Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viagens sob o signo do sol



Sol alto na manhã. Calor. O suor resvalava pela face.Cruzava o pescoço.Juntava-se ao charco que se tornara seu peito.O digital próximo ao porto apontava 40 graus.Rio de Janeiro.Pleno estio.

O táxi imprimia grande velocidade. Sorte ser domingo.Vias urbanas quase despovoadas.Nenhum sinal de fiscalização.Nervoso, ele clamou ao motorista :

- Mais rápido, meu avião sai ao meio-dia. E o Galeão está longe.

Cruzou a avenida margeando o  porto num relance. Ao longe, a Ilha Fiscal se recortava contra o horizonte de um azul irreal. Mais velocidade. O ponteiro já sinalizava 120 km/h.
Deixou para trás o porto.Surgia a sua frente a Av. Brasil. Logo a percorreu. Estava entrando na Linha Vermelha. Voltou a falar ao motorista :

- Cara, sinto te fazer correr, mas deu problema na saída do hotel e me atrasei
- Não esquenta, mermão, a gente chega lá tranqüilo.

Agora, já estava em plena Linha Vermelha, o odor da Baía da Guanabara entrava por suas narinas.
Uma fragrância de coisa podre, empestada. A face pouco glamurosa do Rio. Na outra margem, a Favela da Maré. Felizmente, os bandidos ainda estavam dormindo. Fim-de-semana , sempre é de muito trabalho. Conseguiu chegar à Ilha do Governador. Já divisava a estrada que conduzia ao aeroporto. O coração acelerava , descompassado. Falou entredentes ao condutor :

- Vamos conseguir, caralho, vamos chegar a tempo.
- Falei chefia, eu sou braço na direção.

Como um asteróide cruzou a ala dos vôos internacionais.Mal conseguiu distinguir alguns aviões da American Airlines, ao fundo.Quando voltou a cabeça, já tinham alcançado à área doméstica.Galeão, finalmente. Ou, melhor, Tom Jobim.Infelizmente, o criador de Garota de Ipanema não tinha emplacado este sucesso.Pelo menos, no aeroporto, que na boca do povo atendia pelo velho nome.

- Muito obrigado, cara. Você chegou a tempo.
- Eu sou o cara, mermão. Deixa uns trinta e cinco reais pela viagem.
- Não dá pra ser trinta?
- Trinta e cinco.Vou ter que voltar sem passageiro até o ponto.
- Certo. Valeu , um abraço.
- Outro.

Pegou sua bagagem. À direita, enfileiravam-se carrinhos de transporte. Pegou um e acomodou seus volumes. Deu um sorriso e um suspiro aliviados. Adentrou o paraíso de ar condicionado. Já não suava quase. Apenas, esfregava um guardanapo feito lenço improvisado no rosto. Consultou suas axilas. Tudo em ordem. Passou a mão nos cabelos.
A passos calmos, caminhou pela área de embarque.
Lojas e lojinhas vendendo souvenires. Típicos artigos para gringos. Camisetas do Vasco e do Flamengo.Réplicas do Cristo Redentor. Pratos envernizados.Papagaios e araras em cores escandalosamente cafonas. Seguiu adiante. Queria tomar um café. Depois faria o check-in.

Bebeu um carioquinha. Nome local para o café com uma porção generosa de água, tirando o gosto forte. Pegou suas bagagens, de novo. Dirigiu-se ao local do check-in de sua companhia.

- Olá, vôo para Porto Alegre.
- Olá, pode colocar as bagagens para pesar.
- Dezoito quilos.
- Beleza, então não pago excesso de peso.
- Tranqüilo. O embarque é no portão C, daqui a 30 minutos.

Resolveu dar uma circulada pelo aeroporto. Uma voz feminina chamava os embarques mais próximos. Era uma voz bonita, agradável. Sensual.

- Passageiros do vôo Gol com destino à Belém, dirija-se ao portão D.

A mulher exagerava na languidez. Quase sussurrava as palavras. Imaginou uma loura curvilínea.Seios e pernas opulentas. Lábios carnudos. Batom agressivamente vermelho.

- Senhores passageiros queiram dirigir-se ao portão F. Ponte aérea para São Paulo.

Aquela voz macia. Encantadora. Quem sabe, a mulher de seus desejos. A fêmea lasciva e disponível. Não podia frear sua imaginação.Que, neste instante, atropelava a racionalidade. Precisava conhecê-la. Perguntou a um rapaz que limpava o chão.

- Gostaria de uma informação. Como poderia falar com esta senhora que faz a locução dos informes de vôos.
- O senhor segue adiante. Atravessa aquela área da INFRAERO e bate na porta onde está escrito : Informações
- Muito obrigado

Apressou o passo. Seu coração percutia assustadoramente. Cruzou a área reservada. Já estava chegando à porta indicada. Bateu, de leve. Três pancadinhas. Uma mulher abriu e pediu para ele aguardar um segundo. Ele ,então, fitou o objeto de seu desejo. Uma senhora balzaquiana com maquiagem borrada e rugas em profusão. Levemente gordinha com o cabelo pintado onde se sobressaiam as raízes brancas. Quase caiu para trás , quando ela apossou-se do microfone e falou :

- Vôo para Porto Alegre. O avião já está na pista. Aguarda ordem para decolar.
- O que o senhor deseja, disse ela virando-se ?
- Deixa pra lá.Eu só queria saber onde era o banheiro...






Ricardo Mainieri
Enviado por Ricardo Mainieri em 12/04/2005
Código do texto: T10896
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Mainieri
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 56 anos
1920 textos (29390 leituras)
1 e-livros (105 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:25)
Ricardo Mainieri