Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AMOR EM MEIO TERMO

Nem onze e meia quando você chegou. Embora cansado, alegre e disposto. Tomamos um lanche: pastel assado com cerveja, um brigadeiro (tamanho família). Um banho e nos deitamos. A TV ligada, falando sozinha... Conversamos muito, muito mesmo. Vinte anos distantes é muito tempo... Coisas pra perguntar, contar, ouvir, botar em dia. Você insiste, quer ficar perto, diz que não tem pressa, mas me parece o contrário, me parece tão desanimado. Eu mais ouvindo, falei muito pouco, as minhas respostas você já conhece.

Foi bom – não foi? – o nosso amor. Você suprindo meu pouco entusiasmo. Depois quis dormir e me pediu licença... Sempre tão delicado!... Já quase dormindo, beijei-lhe os lábios de mansinho, você sorriu sem abrir os olhos, como quem ganha um prêmio... Sorriso bonito... Disse baixinho que ia me levantar e prometi voltar logo.

Eram três e meia da madrugada. Vim para o micro, dei uma rodada nos pensamentos e a inspiração me convocou. Fiz um poema pra você, bem real e um pouco triste, mas carinhoso e cheio de ternura. Estava comovida por vê-lo dormindo, expressão de paz escapando dos olhos fechados. Publiquei a poesia. Às seis horas desconectei e voltei pra perto de você.

Me deitei com cuidado, pois você ainda tinha uma hora para descansar. Mas de imediato mexeu-se e se achegou ao meu corpo, aninhando gostoso, jogou o braço por cima de mim me puxando sem força, que meio acordado-meio dormindo. Afaguei seus cabelos, aconchegada ainda, tanta coisa pensando: o clima... a saideira... sem nada dizer, entre carinhos e beijos, muitos beijos. Moleza, lassidão, mais um cochilo...

Às sete, o acordar definitivo para encarar a realidade: um café corrido, um cigarrinho, um banho, um beijo, o abraço que não quer largar e pé na estrada...

Você se foi e em mim deixou uma sensação gostosa de paz. Aqui dentro eu tenho pena, não de você ou de mim, mas da realidade que é tão diferente de meus sonhos. Sonhos de amor inteiro, glorioso. E a realidade do amor meio-termo... Eu tinha mesmo que nascer poeta!!!
Sal
Enviado por Sal em 17/10/2005
Código do texto: T60377
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sal
Marília - São Paulo - Brasil, 78 anos
507 textos (44786 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:45)
Sal