Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ENCONTRO VIRTUAL

Ele estava nervoso. Não sabia como ela era de verdade e nem ela podia saber. A internet tem dessas coisas. Você entra em uma página, num site de bate papo e, de repente está íntimo de alguém. Se envolve de alguma forma com esse alguém. Acontece uma química qualquer e logo estão trocando endereço eletrônico. Os dois sentem necessidade de poder continuar, em outra ocasião, aquele papo depois que tiverem que sair da frente do PC.
Ele entra no elevador quase vazio e o coração começa a pulsar diferente. Os batimentos parecem estar sendo ouvidos pelas outras pessoas. Parece até que algumas delas olham para ele como a se perguntarem: “Será que esse cara está passando mal?” Também pudera... Uma gota fina de suor escorre pela testa e lhe atinge a mão trêmula. Não sabia o por quê de tanto nervosismo. Afinal de contas, eles já se conheciam muito bem!... Será?
Seus passos fluem pelo calçamento do Vale do Anhangabau. Atravessa tão absorto sob o viaduto Santa Efigênia, quem nem reparou, como sempre fazia, a grandeza histórica do gigante de ferro pintado com um tom de cor amarelo/alaranjado cuja tecnologica de construção e obra de engenharia tanto admirava.
A tensão parece diminuir. Só aumenta quando ele se dá conta do perigo do trajeto. Dias antes um cidadão havia levado dois tiros desferidos por uma dupla de assaltantes bem no local por onde ele acabara de passar para encontrar a sua amiga virtual, que passaria a ser real dali em diante. O combinado era se encontrarem em frente a bilheteria do metrô São Bento. Continuou, agora, a passos mais calmos e serenos em direção à boca da estação. Quando estava próximo, esta parecia lhe sorrir com todos os dentes do mundo. Desceu a rampa, já com passos firmes e determinados. Não ia voltar atrás, agora que estava tão perto de alguém que lhe era tão querido, mesmo sem conhecer pessoalmente.
Olhou e lá estava ela, com a agenda na mão conforme o combinado, vestida de primavera para receber um pássaro de jardim. Para sua surpresa e alegria, ela não era loura de olhos azuis. Para surpresa e desencanto dela, ele não era a cara do Gianechini. E ficaram amigos... para sempre!!!

JD - 14/06/2006
Jose Dias
Enviado por Jose Dias em 14/06/2006
Código do texto: T175199
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Dias
Presidente Prudente - São Paulo - Brasil, 53 anos
30 textos (22863 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:50)