Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A vendedora de sonhos.

Estavam todos tristes pois nada de novo lhes acontecia há tempos.

Era só monotonia, e nada mais.

Eles não suportavam mais aquela dura realidade na qual só presenciavam, roubos, desmandos, corrupção, enfim, inexistia o necessário gerenciamento administrativo, norteado por posturas morais das mais nobres em benefício de todos.

Até que, em determinado dia, ao amanhecer, depararam-se com um novo comércio instalado na rua principal, o que somente poderia ter ocorrido durante a noite pois nenhum movimento estranho ocorria ali há anos.

Em seu letreiro luminoso com contornos de neon em dourado, pêssego e verde água, lia-se bem no centro: "A casa dos sonhos eternos".

Por si só sentiram-se todos intrigados com um nome que insinuava, à primeira lida, o desejo interior que cada um deles possuía de ter uma vida melhor no futuro.

Não resistiram à tanta curiosidade, e postaram-se à frente da porta da entrada aguardando que fosse aberta.

A excitação era geral. Falava-se e ouvia-se de tudo na tentativa de advinharem o que seria comercializado ali.

Foi quando a porta principal se abriu aparecendo um anão vestido todo de preto e com uma cartola à cabeça, sorriso enigmático, que com uma chave acionou as fechaduras elétricas das duas vitrines laterais.

A apreensão foi enorme quando as duas portas de aço começaram, vagarosamente, a subir.

Era uma nova funerária em cujos vidros se lia:

"A Vendedora de Sonhos" entre e escolha o caixão de seu gosto no qual passará sua eternidade.

Condições excepcionais de inauguração.

Não perca pois, afinal sua hora pode chegar daqui a um minuto e queira ou não terão que adquirir nosso produto para você.

É melhor que você mesmo escolha um do seu gosto para não passar o resto da sua "morte" depositado num lugar onde nunca quiz estar.

Ficaram todos estáticos e gelados, parecendo múmias desnorteadas pois não sabiam se riam, choravam ou saíam correndo dali.

Pense nisso por que isso não é uma possibilidade mas sim, uma constatação.

Ágora Atheniense
Enviado por Ágora Atheniense em 13/09/2006
Código do texto: T239585
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ágora Atheniense
Araraquara - São Paulo - Brasil
23 textos (1231 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:29)
Ágora Atheniense