sei..., eu ligo :)
... 
Se quiser seguir o endereço ou ligação, não precisa ter pRessa, R continua preso. Acordei de sono pResado... estou pesado, vou ver se fico mais leve: tomar um duche, para espantar o sono de vez.
Sabem o que é um "encantador de serpentes"?, claro que sabem. Sigam a leitura, deixem-se encantar pelo movimento da flauta, seguindo a escrita. Transcrevo:

«Prezado Francisco. Gostei muito das suas "crônicas" criadas a partir do meu livro "Crônicas do amanhecer", nas quais você expressa suas opiniões com base em cada
crônica minha, passo a passo. Essa informalidade é que torna sua análise crítica original. Mesmo porque eu não conhecia ninguém que escrevesse sobre um livro assim, capítulo por capítulo, caprichando nos detalhes...
Sobre a necessidade, sugerida por você, de divulgar o que os autores acham sobre o meu livro no Blog da nossa Oficina Literária, discordo. Pois estamos com problemas de espaço em nosso blog que é utilizado apenas para os exercícios de análises críticas de textos que circulam em nossa Lista de Discussão, e são vários autores, ávidos de críticas e resenhas.
Porém, todas as críticas aos meus escritos particulares estão em exposição em meu blog particular, onde suas crônicas, Francisco Lindo, já estão em exposição, mesmo à sua revelia! 

http://maria-limeira.zip.net 

Achei também muito interessante você interagir com a nossa Oficina Literária, mesmo sem fazer parte dela, formalmente, apesar de já ter sido convidado mais de uma vez.
Um abraço, um cheiro, e muitos "jinhos", como diz a Ana Maria Costa. Obrigada. Bem-haja! E Saludos! Maria José Limeira.»

Raios... se como nar_Ra_dor sou um personagem, o autor é outro personagem... Francisco. Francisco recebeu um email publicado público, eu publico e comento. Um momento...
Sim, era o telefone, deus disse-me adeus e deixou-me por minha conta neste conto, para caprichar (o) ponto!
Não precisava ter 'se' dado ao incómodo, mas é sempre um modo bom de deixar um a_teu calmo com a alma a conduzir-lhe a escrita ser_ena: nem exuberante (exubeRante), nem eu_fó__ica, nem...
Cá vamos seR autor: 

Não andei nem perto dum enunciado semelhante: «Sobre a necessidade, sugerida por você, de divulgar o que os autores acham sobre o meu livro no Blog da nossa Oficina Literária».
Essa ideia não me passaria pela cabeça, a que me passou e passa é simples, leia e medite, estamos aqui (é ler e reler):
... (ainda não estamos, mas será a próxima crónica do autor...)
Eu sei que queriam seguir a ligação, não, conti_nu_e...
O que escrevi foi diferente: «Sabes o que sugeria para a Oficina Literária?, [http://oficina-blog.zip.net/] o convite a cada autor para ser o primeiro a descascar nu s_eu texto»
Completamente diferente, não é?

{A leitura, por sua vez, ainda é mais diferente: você, caro leitor/a, adivinha as uvas e faz o vinho e - bebe-o e bebe-o - , com moderação ou excesso, a mim cabe-me moderar a acção deixando a Mim em Paz: em La Paz?, onde queira.
Continuem a visitar os deuses www.olhares.com com de_lí_cia e bom proveito!
Claro, continuem por aqui...
http://www.recantodasletras.com.br/mensagens/278543}
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 10/11/2006
Reeditado em 17/11/2006
Código do texto: T287516
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310494 leituras)
37 áudios (39566 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:16)
Francisco Coimbra