Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Degrau após degrau.

Como que numa seqüência contínua, descendo as escadas, degrau após degrau, degrau após degrau, interminável degrau estritamente igual ao último, que aquela escada em caracol mostrava-se igual a anterior, e a anterior, e a anterior, fazendo-se assim, cópia contínua de uma lembrança de muitos degraus acima, de um outro andar, num outro tempo, assim quase que igual a esse, repetindo o mesmo quarto degrau descendo do terceiro andar, ou do décimo segundo, não importa qual, e repetindo a mesma lembrança de um gemido abafado e da vontade de escrever um nome no céu.
E assim, ininterruptamente ela descia, degrau após degrau, tentando distinguir o passo, tentando separa-lo do andar, e Como?, se perguntava, Como?, e descia mais um degrau, mirando nenhum futuro pela frente, descendo, descendo, degrau após degrau, Como separar o passo do andar?, e mais um degrau, como que numa seqüência contínua, cansada, o tempo a alcançou com rugas entorno à boca, cabelos caídos sobre os ombros, já secos e emaranhados, agora quase morta, mostrava-se cansada à fresta de sol, descendo um degrau depois do outro, um pé depois do outro, na mesma seqüência, na mesma lembrança, na mesma desesperança, quando então parou. Faltou estimulo, o corpo caiu. Foi rolando, degrau após degrau, degrau após degrau, sem nunca chegar no chão.
Barbara Coimbra
Enviado por Barbara Coimbra em 04/09/2006
Código do texto: T232144
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Barbara Coimbra
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
21 textos (523 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:09)
Barbara Coimbra