Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Amanhã eu penso nisso...

(RJ, 14h35m, um dia qualquer de 2004)
 
Decidi começar hoje, no final da tarde, meu projeto-saúde. O verão está chegando e o Mário Prata já ousou escrever uma crônica sobre a legião de "meias-gordinhas(sic)", que navegam na rede. Eu sei que não é 1º de janeiro, nem mesmo segunda-feira - dias destinados às promessas que, de antemão, sabemos jamais serão cumpridas. Feitas somente para aliviar nossa consciência. Tudo bem. Hoje é terça-feira, meio de semana. Não se começa nada numa terça, principalmente num feriadão. Mas, em se tratando de mim, essa transgressão cronológica é mais que natural.
 
Meu relógio biológico-mental nunca funcionou direito. Sempre cheguei antes ou depois na vida das pessoas e até nos fatos da minha vida. Já consegui perder a minha própria festa de adversário, oferecida por amigos. Meu atraso foi de apenas dois dias. Quem esteve disse que bombou, terminou lá pelas cinco da manhã. Não faltou sequer aquele bêbado de ninguém, dormindo a sono solto no sofá, nem as previsíveis meias-calças extraviadas no banheiro. Sei disso tudo contado por terceiros. Perdi essa. Juro - dedinhos cruzados em X sobre os lábios, como faz minha filha - que é a verdade, toda a verdade, nada mais que a verdade.
   
Digressões feitas, o assunto em pauta é o meu projeto-saúde. Batizei-o assim para não escrachar de vez, porque o que quero mesmo é emagrecer esse n (recuso-me a dizer quantos! Não insistam!) quilos que não me largam. Pior: ainda chamam outros "quilinhos" para aumentar meu desespero. Fechar a boca, primeiro conselho dado a uma neogordinha, impossível. Creio que sou a única anoréxica a se preocupar em perder peso. Optei por caminhar.
 
A grana está curta para bancar uma academia e, de mais a mais, para quê me expor à tentação de sentimentos execráveis, como a inveja? Ou vocês acham que euzinha passaria incólume - toda pensamentos puros -, só bondade cristã e admiração sincera - ao dividir esteiras, bicicletas e outros instrumentos medievais de tortura,típicos das academias, com mocinhas que poderiam ser minhas filhas e corpos de tirar o fôlego até de quem não é chegado à fruta? Sacrifício, sim. Pagar para sofrer, pecar e ainda me sentir humilhada é burrice demais até para mim.
 
(RJ, 16h20m, um dia qualquer de 2004)
 
Minha preparação, de fato, começa pelos pés. Até para fazer o que se odeia é imprescindível elegância e estilo. Primeiro item: o tênis.  Cadê aquele tênis, que eu sei que tenho, está novinho, nunca usei?, Pergunto p'ra Nina, minha cocker, que observa a tudo com olhar de incredulidade e desdém, como se pensasse:
 
- Tanto barulho por nada! -, puro delírio provocado pela ansiedade, claro. Nina não citaria Shakespeare.
 
Começo a remexer as caixas. Sapato é obra-de-arte, não pode ficar exposto ao tempo, à poeira e outros fatores naturais de deterioração. Acho finalmente o par de tênis, embaixo das sandálias de salto fino, dos scarpins, dos três pares de botas (dois nunca usados) e daquela mule vermelha, salto 8, forrada com uma espécie de lurex.
 
Magnífica! Essa sim, uma preciosidade, objeto de fetiche! Reluz como pequenos diamantes no escuro, mas não é do tipo cheguei! Perfeita com um pretinho básico. Ou então com uma calça cace justinha,  blusa preta de corte masculino, ligeiramente transparente, apenas o suficiente para deixar entrever o sutiã de renda preta. Adereços? Um par de brinquinhos de strass e, claro, um batom vermelho-vinho. Visual capaz de levantar o moral de qualquer mulher com mais de 35 (anos, não quilos).
 
 Guardo essa mule como um amuleto. Toda vez que a auto-estima se aloja no calcanhar calço-as, deito no sofá de pernas para cima e fico só admirando tanta beleza. Mato a saudade de cada um dos meus amados sapatos. Desfilo na frente do espelho (só olhando para os pés! Porque para outra parte do corpo, nem pensar!). Delícia das delícias. Admito: tenho mais em comum com a Imelda Marcos que os olhos oblíquos. Mas falávamos do que mesmo? Ah, do projeto-saúde.
 
