Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pecado!?

Perdoem-me se fui fraco, inconseqüente ou desprovido de fé. Deixei a fraqueza governar-me, dirigir-me e dela me apropriei para não gozar da realidade dura, cruel, amarga. Perdoem-me mais uma vez pelos meus atos inconseqüentes, impensados. Digo-vos que não foram voluntários, achei que não machucariam a vocês. Deixei-me estes dois atos tão humanos. Vis, possuírem-me. Recusei-me lutar, justamente quando me desprovi da fé, que tanto busquei e que me fugia a cada encontro.
Juro-te que tentei não ser fraco, inconseqüente ou desprovido de fé. Busquei também te achar, mas não vir-te. Olhei para todos os lados ao instante em que minha vida fé enganou-me. Não quis encarar o que os anos mais tarde me pediriam, cobrariam.  Fui claramente fraco, diante de algo tão simples. Deixei-me guiar pelos meus instintos, juro que tentei controla-los, mas fui vencido pela minha condição humana. Pois, enfraquecido pela minha falta de fé a minha pequena condição divina sucumbiu no abismo da fraqueza.
Tentei voltar a mim, aquele meu estado primeiro, confiante racional. Mas algo dentro de mim já crescia tomando conta do meu ser, inferiorizando-me perante o meu reflexo, já não me enxergava como no passado.  A minha realidade hoje é amarga, fria, sombria, melancólica, estática.
Contínuo buscando-te. Deveras encontraste e deixei fugir ou espantei, não sei bem ao certo. Poderia ter me encontrado num momento de loucura, hoje tão comum. Porém guardo certos momentos em que era feliz, sensato, lúcido. Meu lado sombrio despertou e estou a lutar para que ele não me governe. Estou sempre a sufoca-lo, amordaça-lo. Sinto-me tão solitário.
Recuperei-me tão logo soube que vieste ao meu encontro, quando soube que quiseste me ver. Reergui-me dos meus destroços, fortaleci-me com os meus tombos. Equilibrei minha sensatez com os meus devaneios. Reedifiquei a minha fé tão ausente.perdoem-me por ser humano.
Rogevanio Alves Santana
Enviado por Rogevanio Alves Santana em 12/07/2005
Código do texto: T33479
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rogevanio Alves Santana
Aracaju - Sergipe - Brasil, 37 anos
67 textos (3454 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:21)
Rogevanio Alves Santana