Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O REINO DO MEDO DE QUARTEZENAL

                                                        O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            Manoel Vitório



                                 
         
                                       O REINO DO MÊDO DE “QUARTEZANAL”


                      A muitos e muitos anos, na Região de Quartezanal, num tempo de magos, bruxas, fadas, reis e lacaios,
          Existia a bela cidade de Kurupáh, um reino alegre e governado por um Rei “bêbado”, apesar do sofrimento o
          povo ainda se divertia com as bobagens do velho rei beberrão.
                     Mas um cruel Rei Geral de Quartezanal, conhecido pelos povo com “ Rei Boca de Velha” usando de
          Maléficos poderes, junto a bruxa “Malévola” sua esposa e Rainha do Mal, mandou para Kurupáh um de seus
          “príncipes” um tipo baixinho, usava um “cabelinho de creuza” e se “achava” , um verdadeiro narciso, via-se no
          espelho e mandava os lacaios e panfletos do reino a divulgarem todos os dias as suas fotos, as fotos à época eram
          desenhos bem feitos.. O pricipe “Narcisista” vivia rodeado de cortesãs e bobos da corte, por desprezo aqueles
          pobres cidadãos de Kurupáh, o príncipe “Narciso” resolveu transformar um dos bobos da corte,um tipo de bumbum
          grande e cara de bonachão em Rei de Kurpáh e assim o fez, Matando vários nobres covardemente, prendendo no
          calabouço , e desterrando outros com a ajuda do “Rei Boca de Velha” e sua bruxa má, dizia o povo de Kurupáh
          que havia um feiticeiro a serviço da bruxa com uma grande Bola de Cristal e que acompanhava cada passo  dos
          dissidentes de Kurupáh e do grande reino de Quartezanal...
                      Assim Kurupáh passou a viver os dias mais tristes e cruéis de sua história, os lideres do povo exilados, os
          Poucos que se levantavam eram condenados  a forca ou difamados até desistirem de resistir e deixar o Reino   de
          Kurupáh, isso quando um Juiz maldoso que fazia parte do Reino não mandava prender em calabouços ou tirar todos
          Os direitos e mandar os rebeldes  para a forca outros ainda estavam exilados.
                      Assim viveu Kurupáh sob o signo do medo, uma parte da corte do Rei “bundão” e do príncipe Narciso era
          Composta pôr plebeus que se achavam nobres, havia um cômico que se achava uma espécie de “poderoso”,era uma
           Espécie de hiena: comia fezes,vivia dando risadinhas e se deleitava em difamar os dissidentes e inimigos do Rei
          “Bundão”  e do príncipe, cortezãs rodeavam a corte,alguns nobres de proveta eram viciados no crocón, uma espécie
          de fumo de rolo que os deixava loucões.
                     Quanto ao povo tinha que ficar quieto, não podiam discordar do Rei e seu príncipe Narciso, pois os esbirros e
           Policia secreta estavam de “olho “ em todos os cantos e órgãos públicos, a menor critica iriam para a forca ou para
           A tortura, o povo pobre e desempregado dependiam das cestas distribuídas  pelo povo do príncipe, o desemprego   e
           a   escassez de comida levavam o povo a viver com medo e de cabeça baixa, periodicamente eram organizados festins
           Pelo pricipe de ébano também vindo de Quartezanal a mando do Rei Boca de Velha. O povo era obrigado a descer
          E aplaudir, saudando também o Rei Bundão e o Pincipe Narciso que costumavam saracotear e balançar os bum buns
          Nas ruas de Kurupáh.  “alguns rebeldes mostravam o dedo discretamente, ta aqui Geralda”
                       Mas havia uma grande revolta contida entre os populares, a plebe e mesmo entre alguns nobres   que ainda
          Tinham saudade do tempo de glória e dos verdadeiros guerreiros e nobres já mortos que históricamente haviam
          Lutado em guerras e honrado o nome de Kurupáh...
                       Esta é a parte de uma ficção, qualquer semelhança com a realidade é mera fantasia e sonho, outras partes desse
          Conto de fadas e bruxas continuará  em breve, o que se sabe é que Kurupáh viveu infeliz por muitos e muitos anos e era
          Um belo reino....Mas o coração e a mente de seu povo ainda sonhava com liberdade.

                                                            LEONAM       (MANOEL VITORIO)

                                 
         
 
Manoel Vitorio
Enviado por Manoel Vitorio em 24/07/2006
Código do texto: T200916
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manoel Vitorio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 60 anos
4782 textos (175078 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 06:23)
Manoel Vitorio