Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CORPO, ALMA E MENTE (FÁBULA)

Corpo, alma e mente...


Eram três amigos, o corpo, a alma e a mente. Juntos caminhavam pela mesma trilha, mas cada um com um jeito diferente de caminhar, e mesmo seguindo juntos a mesma estrada, cada um via paisagens diferentes. O corpo, por ser matéria, seguia sempre cansado, preocupando-se em apenas mexer as pernas, pensando assim se sentir útil. O corpo, já com o pescoço tão duro de tanto caminhar buscando matéria e a perfeição de sua própria matéria, não conseguia erguer a cabeça, e a única paisagem que via era o chão por onde passava, e sua caminhada era cada vez mais dura, uma vez que matéria é coisa tocável, por isso pesa tanto. A alma era esperta, sempre disposta, sempre jovial, porque nunca se preocupara em caminhar, e ia de carona dentro do corpo cansado. Ela era tão leve, voava tão suavemente por dentro dele, que o mesmo a carregava sem nem perceber. Era o maior e mais precioso fardo que ele carregava, porém, de tão leve, nem percebia. Enquanto o corpo arduamente caminhava, a alma ia bela e formosa, de asas abertas, sentindo o perfume das flores, que o corpo jamais sentira, pois sempre se preocupara com a poeira do chão, que era o que sua cabeça baixa o permitia ver. A alma ia bela e majestosa, de cabeça erguida, conseguindo ver a imensidão do céu, os desenhos das nuvens, o colorido do arco-íris e o bailar dos pássaros, coisas que o corpo jamais conseguira avistar. O máximo que o corpo via, era o seu próprio destino, quando com força erguia apenas o olhar cansado e conseguia olhar para frente. Já a alma, nunca se preocupara em olhar para frente, pois isso era coisa para o corpo fazer, pois ele sim teria um destino, um fim, e ela não. A mente? A mente era muito disputada; Corpo e alma brigavam por ela, mas ela, sempre muito preocupada em ajudar o pobre corpo cansado, acabara se esquecendo de si mesma, e acompanhando os passos do corpo, nem notara que a alma estava de asas abertas, pronta para carregá-la.


Moral da estória: A mente é o ser humano.Ela vive de acordo com quem exige mais dela, portanto, não se preocupe tanto com coisas materiais, nem com a matéria do próprio corpo, nem com o tempo que está se passando, e deixe sua mente livre para que sua alma possa carregá-la. Mesmo porque, no juízo final, a matéria tão perseguida se acaba, e a alma tão esquecida continua. Nunca se esqueça que quem tem a vida não é o corpo, e sim a alma; o corpo só serve para dar carona para a alma. Viva de maneira como se nunca fosse morrer, para quando morrer, que não morra como se nunca tivesse vivido.Viva cada dia como se fosse o último, aproveite cada segundo de vida e eleve a sua alma.Ontem é passado, amanhã não nos cabe saber, e hoje é uma dádiva, por isso chamada de presente.


Camilla Faria
Milloca Faria
Enviado por Milloca Faria em 10/08/2008
Código do texto: T1121458

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Milloca Faria
Cananéia - São Paulo - Brasil, 36 anos
70 textos (5972 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 31/10/14 14:24)
Milloca Faria



Rádio Poética