Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CARTA DO MORRO


Oxente!... Se aperreia, não, menina. Tá queimando fósforo sem necessidade?! A vida é assim mesmo, feita de adversidade. O jeito é olhar o céu, olhar o mar, escutar uma música, chupar uma manga, deitar na rede, fazer amor, sonhar e inventar histórias.

Tem gente que gosta de dinheiro. Tem gente que gasta dinheiro. E tem gente que não tem dinheiro. Pros que gostam de dinheiro, tenho pena deles: vão ter dor de cabeça. Pros que gastam, também tenho pena: vão ter que pagar as contas. Pros que não têm, como eu, eu festejo e solto foguete. Faço festa aqui no morro. Não tenho com que me preocupar: não tenho conta a pagar, não tenho medo do ladrão - nada tenho para ele roubar!

A vista é linda daqui de cima. Assim fico tranqüilo da vida. Se me deixam caminhar, eu vou. Se não me deixam, sento no banco do jardim ou na beira do meio-fio e aprecio as meninas... Tem umas que nem me olham, mas, de vez quando, passa uma que me da uma bola. Aí... chove na minha horta!
 
Fica fria que tudo se arresolve.

Bjs daqui de longe.
F.

Fernando Tanajura
Enviado por Fernando Tanajura em 17/11/2005
Código do texto: T72844
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Fernando Tanajura). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando Tanajura
Estados Unidos
1467 textos (154808 leituras)
1 e-livros (154 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 08:04)
Fernando Tanajura