Capa
Cadastro
Textos
┴udios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Entre V˘os e Asas

 De tanto perseguir vôos de gaivota, certo dia, praia deserta, encontrei uma ave parada num banco de areia, daqueles formados pela maré vazante. Parecia machucada, pois não se importou com a minha presença.

 Essa gaivota, espécie comum nas nossas praias, tem coloração branca, com algumas penas negras nas asas. Gosto de vê-las planando ao cair da tarde, pôr-do-sol  refletindo em seu peito branco, o alaranjado das nuvens do arrebol.

 Peguei-a delicadamente com a intenção de ajudá-la e apesar das tentativas de bicadas, consegui imobilizá-la por alguns segundos.

 Que magnífica sensação! Era como se o tempo tivesse parado por alguns instantes e o infinito chegado ao fim. A relação homem-gaivota, terra-vôo, perdeu todo o sentido, num encadeamento sucessivo de idéias anárquicas, como se o verso, repentinamente desagregasse o poema.

 Verifiquei que ela aparentemente não tinha nada. Estava apenas atordoada por motivos metafísicos que só as gaivotas entendem. Eu mal entendo do vôo.
 
 Soltei-a. Logo alçou vôo, batendo asas como lenço acenando breve adeus, indo juntar-se a outras asas, no longe, onde habitam as gaivotas, muito além do mar e das nuvens.

 Foi a primeira e única vez na vida, que tive o vôo na palma da minha mão.
Paulo Orlando
Enviado por Paulo Orlando em 21/07/2005
Cˇdigo do texto: T36261
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Orlando
Cabo Frio - Rio de Janeiro - Brasil
173 textos (4999 leituras)
5 ßudios (454 audiš§es)
(estatÝsticas atualizadas diariamente - ˙ltima atualizašŃo em 09/12/16 02:20)
Paulo Orlando