Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carta de agradecimento

CARTA


Senhor Jesus:
Um dia eu pedi, ardentemente, para ser feliz. Passou o tempo e acreditei que o meu pedido não foi ouvido ou que você estava muito ocupado com as guerras atrozes, com a violência nas cidades; com a fome que assola o continente africano. Pensei que o meu tempo de viver esta felicidade pedida já tinha passado ou ainda estava longe num futuro distante.
Pedi novamente para que qualquer destas possibilidades ficasse distante do momento esperado. Em vão. Meu coração permanecia frio, vazio, insensível aos males alheios, preocupado com as próprias mazelas.
Hoje, um simples comentário de uma amiga, extraído da "Folha de São Paulo", do cronista Paulo Rabello de Castro, que diz: "A vida nos oferece muitas morte, ainda que só uma nos leve embora a chama do corpo. As outras são mortes da alma, provisórias ou permanentes", dei-me conta de quantas vezes minha prece fora atendida.
Como a águia que se retira, para  renovar-se e continuar por mais 30 anos, eu também me afastei do burburinho do mundo para, no silêncio, ouvir a Voz que me guia os passos incertos, ainda de uma criança. Mas, meu pensamento estava muito ocupado e dispersivo e, em vez de calar-me, falava compulsivamente.
A morte definitiva ou provisória empanava tanto o meu raciocínio que não conseguia vislumbrar o brilho da Vossa vestimenta transfigurada. Vejo-O agora, resplandecente em glória, de braços estendidos para me levar à escola da vida e descobrir o bea-bá da felicidade. Reconheço que, as pegadas de uma só pessoa na terra fofa, são as Vossas que me carregava ao colo e, nem assim, senti o calor Deste  Coração que batia ao meu ouvido. O fato de ter uma aposentadoria que me garanta conforto era conseqüência do meu trabalho e não graça de Deus que me deu capacidade e oportunidade para garantir este fato. A família grande era para mim um desafio e um chamado à batalha diária pelo meu espaço vital e por minha importância pessoal neste meio. A saúde do corpo e da mente, era conseqüência da vida saudável que levara e das psicoterapias a que me submetera, sem pensar que os nomes dos terapeutas me chegaram "por acaso", às mãos. Os amigos que tive ao longo da vida, desde o tempo de colégio, no trabalho, no bairro, era fruto do meu esforço em ser popular. E quem me deu este talento de ser simpática? A hereditariedade?
Quando olhava para trás, via os amores fracassados, os chefes ranzinzas, minha mãe exigente e minha irmã distante. Era como se eu tivesse os óculos com lentes escuras; tão escuras, que mal davam, para enxergar este passado.
Então, um dia, entrei na igreja do Leme, numa manhã de sol e os vitrais iluminavam de colorido o chão e as pessoas. Tropecei no degrau da entrada e meus óculos escuros caíram ao chão e se partiram. Eu O vi. Estavas sorrindo, com vestes brancas e o coração vermelho que pulsava em uma das mãos. E me mostravas, com a outra mão: a infância feliz em uma casa que tinha jardim, pai, mãe, irmã, avó e bisavó; perto, na mesma vizinhança, tios e primos. Era como se fosse uma imensa casa que abrigava toda a família unida. Mostrou-me em seguida os colégios privilegiados em que estudei e aprendi o que sei hoje. Os amigos da juventude tocando violão nas areias da praia, até o sol nascer. As festinhas familiares e o despertar do amor humano. Os primeiros namoros que eu nem sabia se estava ou não namorando. O primeiro beijo, o pedido de casamento e o anel de noivado. O rompimento, primeira morte, quebra de laço amoroso, não foi um gesto impensado, mas uma conclusão de que a vida em comum entre nós não era possível. Outros se seguiram, registrados em versos ingênuos onde eu vejo, nitidamente, o quanto eu amei. Se era correspondida, isto não era importante. As viagens a lugares distantes que o meu dinheiro não poderia me proporcionar. Os diferentes costumes e amigos que fiz pelos caminhos da vida. Finalmente a possibilidade de publicar, lançar e distribuir o meu livro de "Retalhos", pedaços da minha felicidade.
Senhor, respondestes abundantemente à minha oração e nem me dei conta de quanto eu era feliz. Reconheço isto hoje e, peço apenas, para que as pessoas que sofrem ao meu redor, desta falta, tenham seus olhos abertos por Suas Mãos milagrosas e vejam o que agora me encanta. Obrigada, Senhor.
Gilda Porto
Enviado por Gilda Porto em 18/09/2007
Código do texto: T657957
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gilda Porto
Petrópolis - Rio de Janeiro - Brasil
131 textos (16610 leituras)
1 e-livros (151 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 21:01)
Gilda Porto