(RJ, 18h40m, um dia qualquer de 2004)
 
Já perdi o entardecer. Mas é o primeiro dia do horário de verão. Anoitece tarde. Vai dar tempo. Procurar o tal par de tênis - do tipo delicado, branco, clean -, não nego, foi um prazer. Difícil, agora, vai ser achar aquelas fusôs de lycra. Quer dizer, achar, achei. O que não consigo é vesti-las. Nenhuma cabe. Tenho uma crise de indignação, revolta e autopiedade.
 
Jogo-as p'ra cima; xingo-as; detrato-as; acuso-as e as culpo - culpo-as sim! Elas encolheram sem minha expressa autorização, insubordinação inadmissível num guarda-roupa feminino. Sou intransigente quanto à disciplina do vestuário. Afinal, encontro uma que entra. Forçada, muitíssimo a contra-gosto, mas entra. Obediente, a menina.
 
Segundo passo, concluído. Calça e tênis separados. Meias não são problema, tenho dúzias delas. Nova etapa, outro dilema: que camisa usar para encobrir o desastre dos quadris e coxas, espremidos na lycra da fusô azul-marinho? Nem pensar naquelas t-shirts coladinhas (todas de férias compulsórias na gaveta do closet até segunda ordem). Afastadas da função por tempo indeterminado. Muito mico para uma neogordinha só.
 
Talvez aquela malha de tricot de linha sirva. Não... Vai esquentar muito. Aquela bata indiana, soltinha? Também não serve, nada a ver. Vou parecer uma doidona grávida, que voltou de Woodstock a pé. Ah... têm aquelas camisetonas, recuerdos de viagens. OK, mas onde elas estão? Nas gavetas, já todas reviradas, nada. Penduradas, metade dos cabides espalhados pelo chão, também não estão. Onde enfiei essas pragas?!
 
- Será que eu dei?-, pergunto para minha  mãe, que assiste compenetrada a novela.
 - Não! Procura, você acha! - grita ela, com um incentivo próprio de mãe.
 - 'Tá, 'tô procurando" - resmungo. Nina sacode a cabeça num gesto claro de solidariedade - só não sei a quem.

Nas prateleiras não estão. Talvez nas gavetas dos meninos. Encontradas. Investigo cada uma e vou descartando as manchadas, furadas pelas traças e pelo tempo, as bregas demais, a que comprei em Porto Seguro há mais de 10 anos. Sobrou uma, meia-boca, mas dá. Tem a logo do Projeto Tamar. Paguei os olhos da cara, em Búzios. A causa era-é nobre, tudo para ajudar as tartaruguinhas.
 
(RJ, 29h20m, um dia qualquer de 2004)
 
Bem, roupa escolhida. Hora de arrumar tudo e me trocar. Arrumar tudo: umas cinco gavetas, mais de uma dúzia de cabides com roupas pelo chão, caixas de sapato espalhadas por todos os lados... Umas duas horas de trabalho árduo, no mínimo. Odeio arrumar armário, dobrar tudo direitinho, pendurar calças no mesmo cabide, não misturar roupa de trabalho com roupa de sair nem com as de ficar em casa. E ainda tem gente que ganha a vida fazendo isso. Dizem. Mais doidas, só as babás.
 
(RJ, 21h40m, um dia qualquer de 2004)
 
Sei não... Ficou tarde para sair sozinha... Esse pedaço aqui anda que é um perigo só... É feriado, as crianças estão viajando, ninguém para gritar "manhêêêê!... Sabe, pensando bem, melhor tomar um banho, pedir uma pizza e duas latinhas de cerveja e ver o filme que está anunciando na Band. Como é mesmo o nome do filme? Deixa p'ra lá, esqueci. Gosto do ator, Dennis qualquer-coisa, não lembro agora. Também não importa mesmo.
 
Estou cansada, esse negócio de arrumar armário é um horror, deixa a gente moída! Quero relaxar, deitada, janela aberta, tomando minha cerveja e comendo minha pizza Marguerita - queria era a de champignon, minha predileta, mas não tinha.
 
- E o tal projeto-saúde? - pergunta minha mãe, sem esconder um sorrisinho de sarcasmo, enquanto enfia a cabeça pela fresta da porta, impedindo a entrada da Nina. Sequer espera a resposta.
 
Digo, sem olhar:
 
 - Ah... 'Tá falando das caminhadas?Tudo em cima. Mas agora 'tô cansada... - desconverso, com uma pontinha de culpa.
 
Com meus botões, repito a frase imortalizada por Vivian Leigh, como Scarlet O'Hara, em "E o tempo levou..." :
 
- Amanhã. Amanhã eu penso nisso.
Simone Salles
Enviado por Simone Salles em 22/04/2005
Código do texto: T12466
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Simone Salles
Maricá - Rio de Janeiro - Brasil
19 textos (1417 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:26)
Simone Salles