Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desprezo

Eu intuí toda dor que ela me causaria...

Eu previ cada ato, silêncio, omissão e palavra, mas saboreei seus desatinos como a quem é oferecida a última refeição.

Seus olhos, chuva ácida, e ela me encarava como quem encontra alguém em prazer solitário; eu desmoronava – antes já implodido – e escorria por vielas há tempos renomeadas.  (Mas tudo tinha, lá: jardins, portas, postes, ah, as luzes! Eu as mirava bem, e atingia uma, duas, dez, quebrava quantas necessárias ao meu retorno, e em reconfortante escuro recompunha-me assoviando uma canção antiga, ou, por vezes, uma ainda não escrita.)

Quando ela dançava - ou ria - qualquer lógica perdia efeito e causa: o movimento áspero de suas terminações e o som estridente de suas cavidades jamais combinaram com a sobriedade de sua pele, pêlos e desejos, a não ser sob a ótica de minha compensatória filosofia – engendrada de mim para mim, certamente para que eu não enlouquecesse... Eu tateava aquele corpo qual imigrante em língua estranha, a premência e o medo de conhecer, e aquela carne salgada atiçava a fome e matava a sede; após o funeral projetava-se em ânsia novamente, e de novo, e mais uma vez...

De seu pensar errático eu supunha uma voz frágil. Engano! Esfinge devoraria menos, em menor tempo, e sem requintes de elegância ou generosidade. Aliás, sua humildade às avessas, seu pragmatismo, seu abandonar-se, sua inexorável interferência em meus hábitos tão boemicamente conjurados!...

Jamais alcancei sua alma. E tentei! Eu espreitava esquinas do seu sono, na esperança de um som, um líquido, qualquer evidência do crime (pois que era improvável, senão impossível, que espírito ela possuísse, ou a possuísse); eu queria-não-queria provar a tese, ser juiz e júri, libertá-la. (E eu nem sabia o quanto a amava!)

Não houve paradoxos, percebo. Eu projetei em seu espelho meus contraditórios reflexos – e não é isso o amor? Tampouco tomei pileques: bebi, socialmente, seus fluidos e meu uísque, e humanamente a desejei, enquanto fervia com classe de bruxo diplomado as misturas de ciúme, repulsa e tédio!

Por isso - por tudo - não sinto remorsos pelo desprezo com que a encarcerei – o bicho sem alma que ela é! – em uma jaula translúcida, inexpugnável. Minha punição é afagá-la ao meu bel-prazer.

Há hábitos que nunca se superam...

*Para Nora Rabelo – porque me pediu.
28.05.2004
Gina Girão
Enviado por Gina Girão em 28/03/2006
Reeditado em 19/05/2015
Código do texto: T130028
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gina Girão
Morada Nova - Ceará - Brasil, 50 anos
417 textos (25014 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:14)
Gina Girão