Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carta a um Deus

Chega-me aos olhos o teu verbo.
A tua velha cartilha.
Apresenta-se como sempre: um acaso que não era ao acaso.
Parece arbitrário mas é sempre um propósito do destino.
E o fato é de fato uma constatação: sempre estarás!
Assim sendo, não sei o que fazer com minhas pernas. Torneá-las pelo prazer estético ou amputá-las pela inutilidade?

Com quem falavas?

Deus está ali do outro lado, nos templos, nas esquinas, nos açougues - agonizante e exposto - sobre o balcão.
A droga que te libera é saber-se fora, saber-se passageiro e atemporal. Não importa então o leito. Nem o leite. Alimento ou dejeto? Sentimento ou desejo?
Os dias vão-se e as relações distanciam-se. Há dispersão de sabores.
Novos dias e redescubro-me em cores e acordes. Em texturas.
Redescubro-me forte, na intenção de dias mais leves.
Resdescubro-me frágil, na frigideira das más palavras, empanada e frita, minha angústia em bolhas, minhas sardas.
O pranto descontrolado no banheiro alivia-me a alma como se fosse uma punheta espiritual. Ainda assim, a duvida é um fio de cabelo sinuoso e insinuado no azulejo rosa.
Se és de fato Deus, soluciona-se o mistério e resta-me apenas prosseguir. Uma cruz menos pesada, uma certeza a mais, seriam duas. E nós? Seríamos um.
Mas é tão divino quanto insano. E a dor não cessa.
Nunca cessa.
Quando de fato terei paz? Só há paz na inexistência.
Na tua ausência.
E ainda assim, tu estarás, como sempre, na eterna busca.
Acreditava tê-lo encontrado, mas... escapa-me entre os dedos como areia.
Tu quem és, meu anjo negro - perdição ou glória?
Anete Antunes
Enviado por Anete Antunes em 08/11/2005
Código do texto: T68735
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anete Antunes
Fortaleza - Ceará - Brasil, 51 anos
8 textos (602 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 07:53)
Anete Antunes