Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma cor a mais



A chuva passou confundindo-se com as minhas lágrimas. Meus olhos cansaram de chorar. Decidiram que não mais sofreriam. Sobre minha cabeça, percebi um tímido arco-íris entre nuvens. Quatro cores. Ainda podia sentir a umidade do ar impregnada em minha pele e o frio forte aquecendo a minha tristeza. Quatro tentativas. Estive deitado na cama, enquanto me falavam algo. Não lembro o que disseram. Apenas sei que lá estiveram por bastante tempo. Meus olhos parados não sabiam em qual direção mirar. Quatro derrotas. Nesse momento, eu desejava apenas ver o íntimo daquele abismo dentro de mim. Poder jogar uma pedra, ouvir o barulho de sua queda e, assim, calcular a distância que me separava da felicidade. Melhor seria se eu possuísse a mesma força que tive quando tudo começou. Idéia boba essa minha! Eu nunca entendi por que segui por esse caminho. Mas assim aconteceu. Assim eu estava. Naquele dia, eu era apenas o resultado da minha insignificância e o retrato da minha própria infelicidade. Tentar continuar não era meu o objetivo. Eu apenas desejava ouvir as mesmas palavras de apoio que ouvi quando tudo começou. Mas a dúvida estava ao meu lado. Desistir ou prosseguir? O meu coração estava envolvido talvez por uma nuvem de desespero, e esse mesmo coração, algum tempo depois, ainda não havia parado de bater forte, pois ele desejava uma resposta para entender o próprio destino.
Posicionei, portanto, meu corpo sob o céu, que guardava ainda sobre si aquele mesmo arco-íris. Na hora, desenvolvi uma dúvida entre os diversos caprichos da minha imaginação: quantas cores participavam da formação daquele arco no céu? Lembrei-me de ter contado apenas quatro. Quatro tentativas...quatro derrotas...! O céu, nesse instante, era como um Éden-azul infinito e imaculado. Isso me impulsionou a admirá-lo por toda a eternidade. Pedi que conservasse cada cor e que me guiasse rumo à minha resposta. Entre pensamentos resolvi confirmar a minha curiosidade: uma, duas, três, quatro e cin...cinco? Surpreendentemente, cinco! Cinco cores! Essa foi a resposta que meus olhos tanto esperaram. A resposta que me fez decidir por prosseguir. Prosseguir até o fim.
Tudo estava bem próximo e foi tão fácil e tão rápido quanto perceber uma cor a mais no céu...
David Cid
Enviado por David Cid em 20/10/2007
Reeditado em 16/12/2007
Código do texto: T702613
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
David Cid
Fortaleza - Ceará - Brasil, 31 anos
48 textos (3008 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 22:50)
David Cid