Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VAMOS CIRANDAR COM A MIRA IRA?

 

Mira Ira é uma princesa

Que vive em Juiz de Fora

Mulher de rara beleza,

Eu a leio toda hora.

 

Ela vive uma paixão

Que ninguém sabe qual é,

Penso até que é invenção

Que é só charme de mulher.

 
(Milla Pereira)

A Mira é linda e feliz
Uma mulher de predicados...
Ela morre, mas não diz
O nome de seu amado.

Será que é invenção
De sua fértil consciência?
Ou será seu coração
Que teme a concorrência?

(Angélica Arantes)

Temer a concorrência?
A mira é disso não...
Ela tem é competência
E também muita sedução.

Quem para ela olhar
Fica logo enamorado,
Querendo seus lábios beijar
Num gesto apaixonado.

(Mira Ira)

Meu amor é verdadeiro,
Não é nenhuma inveção;
Quando penso no danado
Dá chilique até nas mãos.

Dentro do meu peito eu tenho,
Um cantinho separado;
Aqui mora um grande amor,
Que eu trago bem guardado.

Ele mora muito longe
Perto donde mora a lua,
Quanto mais longe estiver
Mais eu quero ser só sua.

(Pedrinho Goltara)

O amor da Mira Ira
Sabe-se Deus de quem é,
Mas sei é tão bonito
Como a Clara tomando café.

(Maurélio Machado)

Mira Ira, mineirinha da poesia
Seus versos do dia a dia
São divinos e iluminados
Estamos todos encantados.

Com ela é só bom humor
Verseja com muito amor
Sem muitas complicações
Arrebatando corações.

(Sans Souci, poeta da Usina de Letras, fazendo o anônimo)

Posso até me equivocar
Ou dizer pura mentira,
Mas mesmo sem alvejar
Jamais há acerto sem Mira.


(Claraluna)

A ciranda continua
Cê não vai aproveitar?
Vai até mudar a Lua
Aproveite, vem rimar.

Se você gosta da Mira,
Aproveita e diz agora,
Num vale dizer mentira,
Traz a trova sem demora.

(Gianluca Garbatti)

Fui chegando de mansinho
Participando do ensejo,
Para Mira, meu carinho,
E pra você o meu beijo.

(Maria Luiza D. Errico Nieto)

Mira Ira é uma boneca
Tem um rosto angelical,
Tem um coração bondoso
Seu amor não tem igual.

(Poeta da Dor)

Já injuei dessa ciranda
a cunversa tá isgotada,
Ocêis vão no meu recanto
Versejá a minha amada.

(Zélia Nicolodi)

Ela cria os seus versos
Com vozes do coração...
Da tristeza é o reverso
Tudo nela é emoção. 

(Marlene Vieira Aragão)

Mira está na mira...
As balas são de amor...
Enviadas por quem a admira
Por seu espírito superior.

(Airam Ribeiro)

Mais iantis docê incerrá
Óia qui ta fartando eu,
Qui boto a Mira ni artá
Foi u'a vontadi qui mi deu.

Eça galega di Juiz di Fora
Sai dela qui eu vi premêru,
Pruquê ela nunca irá imbora
Du coração di Airam Ribêru..

Si o dotô já injuô
Foi bom memo ele injuá,
Eu vô adondi a Mira fô
Pra quarqué canto qui xamá.

(Claraluna)

Vou encerrar a ciranda
Pra começar uma nova,
Aqui é você quem manda
Com a beleza da sua trova.

Agradeço a todo mundo
Que na ciranda dançou,
Com sentimento profundo
Um beijo pra o que passou.


Amados recantistas, leitores, poetas e poetisas, obrigada de coração
pela participação e pela leitura. Em nome da poetisa Mira Ira deixo nosso reconhecimento e abraços a todos

Hull de La Fuente
Enviado por Hull de La Fuente em 22/08/2007
Reeditado em 25/08/2007
Código do texto: T619242
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Hull de La Fuente
Brasília - Distrito Federal - Brasil
2667 textos (394249 leituras)
2 e-livros (182 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/08/17 20:52)
Hull de La Fuente