Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viajantes na Tempestade

   Caminhei por entre os mais fortes ventos e as mais leves brisas que a natureza pode conjurar. Eu podia sentir os mais profundos sentimentos, queimando dentro de minha alma, mas eu não podia entender se eram mesmo reais, ou se eram apenas os ingredientes de mais uma história sobrenatural.
   Talvez todos os diferentes caminhos que seguimos na vida, acabem nos levando a um lugar em comum. Ou incomum.
   
   Eu sinto dor. Mas ela não parece ser real.
   
   Meus olhos buscam algum ponto cego pra que sentimentos passados não voltem à tona, mas tudo parece ser pateticamente inútil. Deus sabe o quanto eu já tentei fechar os espelhos da minha alma, mas mesmo assim, continuei queimando minhas mãos. Capítulos inacabados de um livro que sempre estará aberto na frente de meus olhos.
   
   Eu sinto medo. Mas ele não parece ser real.
   
   Caminho por um jardim de flores de espinhos. O céu escuro sobre a minha cabeça, com seus milhões de pontos de luz, parece me vigiar. O caminho é longo, mas minha vida é curta. Enquanto eu caminho, todas as flores deixadas pra trás vão se consumindo até enroscarem-se umas nas outras e transformarem-se em uma paisagem sórdida. O caminho se fecha. Parece não haver mais volta. Olho para trás e vejo todo o caminho já trilhado. Uma lágrima escapa de meus olhos, rola pelo meu rosto e cai em uma das flores com espinhos retorcidos. A vida parece fluir. O caminho pode ser aberto novamente. Mas eu terei que passar através de alguns espinhos requintados ironicamente pelo destino , que nem a lágrima mais sincera poderá desfazer.

“O infinito é profundo e a eternidade nós podemos conseguir derretendo as perdas congeladas no tempo...”

   A escadaria para o céu ainda não encontra-se a um simples passo de meus pés. Ainda terei muito o que andar pra que eu chegue até lá. Se é que um dia eu chegarei.

   Aprendí que certas coisas vivem pra sempre. Amor. Não podemos buscá-lo. Ele é quem nos encontra. Às vezes de forma declarada, outras não. Mas quem sou eu pra falar do amor? Mais um louco buscando explicações pra algo com infinitas explicações diferentes? Cada coração tem a sua própria.
   
   Sei que chorarei milhões de lágrimas, caminhando pelo mesmo jardim, mas mesmo que a dor e o medo tomem conta do meu corpo, talvez nada façam à minha alma... e se fizerem, quem sabe outras lágrimas poderão me curar, ou até mesmo, apenas um outro olhar seu...

   Você sempre será o amor secreto que me faz caminhar por entre flores e espinhos...
   
   E eu continuo caminhando...
Alencar Moraes
Enviado por Alencar Moraes em 19/11/2005
Código do texto: T73594
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alencar Moraes
Espírito Santo do Pinhal - São Paulo - Brasil, 29 anos
9 textos (505 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 02:07)
Alencar Moraes