Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MEUS CASOS



Seis da matina. Pensa em ir trabalhar, mas lembra que atualizou o site da TV na madrugada. A sua chefe tá de férias, e na TV ninguém se importa se ele é mais um caso de estagiário fantasma.

Nove horas o seu cachorro pula na cama, e reclama prontamente que está na hora de tomar uma fresca. Sentado embaixo da sombra interminável da sua árvore, acompanha o ir e vir da sua vizinha pela rua.

Lembra das manhãs em que tinha aquele corpo magro nu na sua cama, tempo em que podia preencher as suas horas cretinas com sexo barato. Hoje ele arrasta as manhãs com café e poesias antigas. E a menina superficial mesmo com as suas roupas mínimas ainda o ama, e talvez nunca entenda porque ele a deixou sem qualquer explicação.

A enfermeira brinca com a mangueira e fingir lavar a calçada. O poeta a observa. Tudo como há quatro anos, quando os dois fugiam da missa para trocarem beijos numa esquina qualquer. Ela ainda lembra que ele a traiu e que a largou três vezes. E mesmo assim ela o ama.

O poeta deita no seu sofá azul, o mesmo sofá azul em que perdeu a virgindade com a sua amiga modista. A modista adora as suas poesias, o poeta adora isso. Ele sequer lembra se terminou com ela de verdade. Almoçaram juntos no mês passado, a modista perguntou por quê? E ele preferiu o silencio diante do corpo do seu amigo

O poeta prepara um suco de maracujá e esquenta a sopa de legumes de ontem. Almoço fraco e solitário. Ele atende pela quinta vez seguida o seu celular – a cobrar. A menina mimada e atraente não o deixa em paz, e o poeta jamais será capaz de esquecer que ela o traiu, e que sumiu por três semanas.

O poeta vai tomar banho, masturba-se. A sua namorada mesmo depois de quatro meses não quer saber de sexo. Ele não consegue excita-la, e morre de inveja dos seus amigos que têm namoradas que transam.

O poeta chora e segundo Fabí: - não ama ninguém.
mário cardoso
Enviado por mário cardoso em 06/08/2006
Código do texto: T210508

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site http://recantodasletras.uol.com.br/autores/abelha). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
mário cardoso
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 31 anos
370 textos (14927 leituras)
3 áudios (241 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:54)
mário cardoso